placardpt
Campo Pelado
Pedro Jorge da Cunha

Quatro armadilhas para Villas-Boas

2024/05/14
E4
«Campo Pelado» é o espaço de opinião do jornalista Pedro Jorge da Cunha. Uma homenagem ao futebol mais puro, mais natural, onde o prazer da camaradagem é a única voz de comando. «Campo Pelado».

* Chefe de Redação

«Serei implacável com qualquer pessoa que tenha lesado o FC Porto.»

A trágica gestão da administração cessante da SAD portista, exibida na sua magnífica dimensão em números e (in)ações, obriga André Villas-Boas a passar urgentemente das palavras aos atos.

A dimensão da obra é inimaginável. Santa Engrácia é uma miniatura, ao lado do colosso à espera de AVB e respetiva estrutura, nas entranhas do Dragão. A dificuldade é extrema, mas as ideias e a competência estão lá. Isso é sempre um bom princípio de conversa.  

No gabinete do presidente nenhuma tática é irreversível, não há golos prometidos, o êxito assentará sempre na melhor tomada de decisão, no nível da organização e na coerência.

Não faltam, porém, armadilhas e alçapões, deixados para trás por aqueles que agora se refugiarão nas sombras. Destaco quatro desses dossiers, uma mistura de incompetência e inconsciência, algures entre o dolo e a negligência.

1. Bilhética e relação com a claque. A Operação Bilhete Dourado detalha a relação promíscua e consentida entre vários funcionários do FC Porto (Porto Comercial) e elementos ligados à maior claque portista. Num cálculo simpático, longe do rigor que a situação exige, o clube terá sido assaltado em 40 mil euros por jogo. Se multiplicarmos essa quantia pelo número de jogos/época e ampliarmos o esquema a dez temporadas, o número atinge sem dificuldade os dez milhões de euros. Repito: este é um cálculo muito por baixo. A direção de AVB terá de reformular radicalmente a ligação aos grupos oficiais de adeptos e repensar os nomes dos funcionários responsáveis por esta área. Complexo.

2. Terrenos na Academia da Maia. O abuso processual sinalizou o destempero da candidatura de Pinto da Costa. A semanas de uma eleição decisiva, e em final de mandato, o ex-presidente achou boa ideia formalizar a aquisição de terrenos que contrariavam a opção da lista de Villas-Boas. Conclusão: o novo presidente ficou com um belo berbicacho para resolver. A parte privada foi adquirida por uma empresa de construção chamada ABB – parceira habitual dos dragões -, o lote público foi adquirido em hasta pública por 3,4 milhões e pouco se sabe sobre as alíneas contratuais. Quanto custará rescindir o acordo, absolutamente abusivo? Complexo.

3. Venda dos direitos económicos à Ithaka. Os 65 milhões poderiam e deveriam ser o dobro, na visão de André Villas-Boas. Pinto da Costa defendeu-se e disse que o acordo é passível de rescisão até 1 de julho, sem encargos para os dragões. «É só devolver os 65 milhões.» Não será assim tão fácil, segundo sabemos. A sociedade de investimento não terá rubricado um documento válido por 25 anos de ânimo leve. Mais uma decisão estrutural tomada por um elenco em final de mandato, a resvalar a responsabilidade para AVB. Um desafio enorme para o novo departamento jurídico. Seja qual for a decisão, o FC Porto não sairá a ganhar do negócio. Complexo.

4. Sérgio Conceição. Esta será a primeira grande decisão desportiva de André Villas-Boas. O treinador, vale a pena lembrar, aceitou formalizar a renovação do contrato – expirava a 30 de junho – a dois dias das eleições. Não permitiu, assim, que fosse o presidente legitimamente eleito por 80 por cento dos associados a decidir livremente e sem constrangimentos legais. Quais as opções de AVB, depois da conversa a ter com Conceição? Ou respeita o contrato assinado por um homem que não esperou a decisão dos sócios (desrespeitando, assim, o novo presidente), ou é capaz de convencê-lo a rescindir o documento sem custos extraordinários para o FC Porto. Tendo a duvidar da pureza em intenções humanas, por isso o mais certo é esta segunda opção ter avultados custos associados. Complexo.



Comentários

Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
DESONESTIDADE!
2024-05-14 20h07m por JotaGo
Sim! Que melhor maneira de adjetivar Pinto da Costa e Sérgio Conceição.
ah pois
2024-05-14 17h31m por naosabesonde
verdade sim senhor, a antiga direção andava a enterrar o clube e nós todos a ver.
Desonestidade e cretinice
2024-05-14 17h01m por EspecialistaDaBola
Estas são as palavras mais suaves que encontro para adjetivar quem comprometeu o FC Porto (Presidente, Direção da SAD, Direção do Clube e os tais que o presidente designou de "amigos") e os que estão do outro lado do negócio (SuperDragões, ABB, Ithaka e Sérgio Conceição e, nalguns casos até, os mesmos "Amigos" do presidente que parecem pairar dos dois lados do negócio).

No caso do negócio da Ithaka, a explicação do mesmo por Pinto da Costa corresponde ao que mais desprezí...ler comentário completo »
SO
Azevedo Santos
2024-05-14 16h38m por sofant
Quem é este Pedro Jorge da Cunha que aparentemente sabe mais que os próprios auditores oficiais do clube?! Este senhor quando fala da pureza das das intenções humanas deveria, antes de tudo, olhar para o que se tem passado noutros clubes que não o Porto. Por outro lado, deveria ser mais profissional, e tentar informar-se melhor, em vez de andar a atirar atoardas para o ar usando um orgão público de comunicação.

OPINIÕES DO MESMO AUTOR

* Chefe de Redação  O presidente do Benfica estará esta quinta-feira a responder a questões colocadas por um grupo de jornalistas selecionado pelo clube. O ...
23-05-2024 12:44E11
* Chefe de Redação  Revolução, em maiúsculas. Não é hipérbole, antes realidade. O triunfo de André Villas-Boas, pela ...
29-04-2024 11:32E2
* Chefe de Redação  «A Associação Recreativa dos Lírios de Cima vai a eleições no dia 30 de fevereiro. Há três listas ...
16-04-2024 17:40E4
Opinião
Campo Pelado
Pedro Jorge da Cunha
O Melhor dos Jogos
Carlos Daniel
O sítio dos Gverreiros
António Costa
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Campo Pelado
Pedro Jorge da Cunha