betclicpt
      História da transferência
      À volta do jogo

      De capitão a «maçã podre»: a polémica ida de Moutinho para o FC Porto

      Texto por Ricardo Lestre
      l0
      E1

      Saltar de um grande para o outro, surpreender tudo e todos e estar no epicentro de uma conversa durante largos dias. O futebol português sempre foi propício a trocas e baldrocas, sobretudo entre os três maiores clubes. Heróis um dia, vilões no outro, a vida dos futebolistas nunca deixou de ser volátil.

      qO Sporting não queria no seu pomar uma maçã podre
      José Eduardo Bettencourt
      Casos desse tipo, em Portugal, são vários. Desde o «Verão Quente» de 1993 à dispensa de João Pinto do Benfica com destino a Alvalade, passando ainda por Rui Águas, Simão Sabrosa e Fábio Coentrão (ainda que não em 'troca direta'), Maxi Pereira, André Carrillo, 'Cebolla' Rodríguez, entre outros. Destinos diferentes, motivos distintos, mas o mesmo nível de alarido.

      «Amigos, amigos... Negócios a parte». É um clichê, mas também é uma expressão utilizada frequentemente para definir a relação institucional entre FC Porto e Sporting. Relação essa que conheceu alguns momentos de tensão nos últimos 20 anos, mesmo que a rivalidade não fosse - nem seja - de tão grande magnitude comparativamente com aquela que coloca o outro rival ao barulho.

      Ainda assim, no século XXI, houve uma transferência em particular que provocou um sismo de larga escala: a de João Moutinho, em julho de 2010. Em Alvalade, a fúria apoderou-se dos sportinguistas quando o menino da formação - e, mais tarde, símbolo e capitão - virou, surpreendentemente, «maçã podre». A mais de 300 quilómetros de distância, na Cidade Invicta, a felicidade do universo portista levaria, anos mais tarde, à ironia da «maçã podre de boa»... 

      Contextos difíceis: dinheiro não abundava em Lisboa...

      A situação não era propriamente famosa do lado verde da Segunda Circular. O Sporting havia terminado a temporada 2009/10 no quarto lugar da tabela classificativa, interrompendo a sequência de quatro segundos lugares consecutivos com Paulo Bento, e de forma atribulada. Para além disso, a condição financeira era delicada, com falta de liquidez em investimentos avultados no plantel, como o caso de Sinama-Pongolle, e de capital.

      Mau início de época ditou saída de Paulo Bento ©Carlos Alberto Costa
      José Eduardo Bettencourt, líder máximo do clube leonino na altura, viu-se obrigado, no decorrer da época, a quebrar a espécie de promessa feita com o «Paulo Bento forever» depois de um início desastroso: eliminação na quarta eliminatória da Liga dos Campeões aos pés da Fiorentina e maus resultados no campeonato. 

      Mesmo com um ligeiro ascendente, a posição frágil do antigo jogador dos leões aos olhos da opinião pública era, acima de tudo, frágil. O ciclo necessitou de ser quebrado e iniciou-se uma crise interna profunda. Leonel Pontes, como interino, acabou por assumir o leme até à oficialização de Carlos Carvalhal, sucessor escolhido face à queda das negociações por... André Villas-Boas, treinador da Académica à data. E tudo numa altura delicadíssima do clube.

      «Estivemos perto de chegar a acordo com o Sporting. Eu tentei fazer com os meus adjuntos, de certa forma, o mesmo que o Mourinho fez connosco, e não senti que estivessem a protegê-los e eu disse que não. Quando quiseram voltar atrás nem quis saber e renovei pela Académica logo a seguir. O Sporting insistiu em Fevereiro mas passei em frente a este estádio [do Dragão], no autocarro da equipa [Académica] e soube que era aqui que eu queria estar», revelaria, anos depois, o na altura futuro treinador do FC Porto ao Porto Canal.

      Villas-Boas esteve perto de ser treinador do Sporting ©Carlos Alberto Costa
      Carvalhal recuperou, pese os altos e baixos, a confiança de uma equipa afundada no oitavo lugar da classificação - conseguiu uma série bastante positiva de vitórias em todas as competições - mesmo tendo, numa fase mais adiantada, deitado tudo a perder no espaço de três semanas. Foi-lhe comunicado que não continuaria no cargo bem antes do término da época e deu, por isso, lugar a Paulo Sérgio, a nova cara para 2010/11. Mas o técnico viria a revelar «uma coisa absolutamente fantasmagórica» vivida durante a estadia em Lisboa.

      «A minha sucessão, passadas umas semanas, era uma realidade», revelou, ao jornal Record, salientando que a apresentação de Costinha como diretor desportivo foi feita «à sua revelia».

      «Não estava presente na sala quando ele foi apresentado aos jogadores como o novo diretor para futebol. Isto foi tudo sui generis: havia jogadores no balneário, outros a levar massagens, outros na casa de banho e o Costinha a ser apresentado a 15/16 jogadores, sem a presença do treinador. Uma coisa fantasmagórica. De repente, entro no balneário, vejo aquele cenário – os jogadores a equiparem-se para o jogo com o Everton! – e o presidente diz-me: "Entre, entre." "Eu? Nada disso. Não fui convidado. Peço desculpa." Fechei a porta e fui embora (...)», explicou, passada uma década.

      ... E os títulos ameaçavam fugir do Porto

      No covil do dragão, a ressaca do penta falhado era dura, mas também motivo para colocar mãos à obra e dar início a uma nova era.

      Jesualdo terminou o seu ciclo no FC Porto em 2009/10 ©João Figueiredo
      O então tetracampeão, liderado por Jesualdo Ferreira, ele sozinho tri, viu a hegemonia ser interrompida por uma máquina encarnada que «jogou o dobro», tal como o treinador prometera: Jorge Jesus guiou o Benfica ao título de campeão nacional, em 2009/10, e quebrou com um jejum que durava há cinco anos.

      Assim como em Alvalade, no Dragão houve a necessidade de colocar um ponto final numa longa relação. A época foi desapontante: alguns fiascos no mercado, buraco difícil de tapar com a saída de Lucho González, lesões de certas figuras e suspensão de Hulk por causa do famoso 'Túnel da Luz'. Tudo contribuiu para a maior desilusão da era do Professor que conheceria, por isso, o seu fim.

      Ciente da urgência de sangue fresco, a direção portista canalizou esforços para oficializar André Villas-Boas, jovem e irreverente treinador da Académica que tinha feito parte da comitiva de José Mourinho durante caminhada triunfal dos azuis e brancos.

      Novos ventos, novos casamentos e... novos investimentos.

      Bandeira e capitão, «maçã podre» e «jogador à Porto»

      Aos 13 anos trocou o Portimonense e a sua cidade natal pelo Sporting e por Lisboa, tendo, em Alcochete, realizado a restante formação como futebolista. Um das primeiras grandes revelações da 'nova' Academia Sporting, João Moutinho teve uma daquelas ascensões meteóricas.

      Moutinho e outros produtos da formação leonina ©Getty / FRANCISCO LEONG
      Internacional desde bem cedo pelas seleções jovens - foi campeão sub-17 em 2003 -, estreou-se pela equipa B ainda no primeiro de júnior, venceu um campeonato de juniores e ainda miúdo chegou a fazer a pré-época com a equipa principal, a cargo de José Peseiro, na temporada 2004/05. 

      Durante a primeira parte da temporada fez parte do conjunto de juniores, liderado por Paulo Bento, no entanto, assim que Tinga regressou ao Brasil, em janeiro de 2005, José Peseiro não hesitou em chamá-lo de volta. Aos 18 anos, Moutinho estreou-se pela seleção AA das Quinas, nesse mesmo ano debutou na Primeira Liga e chegou com o Sporting à final da Taça UEFA perdida para o CSKA Moscovo, mas, aos olhos dos adeptos, carregava um fardo importante nos ombros: a mística leonina.

      Não demorou muito, por isso, a ser encarado como uma valiosa prata da casa à imagem de outros craques que o centro de formação exportara para vários pontos do planeta. A maturidade incomum para a idade, a liderança, a responsabilidade e a polivalência deliciavam o universo verde e branco.

      Capitão leonino aos 20 anos ©João Figueiredo
      Aos 20 anos, com Paulo Bento no leme, já era peça fulcral do clássico 4x4x2 losango devido ao rótulo de todo-o-terreno que o tornava versátil e apto para desempenhar qualquer função no meio-campo. Para além disso, assumiu a braçadeira com a mesma idade face às saídas de figuras como Custódio, Marco Caneira ou Ricardo. João Moutinho, mesmo muito jovem, tornou-se símbolo do Sporting. Tinha o perfil ideal para ser uma bandeira: alguém com a mística, a personalidade e os valores idealizados pela nação leonina, algo que também não escapou à atenção de clubes europeus de topo.

      Até que, no verão de 2008, após o Europeu realizado em solo suíço e austríaco, a bomba rebentou. Na pré-época, mais concretamente no fim do encontro frente ao Blackburn Rovers no Torneio do Guadiana, Moutinho reuniu os jornalistas e colocou Alvalade em estado de choque.

      «A minha vontade, pelas razões que tenho, é poder sair», atestou o capitão dos leões, ciente da proposta rejeitada pela direção proveniente de Inglaterra: 15 milhões de euros apresentados Everton. «Espero que possa haver uma boa solução para ambas as partes», reforçou.

      Precisamente por volta dessa altura, rumores na imprensa nacional deram conta de um eventual almoço do médio com o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, com quem o próprio confirmou ter-se cruzado juntamente com Pini Zahavi, seu representante, uma vez que tinha passado «o último fim-de-semana de férias» na cidade portuense. 

      João Moutinho
      Sporting
      Total
      259 Jogos  22633 Minutos
      32   34   0   02x
      ver mais »
      A polémica instalou-se por completo e o líder máximo dos portistas não hesitou em atirar mais uma acha para a fogueira, classificando João Moutinho como um «jogador à Porto» em entrevista à Visão.

      A relação entre capitão e clube começou a deteriorar-se e a renovação de contrato, perto do fim de 2008/09, apanhou todos de surpresa: contrato ampliado por mais uma época, salário ao nível dos mais altos do plantel e uma cláusula de rescisão de 22,5 milhões de euros.

      A direção liderada por José Eduardo Bettencourt parecia ter ganho um braço de ferro que perderia... meses depois. Não que algo de estranho não se notasse à distância, mas a saída de Paulo Bento, aliada à crise interna e ao fraco rendimento coletivo e individual que custou a Moutinho a presença no lote de eleitos de Carlos Queiroz para o Mundial na África do Sul, teve um peso considerável para o desfecho final.

      Na zona norte, a situação era seguida com especial atenção e a imprensa divulgava, a cada dia, informações reveladoras. As dificuldades financeiras do Sporting eram evidentes, especialmente depois do fracasso da temporada finda, e, em inícios de junho de 2010, José Eduardo Bettencourt, João Moutinho e o seu empresário, o conceituado Pini Zahavi, estabeleceram, por escrito, um contrato no qual o agente israelita tinha um mandato para encontrar uma nova casa para o seu cliente, até ao final do mês, mediante o pagamento de 10 milhões de euros. 

      Venceu vários títulos no FC Porto ao longo de três épocas ©Catarina Morais
      Dias depois, o documento viria a sofrer alterações relativamente às condições de uma futura transferência, sendo que em nenhum ponto ficou excluído qualquer clube interessado. Ora, o FC Porto não demorou a agir, mas os leões rejeitaram a abordagem, algo que, segundo os meios de comunicação, deixou o internacional luso descontente.

      Moutinho confrontou a direção sobre o acordo, envolveu-se numa discussão com Costinha, diretor desportivo, e acabou por ser impedido de treinar com a equipa, apesar da informação oficial ter dado conta de «trabalhos de ginásio».

      Gerou-se um problema de tal forma alarmante que Paulo Sérgio, aposta de Bettencourt para 2009/10, afirmou ter «feito coisas no Sporting que provavelmente não teve de fazer em Guimarães».

      «Havia coisas que não eram do futebol ou do treinador do futebol, mas em que eu tinha de participar e partilhar. Por exemplo, a saída do João Moutinho, eu vi a aflição das pessoas a lidar com um erro tremendo que se cometeu e chamaram-me às onze da noite para ir a Alvalade para discutirmos isso», revelou, ao Expresso.

      «Era uma coisa muito frágil e num ano em que o presidente contava com um determinado número de apoios que depois não aconteceram. Ele viu-se na iminência de ter de fazer a venda do João [Moutinho] para poder fazer face à temporada, porque não tinha dinheiro. (...) Lembro-me de uma frase dele: 'Ó Paulo, eu prefiro comer ovos com salsichas o resto da minha vida do que falir o meu clube'», acrescentou.

      Transferência para o Monaco colocou, de novo, FC Porto e Sporting frente a frente ©Catarina Morais / Kapta +
      O ponto de rutura havia chegado e a decisão de deixar sair a grande figura do plantel era, mais do que nunca, irreversível. Assim, a 4 de julho de 2010, com longas semanas de conversações e negociações, FC Porto e Sporting acordaram a transferência de João Moutinho por 11 milhões de euros - na prática, 10 - mais metade do passe de Nuno André Coelho, central que efetuou o trajeto inverso, valor esse inferior à metade da cláusula de rescisão estabelecida no anterior vínculo do médio.

      Consumava-se, portanto, a transferência mais cara da história do futebol português e a segunda mais cara de sempre dos dragões (já ultrapassada a larga distância nos dias de hoje), um desfecho inesperado digno de um thriller à boa moda portuguesa. Em 2014, o assunto foi motivo de corte de relações entre ambos os clubes pela cláusula de uma futura transferência (25 por cento) estabelecida na altura, com a Comissão Arbitral da Liga Portuguesa de Futebol a condenar o FC Porto ao pagamento de 650 mil euros aos leões relativos à mudança de Moutinho para o AS Monaco.

      Eternizada na memória dos portugueses ficou uma das tiradas de José Eduardo Bettencourt, ao lado de Costinha, em conferência de imprensa, assim que a operação foi oficializada: «(...) O Sporting não queria no seu pomar uma maçã podre (...)».

      A Moutinho «doeu» ouvir tais palavras, mas... «Era capitão do Sporting e a minha mudança para o FC Porto não foi fácil. Uma grande decisão, uma boa decisão, uma das melhores que tomei no futebol, porque ganhei muitas coisas».

      Capítulos
      Comentários (2)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      Venham
      2020-07-04 15h24m por Blueman
      mais maçãs podres destas. . . 😉como o Quaresma, o Futre, o Inácio, o Eurico, o Fernando Mendes. . .
      Moutinho
      2020-05-05 03h37m por mafraFCP
      Grande Moutinho, grandes homens tem de enfrentar decisões difíceis. Naquela altura era UMA maçã podre, agora é um bando de maçã podre, o Sporting não sai disto! Porto também caminha pra lá.