história
Clubes

Nacional

Texto por João Pedro Silveira
l0
E1
 

Origens e fundação
 
No começo do século XX o futebol ia ganhando entusiasta em Portugal e a Madeira não era excepção. 
Um grupo de jovens locais descobriu a paixão pelo desporto em partidas realizadas no Campo do Brás em 1908, num período em que o futebol na ilha era quase um exclusivo inglês. Esse grupo resolveu organizar jogos com alguma regularidade. Seria esse grupo o núcleo fundador que a 8 de Dezembro de 1910, por sugestão Antonino Figueira, fundou o Nacional Sport Grupo, com o preto e branco como cores.
 
Depois de um longo período de aprendizagem e amadurecimento em 1916 o Nacional começou a disputar competições. Foi também nesse ano que o clube passou a denominar-se Grupo Desportivo Nacional. A actual denominação só chegaria em 1922.
 
Três ano mais tarde o Nacional dá inicio a construção de raiz do primeiro estádio do arquipélago: o Estádio dos Barreiros, que seria inaugurado em 1927 num jogo contra o Vitória de Setúbal.
 
Na década seguinte o Nacional conquista os seus primeiros campeonatos da Madeira (1935, 1937 e 1939). Nos anos quarenta, aproveitando um período de menor fulgor do Marítimo o Nacional torna-se na potência desportiva da ilha, conquistando três campeonatos da Madeira consecutivos.
 
Com o fim da II Guerra Mundial o futebol do Nacional perdeu fulgor e durante longos anos assistiu ao domínio dos verde-rubros e do União.
 
Entrada nos nacionais
 
Só em 1975, após conquistar o Campeonato da Madeira novamente é que o Nacional pode finalmente participar no Campeonato Nacional da III Divisão.  
 
Em 1977/78 ascendeu à II Divisão e em 1987/88 estreou-se no primeiro escalão. Nesse primeiro período na I Divisão que durou até 1991 destaca-se uma histórica vitória no Estádio das Antas por 1x2 que espantou o país desportivo.
 
Caído na então II Divisão de Honra o Nacional manteve-se a meio da tabela durante 3 anos, caindo para a II Divisão B no ano seguinte.
 
Entrando num período de crise os alvinegros, voltaram a subir ao segundo escalão para cair novamente ao terceiro escalão, com mais um último lugar. 
 
Com o Rui Alves na presidência o clube começa a modernizar-se iniciando a construção de um novo estádio na Choupana com o objectivo de abandonar os Barreiros.
Em 1998 inicia-se a construção do Estádio Engenheiro Rui Alves que é inaugurado em 2000. No primeiro dia de Junho de 2007 seria rebaptizado de Estádio da Madeira.
 
Regresso à I Liga e presenças na Europa
 
Só em 1999/00 o Nacional voltaria a subir à II Liga, mas pouco depois, em 2001/02 estava de regresso ao escalão maior do futebol português.
 
Após um 11º lugar no ano do regresso, o Nacional orientado por Casimiro Mior consegue a melhor classificação da sua história, acabando em 4º lugar e apurando-se para a Taça UEFA onde se estreou na época seguinte defrontando os andaluzes do Sevilla.
 
Em 2004/05 o Nacional conseguiu o resultado mais espectacular da sua história vencendo em pleno Estádio do Dragão o FC Porto com um esmagador 0x4.
 
O clube volta a participar na Taça UEFA sendo eliminado na 1ª eliminatória pelo Rapid de Bucareste na época 2006/07, depois de no campeonato anterior ter conseguido um excelente quinto lugar.
 
2009 foi o ano em que o Nacional igualou a melhor classificação da sua história conseguindo também chegar às meias-finais da Taça de Portugal, onde acabou por ser eliminado pelo Paços de Ferreira.
 
Um ano depois o Nacional fez uma excelente carreira na Liga Europa, eliminando os russos do Zenit com um 4x3 no Funchal e um 1x1em São Petersburgo, qualificando-se para a fase de grupos da competição onde não conseguiu seguir em frente pela forte oposição de WerderBremen e Athletic Bilbau.
 
A época de 2010/11 valeu nova qualificação para a Liga Europa, além de uma nova presença nas meias-finais de uma Taça, desta vez a Taça da Liga, para novamente perderem a passagem para a final por culpa do Paços de Ferreira.
 
No século XXI o Nacional tem sido um exemplo de boa gestão. Conseguindo construir um estádio novo, reestruturar-se com a nova academia e lançando jovens promessas como Rúben Micael.
 
Com dos quartos lugares e quatro presenças nas competições europeias, o Nacional conseguiu neste início de século não só ombrear com o grande rival Marítimo como em muitas situações ultrapassa-lo.
A época de 2010/11 valeu nova qualificação para a Liga Europa, além de uma nova presença nas meias-finais de uma Taça, desta vez a Taça da Liga, para novamente perderem a passagem para a final por culpa do Paços de Ferreira.No começo do século XX o futebol ia ganhando entusiasta em Portugal e a Madeira não era excepção. 
Um grupo de jovens locais descobriu a paixão pelo desporto em partidas realizadas no Campo do Brás em 1908, num período em que o futebol na ilha era quase um exclusivo inglês. Esse grupo resolveu organizar jogos com alguma regularidade. Seria esse grupo o núcleo fundador que a 8 de Dezembro de 1910, por sugestão Antonino Figueira, fundou o Nacional Sport Grupo, com o preto e branco como cores.
 
Depois de um longo período de aprendizagem e amadurecimento, em 1916 o Nacional começou a disputar competições. Foi também nesse ano que o clube passou a denominar-se Grupo Desportivo Nacional. A actual denominação só chegaria em 1922.
 
Três ano mais tarde o Nacional dá inicio a construção de raiz do primeiro estádio do arquipélago, o Estádio dos Barreiros, que seria inaugurado em 1927 num jogo contra o Vitória de Setúbal.
 
Na década seguinte o Nacional conquista os seus primeiros campeonatos da Madeira (1935, 1937 e 1939). Nos anos quarenta, aproveitando um período de menor fulgor do Marítimo o Nacional torna-se na potência desportiva da ilha, conquistando três campeonatos da Madeira consecutivos.
 
Com o fim da II Guerra Mundial o futebol do Nacional perdeu fulgor e durante longos anos assistiu ao domínio dos verde-rubros e do União.
 
Só em 1975, após conquistar o Campeonato da Madeira novamente é que o Nacional pode finalmente participar no Campeonato Nacional da III Divisão.  
 
Em 1977/78 ascendeu à II Divisão e em 1987/88 estreou-se no primeiro escalão. Nesse primeiro período na I Divisão que durou até 1991 destaca-se uma histórica vitória no Estádio das Antas por 1x2 que espantou o país desportivo.
 
 
 
Caído na então II Divisão de Honra o Nacional manteve-se a meio da tabela durante 3 anos, caindo para a II Divisão B no ano seguinte.
 
Entrando num período de crise os alvinegros, voltaram a subir ao segundo escalão para cair novamente ao terceiro escalão, com mais um último lugar. 
 
Com o Rui Alves na presidência o clube começa a modernizar-se iniciando a construção de um novo estádio na Choupana com o objectivo de abandonar os Barreiros.
Em 1998 inicia-se a construção do Estádio Engenheiro Rui Alves que é inaugurado em 2000. No primeiro dia de Junho de 2007 seria rebaptizado de Estádio da Madeira.
 
Só em 1999/00 o Nacional voltaria a subir à II Liga, mas pouco depois, em 2001/02 estava de regresso ao escalão maior do futebol português.
 
Após um 11º lugar no ano do regresso, o Nacional orientado por Casimiro Mior consegue a melhor classificação da sua história, acabando em 4º lugar e apurando-se para a Taça UEFA onde se estreou na época seguinte defrontando os andaluzes do Sevilla.
 
Em 2006 o clube volta a participar na Taça UEFA sendo eliminado na 1ª eliminatória pelo Rapid de Bucareste.
 
2009 foi o ano em que o Nacional igualou a melhor classificação da sua história conseguindo também chegar às meias-finais da Taça de Portugal, onde acabou por ser eliminado pelo Paços de Ferreira.
 
Um ano depois o Nacional fez uma excelente carreira na Liga Europa, eliminando os russos do Zenit com um 4x3 no Funchal e um 1x1em São Petersburgo, qualificando-se para a fase de grupos da competição onde não conseguiu seguir em frente pela forte oposição de WerderBremen e Athletic Bilbau.
 
A época de 2010/11 valeu nova qualificação para a Liga Europa, além de uma nova presença nas meias-finais de uma Taça, desta vez a Taça da Liga, para novamente perderem a passagem para a final por culpa do Paços de Ferreira.
Comentários (2)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
Troféus internacionais
2013-06-09 20h33m por Dinis-CDNacional
O zerozero não faz qualquer referência a importantes troféus internacionais ganhos pelo CD Nacional, como o Trofeo Ramon Carranza e o Torneio Internacional de Split.

Classificação final do Ramon Carranza 2012:
1º Nacional (vencedor)
2º Rayo Vallecano
3º Osasuna
4º Cádiz

Classificação do Torneio Internacional de Split 2009:
1º Nacional (vencedor)
2º Hajduk Slpit
3º Blackburn

TA
caro zerozero
2012-08-13 17h43m por tartaruga19
com a presença e conquista do torneio ramon carranza acho que deviam fazer aqui uma breve referencia a essa participaçao visto que e um torneio com algum prestigio em espanha
Tópicos Relacionados
Equipa