betclicpt
      Biografia
      Jogadores

      Pauleta: O Ciclone dos Açores

      Texto por João Pedro Silveira
      l0
      E11

      Superar Eusébio

      Natural de Ponta Delgada, no arquipélago dos Açores, onde nasceu a 28 de abril de 1973, Pedro Miguel Carreiro Resendes ficou conhecido no mundo de futebol como Pauleta.

      Apesar das suas 88 internacionalizações, Pauleta foi um caso único em Portugal ao tornar-se o primeiro internacional lusitano a nunca jogar no primeiro escalão do nosso futebol.
       
      Com as cinco quinas ao peito tornou-se recordista de golos marcados pela seleção, ultrapassando os 41 golos de Eusébio no último jogo da fase de qualificação do Mundial de 2006, numa vitória clara de Portugal sobre a Letónia no Estádio das Antas, no Porto.
       
      Com muita mobilidade e faro de golo, para além de ser um cabeceador de eleição, o «Ciclone dos Açores» marcou uma era no futebol português e na seleção mesmo sem nunca ter jogado ao mais alto nível em Portugal.
       
      Dos Açores até França
       
      Tudo começou nos Açores, onde o avançado debutou em clubes locais como o Santa Clara e o União Micaelense. Em 1995 foi contratado pelo Estoril-Praia da II Divisão de Honra e deu o salto para o continente, onde, após uma época em que marcou 19 golos, deu nas vistas e ficou muito perto de assinar pelo Belenenses treinado então por João Alves, mas acabaria por só se juntar ao «Luvas Pretas» em Salamanca, clube para onde entretanto se havia mudado.
       
      Após duas épocas de sucesso na equipa salamantina, Pauleta recebeu uma proposta do FC Porto, mas acabou por se mudar para o Deportivo da Coruña onde, em 1999/00, conquistou o seu primeiro título de campeão de Espanha. Com as faixas ainda frescas, mudou-se para França, passando vestir a camisola do Girondins de Bordeaux. 

      Em Bordéus tornou-se uma das vedetas da equipa e ídolo dos adeptos que rapidamente o celebraram como «L'Aigle des Açores» [A Águia dos Açores], encantados com os seus golos e a forma característica como os festejava, mimetizando o bater de asas do açor, o símbolo do arquipélago.

      Glória em Paris

      Após ser eleito por duas vezes como o jogador do ano na Liga Francesa, abandona a equipa bordalesa e muda-se para a Cidade Luz, defendendo as cores do Paris Saint Germain (PSG).
      No PSG apontaria 109 golos em 168 partidas, ultrapassando o número de golos de Dominique Rocheteau, tornando-se o melhor marcador de sempre do clube parisiense.
      Na seleção, o Ciclone dos Açores, foi contemporâneo daquela que ficou conhecida como a Geração Dourada do futebol português, apesar de nunca ter participado nas conquistas dos jovens portugueses em 1989 e 1991.
      Estreou-se em fases finais de grandes competições em 2000 no Euro que se disputou nos Países Baixos e Bélgica, onde tapado por Nuno Gomes e João Vieira Pinto, só saiu do banco para jogar contra a Alemanha, num jogo em que Portugal já estava apurado.
      Depois de ter tido papel fundamental na qualificação para o Mundial de 2002, acabou por marcar um hattrick no jogo com a Polónia (4x0), mas Portugal saiu da prova ainda na primeira fase.
      Em 2004, efetuou um Campeonato muito abaixo das suas capacidades, perdendo oportunidades atrás de oportunidades, mas nunca perdendo a confiança do Treinador Luís Filipe Scolari, apesar de terminar a prova com zero golos marcados.
      Despedir-se-ia das grandes competições no mundial de 2006, marcando um golo na estreia contra a Angola, o único na prova, que lhe valeu o feito de ter apontado golos em dois mundiais seguidos.
      Após ser eleito por duas vezes como o jogador do ano na Liga Francesa, abandona a equipa bordalesa e muda-se para a Cidade Luz, defendendo as cores do Paris Saint Germain (PSG).
      No PSG apontaria 109 golos em 168 partidas, ultrapassando o número de golos de Dominique Rocheteau, tornando-se o melhor marcador de sempre do clube parisiense.
      Na seleção, o Ciclone dos Açores, foi contemporâneo daquela que ficou conhecida como a Geração Dourada do futebol português, apesar de nunca ter participado nas conquistas dos jovens portugueses em 1989 e 1991.
      Estreou-se em fases finais de grandes competições em 2000 no Euro que se disputou nos Países Baixos e Bélgica, onde tapado por Nuno Gomes e João Vieira Pinto, só saiu do banco para jogar contra a Alemanha, num jogo em que Portugal já estava apurado.
      Depois de ter tido papel fundamental na qualificação para o Mundial de 2002, acabou por marcar um hattrick no jogo com a Polónia (4x0), mas Portugal saiu da prova ainda na primeira fase.
      Em 2004, efetuou um Campeonato muito abaixo das suas capacidades, perdendo oportunidades atrás de oportunidades, mas nunca perdendo a confiança do Treinador Luís Filipe Scolari, apesar de terminar a prova com zero golos marcados.
      Despedir-se-ia das grandes competições no mundial de 2006, marcando um golo na estreia contra a Angola, o único na prova, que lhe valeu o feito de ter apontado golos em dois mundiais seguidos.
      Após ser eleito por duas vezes como o jogador do ano na Liga Francesa, abandonou a equipa bordalesa e mudou-se para a Cidade Luz, com vista a defender as cores do Paris Saint Germain (PSG).
       
      No PSG apontou 109 golos em 168 partidas, ultrapassando o número de golos de Dominique Rocheteau, e tornou-se o melhor marcador de sempre do clube parisiense. Graças aos seus golos ganhou um lugar na memória do Parc des Princes e na história da instituição.
       
      Na seleção, o «Ciclone dos Açores» foi contemporâneo daquela que ficou conhecida como a «Geração Dourada» do futebol português, apesar de nunca ter participado nas conquistas dos jovens portugueses em 1989 e 1991.
       
      Em branco nos europeus
       
      Estreou-se em fases finais de grandes competições em 2000, no Euro que se disputou nos Países Baixos e Bélgica, onde, tapado por Nuno Gomes e João Vieira Pinto, só saiu do banco para jogar contra a Alemanha, num jogo em que Portugal já estava apurado.
       
      Depois de ter tido um papel fundamental na qualificação para o Mundial de 2002, Pauleta acabou por marcar um hat-trick no jogo com a Polónia (4x0), mas Portugal sairia da prova ainda na primeira fase.
       
      Em 2004, efetuou um Europeu em solo luso muito abaixo das suas capacidades, perdendo oportunidades atrás de oportunidades, mas nunca perdendo a confiança do seleccionador Luís Filipe Scolari, mesmo com zero golos marcados até ao final.
       
      O mítico camisola 9 das Quinas despedir-se-ia das grandes competições no Mundial de 2006, ao marcar um golo na estreia contra a Angola, o único na prova que lhe valeu o feito de ter apontado golos em dois Mundiais seguidos.
      D

      Fotografias(19)

      Pedro Pauleta (POR)
      Capítulos
      Comentários (12)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      TA
      Um exemplo
      2014-04-28 23h44m por Tantoscasos
      de um açoriano notável.
      Grande Pauleta, precisamos de um avançado como tu para o mundial .
      jeop
      2014-04-28 00h14m por UK-SPORTING10
      Cristiano Ronaldo até ao momento, já te 49 golos, ou seja, ultrapassou Pedro Pauleta. . . Mas não vai ficar por aqui, ainda vai chegar há meta dos 60 espero eu! :P
      JE
      o melhor jogador de portugal
      2012-04-29 01h48m por jeop
      . . . ninguem mas ninguem vai conseguir ultrapassar a marca de golos do Grande Pauleta. . .
      Tenho muito orgulho neste grande açoriano.
      é da minha terra.
      obrigado por tudo, Pauleta
      VA
      AÇORIANO COMO EU
      2012-04-28 21h51m por Vasco55
      É uma grande honra ter um jogador destes a viver na mesma ilha que eu! AÇORES E S. MIGUEL 4 EVER
      Grande Pauleta
      2012-04-28 19h11m por RSDestroy
      "Grande ponta de lança, grande faro de golo". Essas foram as palavras de um cientista marinho francês, adepto do P. S. G. que tive o prazer de conhecer num paquete científico francês, na ilha do Faial. Ele perguntou-me aonde eu vivia e eu disse, que vivia na ilha de S. Miguel. Ele instantaneamente disse : "Ah, the land of Pedro Miguel Pauleta!!!"(Ah, a terra do Pedro Miguel Pauleta, para quem não tiver percebido lol. E ainda bem que ele sabia falar inglês porque senão, francês, tava li...ler comentário completo »
      Pauleta
      2012-04-28 18h40m por Shrekstar
      Sem duvida dos melhores ponta de lança do futebol Português e os golos falam por si. . . e numa época em que o nosso futebol era fértil em avançados de qualidade (Domingos, Sá Pinto, Nuno Gomes, Cadete). . . Ou temos em demasia ou não temos nenhum de jeito, como se verifica actualmente. Rezo para que o Nelson Oliveira vingue e faça recordar este gigante dos Açores. . . Bem precisamos!!! Parabéns Pauleta pela carreira magnifica e pela simplicidade como homem do futebol. . . Portugal e os...ler comentário completo »
      RI
      Pauleta
      2012-04-28 13h34m por Riquelme10
      o melhor ponta-de-lança português que tive a honra de ver jogar à bola!
      DA
      O meu idolo
      2012-04-28 12h45m por damc
      Já não se fazem jogadores destes!!!
      Pauleta
      2012-04-28 11h09m por pedrobalo
      Espero que o Nelson Oliveira ultrapasse os golos do Pauleta, de qualquer maneira Pauleta sempre foi um grande jogador, é pena é nunca ter jogado num grande português.
      Parabéns grande Pauleta, na tua geração quase nos davas um europeu mas o raio dos gregos não sei como lá nos tiraram esse sonho, foi pena.
      Parabens
      2012-04-28 10h03m por leonsuper
      Grande amigo, grande homem, os Açores agradecem. obrigado, parabens por essa data
      BR
      pauleta
      2012-04-28 09h43m por brunoalves4
      foi um grande goleador, tao cedo portugal nao tem nenhum assim, grande carreira
      TO
      . . .
      2012-04-28 08h55m por Tofinho
      "marcou uma era no futebol português e na seleção, mesmo sem nunca ter jogado na seleção. "

      ???? Oi?? Mesmo sem ter jogado na selecao???
      Agradecimento
      hm por zerozero.pt
      Muito obrigado. O texto foi alterado com base no comentário abaixo.
      TEXTO DISPONÍVEL EM...