O Melhor dos Jogos
    Carlos Daniel

    Portugal a várias dimensões

    2024/06/20
    E2
    Este espaço, do jornalista Carlos Daniel, pretende ser de abordagem e reflexão sobre o futebol no que o jogo tem de melhor. Quinzenalmente, uma equipa será objeto de análise, com notas concretas que acrescentam atualidade.

    O arranque foi frouxo e a seleção de Martinez não só pode fazer melhor como tem mesmo de fazer melhor. No momento ofensivo falta ligação ao ataque e mais presença na área, e no defensivo a desorganização tem sido maior do que se nota, por força - neste caso fraqueza - dos adversários. Com a Turquia será diferente, que a seleção comandada por Montella também não é fiável atrás, mas é muito mais perigosa e criativa na linha da frente do que todos os rivais recentes de Portugal, Croácia incluída. Foi essencial ganhar – porque ficar em primeiro permite evitar a França nos oitavos – e vencer assim, ao cair do pano, ajuda à crença coletiva, mas é preciso mesmo perceber que nem tudo está bem quando acaba bem. E não está.

    É discutível a escolha do onze e mais ainda a estrutura tática eleita para defrontar a Chéquia, particularmente por se tratar de uma abordagem nunca antes ensaiada em jogo. Por isso, também era difícil que tivesse resultado melhor. Já as escolhas dos jogadores, a partir dessa base tática definida, são perfeitamente compreensíveis. E há uma certeza que nos consola: quem tem de recurso Diogo Jota, Pedro Neto e Francisco Conceição, mais João Félix, Gonçalo Ramos, João Neves ou Matheus Nunes, só pode mesmo correr o risco de ser feliz. Até quando recorre a essas alternativas demasiado tarde,
    como foi o caso.

    Posso ser desmentido hoje mesmo, mas creio que não se percebeu ainda o potencial coletivo desta Itália. Não tem os génios de outros tempos – saudades de Baggio, sempre, e de Mancini, Zola ou del Piero – mas tem craques competitivos em todas as zonas do campo. Vai ter o teste do algodão frente a uma Espanha que do meio campo para a frente agrupa talento. Atrás é outra a conversa, que os centrais não são de topo e o guarda-redes, embora magnífico os entre postes, não surge como o mais eficaz no controlo da profundidade. Vai perceber-se melhor o que valem mais esses coletivos latinos. Do outro, a França, não há dúvidas, se não é o principal favorito é um dos dois principais, a par da Alemanha. A equipa da casa tem sido a mais completa, a mais equilibrada nos vários momentos e até a mais eficaz na definição. Se tivesse de apostar numa só equipa para ganhar a prova era na Alemanha. Mas nestes campeonatos sem margem de erro, que os jogos são poucos e não tarde a eliminar, já todos vimos mudar quase tudo em pouco tempo.

    Perdem-se horas a discutir as (mesmo que pequenas) alterações às leis do jogo e quanto ao modo de lhe aumentar o tempo útil. Perdem-se mesmo esse tempo e este Europeu está a demonstrar que tudo está resolvido a montante se houver autoridade e competência: 1. Os árbitros apitam quando é forçoso e não a toda a hora (ao contrário do que sucede em Portugal); 2. Os jogadores não passam o tempo a simular faltas sofridas (ao contrário de Portugal); 3. Os bancos dos staffs não se indignam permanentemente com a decisão mai óbvia do árbitro (ao contrário de Portugal); 4. O VAR só surge quando é mesmo necessário, sem que se viva a obsessão de reclamar a todo o momento mais penaltis e expulsões (ao contrário de Portugal); 5. As compensações são razoáveis, em redor dos 5 minutos, e não com variações incompreensíveis (ao contrário de Portugal). Consequência: temos um Europeu quase sem casos, em que cada partida parece que passa a correr. Ao contrário do que acontece tantas vezes em Portugal.

    PS: Em Portugal passou com referências mínimas a contratação de Paulo Fonseca pelo Milan, um dos mais históricos clubes do mundo. Outro fosse o nome lusitano eleito pelos italianos e seriam várias capas de jornais e horas de debate televisivo. O homem que levou o Paços de Ferreira à Champions, que ganhou uma taça em Braga, que foi tricampeão na Ucrânia, muito competente na Roma e quase brilhante no Lille bem que justificava mais reconhecimento e atenção.



    Comentários

    Gostaria de comentar? Basta registar-se!
    motivo:
    KA
    Ao dia de hoje. . .
    2024-06-26 13h18m por kador
    Este artigo vale pelo, "Posso ser desmentido. . . " e pela referencia a Paulo Fonseca!
    P0
    Carlos Daniel
    2024-06-21 16h45m por P0P1
    Fomos bem enganados pela Itália ontem. . . também esperava bem mais deles. Ou então, visto de outra perspetiva, fomos surpreendidos pela Espanha. . .

    OPINIÕES DO MESMO AUTOR

    Não foi bom o Europeu de Portugal. Foi de menos a mais, com uma exibição muito competente na despedida, mas esta foi uma seleção que demorou a assentar num plano de ...
    09-07-2024 15:07E10
    Mais que sublinhar o evidente, que o Real Madrid é o rei da Champions, vale a pena buscar a razão mais profunda deste domínio, até porque - valerá a pena lembrar ...
    03-06-2024 14:07E2
    Pep Guardiola chegou ao sexto título em oito anos em Inglaterra e completou o inédito tetra com o Manchester City na Premier League, algo que nem Alex Ferguson conseguiu em 26 anos (e ...
    20-05-2024 13:16E3
    Opinião
    O sítio dos Gverreiros
    António Costa
    O Melhor dos Jogos
    Carlos Daniel
    Campo Pelado
    Pedro Jorge da Cunha
    O sítio dos Gverreiros
    António Costa
    Campo Pelado
    Pedro Jorge da Cunha
    A preto e branco
    Luís Cirilo Carvalho