placardpt
      Qualif. EUA 1994
      Grandes jogos

      Argentina x Colômbia: «manita» dos «cafeteros»

      Texto por João Pedro Silveira
      l0
      E7

      «Não se pode mudar a história... A história não se muda. E nós argentinos sabemos disso. Historicamente como estamos? Argentina por cima, Colômbia por baixo

      - Diego Armando Maradona (dias antes do grande encontro)

      Na qualificação para o Mundial dos E.U.A. em 1994, a Argentina chegou ao último jogo com um ponto de atraso sobre o líder do grupo, a surpreendente Colômbia de Francisco Maturana. Nesse princípio de noite de 5 setembro de 1993, o Estadio Monumental Antonio Vespucio Liberti, o famoso Monumental do River Plate em Buenos Aires, era o palco da grande decisão. O vencedor garantia um lugar na fase final e o derrotado teria que enfrentar a Austrália num play-off.

      Duas equipas, um objetivo

      A Argentina, campeã em 1986 e vice-campeã em 1990, comandada por Alfio Basile, apresentava um misto entre heróis de campanhas passadas, como o «portero» Goycochea e o defesa Ruggeri, e os futuros craques da «Seleção das Pampas» como Batistuta, Simeone e Redondo. Mesmo sem a presença de Diego «el Pibe» Maradona, a Argentina era clara favorita.

      Do outro lado da barricada estava a Colômbia, a potência emergente do futebol sul-americano com uma geração de ouro que caíra nos oitavos-de-final do Itália 90 às mãos de Roger Milla, ou, se preferirem, aos pés de René Higuita, e que prometia grandes feitos para 1994.

      A Alviceleste começou a partida dominando e pressionando o adversário, chegando por várias vezes com perigo à aérea colombiana. O guarda-redes Oscar Córdoba, liderou a resistência dos cafeteros, defendendo o possível e motivando os colegas. O jogo decorreu na mesma toada, até que aos poucos a Colômbia reagiu.

      Valderrama começou a pegar na bola e, juntamente com Freddy Rincón, o esférico começou a rolar teleguiadamente entre os jogadores que equipavam de amarelo e azul. A classe de Valderrama ia acalmando a avalanche adversária e a Argentina começava a sentir os primeiros contra-ataques venenosos do oponente.

      Além da classe do seu meio-campo, Maturana contava na frente com Faustino Asprilla e Adolfo «el Tren» Valencia, dois aríetes apontados à baliza de Sergio Goycochea.

      Foram cinco! 

      Aos 41 minutos, após um passe soberbo de Valderrama, Rincón engana Goycochea e gela o Monumental. O intervalo chega pouco depois e, nas bancadas, os argentinos desconfiam do resultado e da capacidade da sua equipa. A enorme confiança argentina que existia antes do jogo parecia estar já por terra e essa era a primeira grande vitória dos rapazes de Maturana.

      No recomeço, o «el Pibe» Valderrama voltou ainda mais inspirado e a grande orquestra colombiana deu um recital de bom futebol, como nunca o público argentino tinha visto em sua casa.

      Com futebol de sonho, a Colômbia avançou sobre o adversário, dizimando o orgulho Alviceleste. Aos 49 minutos Asprilla fez o 0x2, aos 72 minutos Rincón bisou e dois minutos depois Asprilla com um chapéu perfeito também bisou. A Argentina sentia o peso da amarga humilhação, o seu público assobiava os jogadores da casa e os colombianos dançavam ao ritmo da enleante salsa: cada novo golo, cada nova confirmação da mais histórica das vitórias do futebol colombiano.

      «El Tren» Valencia atropelou definitivamente a Argentina com o quinto golo e a Alviceleste caía com estrondo. Pela primeira vez, a Argentina sofria mais de quatro golos em casa. Goycochea, que nem de perto, nem de longe, fora responsável por tamanha humilhação, foi eleito como o principal culpado da desgraça e perdeu o seu lugar no onze argentino para Luis Islas. Mais do que uma pessoa lhe sugeriu amigavelmente que se suicidasse Felizmente Goycochea não seguiu o conselho, mas a sua carreira internacional estava acabada. 

      A Argentina ainda haveria de bater a Austrália, e ambos os países sairam com estrondo e sem glória do Mundial norte-americano, mas o dia 5 de setembro de 1993 ficou para sempre na memória do futebol sul americano e mundial.

      Capítulos
      Comentários (8)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      colombia de hoje em dia
      2013-09-05 16h46m por MisticaBenfiquista29
      e bastante melhor
      Classic!
      2012-09-05 17h13m por JHendrix
      Era miúdo, mas ainda me recordo bem deste jogo.

      Era uma excelente Colômbia aquela do Valderrama, e do espectacular Asprilla.

      Foi a derrota, que ditou o regresso (o último) de Maradona à selecção, que não gozava da simpatia do seleccionador da altura, que, se não me engano, era o Basile,

      Após esta qualificação, a Colômbia chegou ao Mundial como uma das grandes favoritas, mas acabou por cair cedo, logo na fase de grupos, contra a espectac...ler comentário completo »
      futuro
      2012-09-05 13h50m por diogt123
      a argentina esta a piorar a colombia ainda vai dar mais

      o Pelé
      2012-09-05 13h04m por puntskapuntz
      apontava a Colômbia e a Suíça à vitória do Mundial. . .

      BOA PELÉ!
      . .
      2012-09-05 12h48m por miguelitu9
      Não estava era o Marcos Rojo! ahahah
      Podem fazer o mesmo.
      2012-09-05 12h34m por Sapunaru21
      Falcão, Guarín, James, Jackson, Quiño, Zapata, Ospina, Yepes, Ivan Cordoba, Rodallega, Osorio Botello, Teofilo Gutierrez, etc etc
      JI
      FALCAO
      2012-09-05 12h26m por Jiichaves
      Nem o Falcao. . .
      MESSI
      2012-09-05 12h01m por diogo7000
      nao estava la o messi
      jogos históricos
      U Domingo, 05 Setembro 1993 - 00:00
      Monumental Antonio Vespucio Liberti (Monumental de Núñez)
      Ernesto Filippi
      0-5
      Freddy Rincón 41' 74'
      Faustino Asprilla 50' 76'
      Adolfo Valencia 85'
      Estádio
      Monumental Antonio Vespucio Liberti (Monumental de Núñez)
      Lotação74624
      Medidas105m x 70m
      Inauguração1938
      TEXTO DISPONÍVEL EM...