O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel

      Real, Mourinho, Schmidt e Conceição

      2024/06/03
      E2
      Este espaço, do jornalista Carlos Daniel, pretende ser de abordagem e reflexão sobre o futebol no que o jogo tem de melhor. Quinzenalmente, uma equipa será objeto de análise, com notas concretas que acrescentam atualidade.

      Mais que sublinhar o evidente, que o Real Madrid é o rei da Champions, vale a pena buscar a razão mais profunda deste domínio, até porque - valerá a pena lembrar aos mais novos - não foi sempre assim. O último grande dominador da Europa foi também o primeiro, mas viveu um hiato de… 32 anos (!) sem ganhar uma Taça ou Liga dos Campeões, de 1966 a 1998. O que aconteceu, entretanto? Aconteceram jogadores. Primeiro de topo, como Roberto Carlos, Redondo, Suker Mijatovic, depois galácticos de verdade, de Figo a Vini Jr, numa galeria que inclui Zidane, Ronaldo fenómeno, Bale, Cristiano Ronaldo, Benzema, Modric, Kroos. Em provas a eliminar, ter os melhores jogadores é ainda mais decisivo, porque em dias de motivação absoluta são imparáveis e na hora certa raramente falham. A cultura de vitória é filha desta qualidade. E por isso não há outra igual na Europa.

      Para ter sucesso no Fenerbahçe, José Mourinho tem de perceber que não foi bem nas últimas épocas. Ele próprio não foi bem e as suas equipas nunca entusiasmaram, ao contrário do que sempre aconteceu na primeira década da carreira. Percebo que valorizar as finais que alcançou com a Roma seja uma forma de desmentir o declínio, mas será bom que o próprio não acredite nisso. O que fez no FC Porto, no Chelsea, no Inter e mesmo no Real esteve muito acima. Já sem ele, a Roma esteve recentemente à porta de mais uma final, e a Fiorentina, por exemplo, também vai em duas decisões consecutivas na Europa. Istambul pode marcar o relançamento da carreira de um técnico lendário, mas depende muito do que ele próprio for capaz de mudar.

      Rui Costa explicou a repetição da aposta em Roger Schmidt com uma ideia que pode parecer absolutamente racional, mas que aparenta solidez discutível. O presidente encarnado acredita que não foi por acaso que a primeira época correu bem. Já descontando o facto de essa primeira época não ter sido propriamente uniforme - claramente de melhor a pior - a questão é: então a segunda época, em que correu quase tudo mal, foi por acaso? Ou seja, quando chegou e aproveitou a matéria-prima disponível, o sucesso não foi por acaso, quando teve mais influência nas opções e contratações, já foi. Parece uma questão de fé, ou pelo menos de grande otimismo. Não costumam ser os caminhos mais seguros numa decisão crítica.

      Apesar de todas as debilidades demonstradas, a verdade é que Schmidt conseguiu, nas duas épocas em Portugal, ficar à frente de Sérgio Conceição, o que não deixa de ser assinalável, e até curioso, dada a quase unanimidade em redor do futuro ex-técnico portista. Que, a propósito, ganhou apenas um dos últimos quatro campeonatos que disputou. As taças também contam, naturalmente, e Conceição tem méritos indiscutíveis, como os da competência estratégica que muitas vezes aqui sublinhei. Acredito, contudo, que seria tanto (ainda) melhor treinador quanto mais reduzisse a sua instabilidade emocional.

      A verdade é que nem os seus mais próximos, nem o próprio clube, ajudaram a atenuar tal caraterística. E no meio do turbilhão de excessos que tantas vezes incluiu ou rodeou Conceição, Vítor Bruno surgiu recorrentemente como um contraste de racionalidade. Também por isso o ex-adjunto será visto hoje como o homem que pode ajudar a construir um novo Porto.

      PS: O Portimonense desceu de divisão e o Estrela da Amadora sofreu até ao fim. Mandar às malvas um jogo mais elaborado e apostar num futebol musculado, feito de duelos e correrias, não funcionou. Os erros individuais, de que ambos os técnicos – Paulo Sérgio e Sérgio Vieira – se foram lamentando, ocorrem mais vezes quando as qualidades técnica e de tomada de decisão são desvalorizadas.



      Comentários

      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      Mourinho não é Ancellotti. . .
      2024-06-03 19h22m por Toupeiral
      . . . o italiano envelheceu, na vida e no futebol, de forma magistral. Um Senhor, um gentleman, «a footbal dandy» como diziam em Inglaterra.

      Manteve-se no topo do futebol mundial apesar de ser um treinador «à antiga», com 64 anos bem vividos. . .

      Ter sido também um jogador de topo fez toda a diferença no aprimorar da sua carreira de treinador.

      Chapeau!. . .
      Carlos Daniel
      2024-06-03 18h11m por Maxaqueen
      Os meus parabéns.
      Alguém que tem a lucidez para dizer aquilo que eu estou farto de dizer.
      Mourinho neste momento é uma sombra daquele treinador dos tempos do Porto, Chelsea, Inter e até mesmo do Real Madrid.
      Há 10 anos que continua a ficar aquém das expectativas e isso é incontornável.

      Vamos continuar a ver gente por aqui a meter a cabeça na areia ou vão finalmente abrir os olhos para a realidade?

      OPINIÕES DO MESMO AUTOR

      Mão amiga fez-me chegar à mão uma crónica de notável lucidez, assinada recentemente por Raúl Caneda em La Voz de Galicia, nas vésperas da final do ...
      19-07-2024 08:00E2
      Não foi bom o Europeu de Portugal. Foi de menos a mais, com uma exibição muito competente na despedida, mas esta foi uma seleção que demorou a assentar num plano de ...
      09-07-2024 15:07E12
      O arranque foi frouxo e a seleção de Martinez não só pode fazer melhor como tem mesmo de fazer melhor. No momento ofensivo falta ligação ao ataque e mais ...
      20-06-2024 16:38E2
      Opinião
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      Oitava Arte
      Álvaro Costa
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      Campo Pelado
      Pedro Jorge da Cunha
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa