placardpt
      História
      À volta do jogo

      103 quilos e um coração bom: o gigante que decidiu o primeiro FC Porto-Sporting na Taça

      Texto por Pedro Jorge da Cunha
      l0
      E0

      Rivalidade ancestral, secular, debruada no azul e branco em listas verticais e no verde branco de riscas horizontais. Tantas memórias.

      O primeiro clássico registado nos arquivos do futebol nacional data de 4 de junho de 1922, há precisamente 100 anos. Em Portugal, o desporto-rei é uma criança ainda a gatinhar, pueril e inocente, quando Porto e Sporting discutem numa final a duas mãos o campeão de Portugal.

      Ganham os dragões por 2-1, em dia de Senhor de Matosinhos e romaria apressada ao Campo da Constituição, segundo reza o Almanaque do FC Porto, de Rui Miguel Tovar.

      Correia Dias
      Total
      122 Jogos  10980 Minutos
      113   0   0   02x

      ver mais »
      São precisos 22 anos e uns passos tremelicantes rumo ao semi-profissionalismo até ao primeiro duelo entre estes grandes senhores para a Taça de Portugal.

      16 de abril de 1944, oitavos de final da prova rainha discutidos a duas mãos. No Porto, mais particularmente no Estádio do Lima, ganham os azuis e brancos por 2-0. Em Lisboa, sete dias depois, três golos para cada lado e seguem os nortenhos em frente.

      Quem são os primeiros heróis de uma eliminatória FC Porto-Sporting para a taça?

      Esqueçam os salários abastados, os estágios, os tiques de vedeta desenhados em tatuagens intermináveis e brincos xpto. Esta gente, estes futebolistas, são o cidadão mais comum representado num campo de terra batida.

      Joelhos feridos, olhos esgotados, equipamentos rudimentares, mas aquela paixão que só o futebol nos consegue dar.

      Agora, os artistas. Manuel Belo Correia Dias é o autor do primeiro golo de sempre em clássicos a contar para a Taça de Portugal. Nesse tal 2-0, o saudoso avançado faz o 1-0 e o madeirense Pinga, o primeiro craque madeirense do futebol nacional – à atenção de Cristiano Ronaldo – é o autor do 2-0.

      «Nunca pensei nas remunerações do clube»

      Correia Dias. Numa era em que os jornais chegam às tabacarias dia sim dia não e em que a urgência noticiosa é saciada pela telefonia, o corpulento atacante de 103 quilos incorpora na perfeição o epíteto «jogar por amor à camisola». Mais do que ultrapassado, como se sabe.

      Nascido em Ovar, Correia Dias acompanha a jorna familiar numa empresa produtora de cereais. É daí que retira o provento mensal e o sustento da casa. Daí a sua absoluta surpresa quando é confrontado, em 1948, com a possibilidade de passar a ser futebolista profissional.

      O peso excessivo nunca tirou os golos a Correia Dias ©FC Porto
      «Eu acho o profissionalismo perfeitamente aceitável. É mesmo honroso ser profissional. Se eu precisasse do futebol acredito que receberia desde há muito. Mas, como isso não se tem dado, nunca pensei nas remunerações do clube», diz o bom do Correia Dias em entrevista à histórica Stadium. E há mais.

      «Agora, posto o problema da disciplina e das obrigações, considerada necessária a minha inclusão na equipa do clube, nestas condições, acedi e ganho. Pronto.»

      E pronto. Correia Dias joga de 1939 a 1948 a acumular futebol e negócio familiar, e prova a exigência do profissionalismo apenas no ano do adeus aos pelados: 1948/49.

      A despedida dá-se a 16 de janeiro de 1949, contra o Olhanense, na Constituição. Para trás, porém, deixa números impactantes. Não só na altura e no peso.

      De acordo com o Museu do FC Portoe confirmado na base de dados do zerozero -, Correia Dias é ainda o oitavo melhor marcador de sempre dos dragões, atrás apenas de sete outros monstros sagrados: Fernando Gomes, Hernâni, Mário Jardel, Teixeira, Pinga, Domingos Paciência e Araújo.

      Uma personagem obrigatória e decisiva nesse primeiro FC Porto-Sporting da Taça de Portugal.

      «Oh Correia Dias, comes papas frias»

      Se fosse vivo, Correia Dias teria 103 anos. O gigante bom deixou uma imagem nada condizente com a extraordinária compleição física.

      Onde muitos poderiam adivinhar um brutamontes sem modos, todos descobriam um coração mole e um sorriso inabalável.

      Correia Dias é o oitavo homem com mais golos pelo FC Porto ©FC Porto
      No blog Estrelas do FCP, pode ler-se a narração de um episódio curioso e ilustrativo do supracitado. Atraídas pela fama de Correia Dias, as crianças de Ovar não lhe largam a porta da casa na rua Cândido dos Reis. E entoam sempre a mesma cantoria.

      «Oh Correia Dias
      Comes papas frias»

      A cena é relatada por um antigo vizinho, Luís Nogueira. Heroísmo, bondade, humanismo absoluto de um homem que deixa uma marca profunda na história do FC Porto.

      Cinco vezes campeão distrital do Porto, melhor marcador do campeonato nacional 1941/42 com 37 golos, 122 jogos e 113 golos ao longo de todo o percurso.

      Dias inesquecíveis? Esse contra o Sporting e a histórica vitória sobre o todo-poderoso Arsenal, no Lima, a 7 de janeiro de 1948: 3-2 para o FC Porto e dois golos de Correia Dias, um gigante de 103 quilos.

      D

      Fotografias(4)

      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      Tópicos Relacionados