betclicpt
      Mude para o zerozero Basquetebol. Tudo sobre o Basquetebol aqui!
      Destaque
      Fique com uma pequena antevisão da classe 2020

      O que esperar do Draft deste ano da NBA?

      2020/11/17 18:42
      Redação
      E0

      Depois de várias incertezas relativas ao início da nova temporada, que já foram entretanto dissipadas pela liga, eis que chegou finalmente o tão esperado e famoso Draft da NBA, que terá lugar esta quarta-feira, pelas 19 horas nos EUA - em Portugal Continental será já meia noite de quinta-feira.

      Para o adepto mais conhecedor e mais fanático do basquetebol norte-americano, o Draft é já algo bastante simples, mas para aqueles que assistem à NBA há menos tempo ou para os mais distraídos, passemos a explicar. O Draft da NBA é um evento anual no qual as 30 equipas da liga escolhem os 60 melhores jogadores elegíveis para o efeito.

      Foi mesmo do Draft que surgiram a larga maioria das maiores estrelas atuais e de sempre do desporto, como é o caso de Michael Jordan, Kobe Bryant ou Lebron James, apenas para nomear alguns dos mais marcantes. Este é, assim, visto pelas várias equipas como uma oportunidade de reforçar os seus planteis, relançar franchises ou simplesmente preparar o futuro.

      Este ano, segundo os vários relatórios que vão surgindo, a classe do Draft não conta, à partida, com nenhum nome - pode conhecer um pouco melhor os jogadores elegíveis aqui - com potencial suficiente para chegar ao nível dos três nomes acima referidos ou até mesmo o alarido todo que jovens atletas tiveram como foi o caso de Zion Williamson, jogador dos New Orleans Pelicans, no ano passado. Contudo, uma coisa é sempre inegável no Draft: há talento para dar e vender. Aqui no zerozero fizemos-lhe uma pequena antevisão do que esperar do Draft deste ano.



      E com a primeira escolha os Minnesota Timberwolves escolhem...

      © Getty / Steve Dykes

      Como já vem sendo habitual nos últimos anos, as posições das chamadas lottery picks - as 15 primeiras escolhas do Draft - foram sorteadas entre as equipas com o pior registo da temporada passada - foi esta a forma que a liga arranjou de criar maior competitividade na liga e impedir maiores discrepâncias entre as equipas -, ditando-se assim que os Minnesota Timberwolves ficariam com a primeira escolha, aquela que, na teoria, dá maiores chances de escolher o melhor jogador disponível.

      Contudo, esta escolha não é assim tão fácil quanto aparenta. Afinal, basta escolher o jogador errado e deixa-se passar a possibilidade de trazer o melhor jogador possível para a equipa em questão. Além do mais, é necessário analisar pormenorizadamente os atletas candidatos, uma vez que potencial não é tudo e basta ver alguns daqueles que foram dos maiores «erros de casting» dos últimos anos, como foi o caso de Anthony Bennett (primeira escolha em 2013, que joga atualmente na G-League, um género de liga das equipas B) ou Greg Oden (primeira escolha em 2007, que atualmente já não joga depois de várias lesões).

      Além de ser importante para os próprios Wolves, esta é uma escolha também importante para as equipas que se seguem no Draft, que são neste caso os Golden State Warriors (2ª escolha) e os Charlotte Hornets (3ª escolha), uma vez que poderão influenciar as suas movimentações. Vejamos então as opções destas equipas.

      Há, neste momento, quatro jogadores que podem ocupar qualquer uma dessas três primeiras posições. São eles LaMelo Ball, Anthony Edwards, James Wiseman e Deni Avdija. Os últimos relatórios dos scouters e analistas da NBA estão ainda um pouco divididos quanto a quem ocupará a primeira escolha, sendo esperado que os Timberwolves escolham entre o poste James Wiseman e o base Anthony Edwards.

      No seu plantel, os Timberwolves já contam com dois bons jogadores para as posições destes dois jovens (shooting guard e center), que são mesmo os seus dois melhores jogadores. Falamos claro de Karl-Anthony Towns e D'Angelo Russell. No entanto, estes não deverão deixar passar a oportunidade de adquirir um dos dois melhores jogadores disponíveis, até porque ambos têm a versatilidade de jogar noutras posições, assim como os seus colegas de profissão que já se encontram na equipa - Towns e Wiseman podem fazer ambas as posições de poste, enquanto Russell e Edwards também podem fazer as duas de base.

      A influência de Doncic e a dependência das escolhas de terceiros

      © Getty / Magriso Seffi 972(0)522427585

      Tirando a escolha dos Timberwolves, a escolha dos Golden State Warriors fica mais fácil. Contudo, os antigos campeões estarão certamente à espera de poder selecionar Wiseman, até porque já contando com um backcourt composto por Steph Curry e Klay Thompson, o que mais precisam é de jogo interior (Draymond Green não chega).

      Os restantes lugares das cinco primeiras escolhas são uma autêntica incerteza, dependendo muito cada equipa do que as outras escolherão e do que acha que mais precisa para reforçar a sua equipa - casos como os Charlotte Hornets precisam de mais do que uma posição. Um dos jogadores que mais tem sido apontado a essa terceira escolha da equipa que pertence a Michael Jordan tem sido um cujo apelido já é bem conhecido da NBA: LaMelo Ball.

      O irmão mais novo da família Ball - Lonzo já joga nos Pelicans - e filho do irreverente Lavar Ball é um caso diferente. Apesar de ser norte-americano, não esteve em nenhuma universidade e, ao invés disso, jogou fora dos EUA, primeiro na Lituânia, e depois na Austrália na temporada passada, onde cresceu enquanto jogador e se candidata agora ao draft. É, de resto, apontado como um dos melhores jogadores desta classe, um pouco à semelhança do que aconteceu com o seu irmão em em 2017.

      No entanto, a vida do Ball mais novo não será nada fácil, uma vez que surgem outros nomes como fortes possibilidades para ocupar essas terceira, quarta e quinta escolha e desta vez são nomes com forte influência europeia. Depois do grande sucesso que tem sido a aventura de Luka Doncic na NBA, após ter conquistado a Euroliga com o Real Madrid, os sempre nacionalistas norte-americanos começaram a olhar para os jogadores internacionais com outros olhos.

      É assim que surgem dois nomes a ter em conta neste draft: o já referido Deni Avdija e Onyeka Okongwu. O primeiro trata-se de um extremo israelita que tem vindo a brilhar ao serviço de uma das melhores equipas europeias, o Maccabi Tel-Aviv, e que é um autêntico atirador, capaz de juntar poder de fogo a qualquer equipa e mudar um jogo com alguns minutos em campo. O outro é um poste com origens nigerianas, que conta com um grande atleticismo e uma habilidade defensiva que dá jeito a qualquer treinador. Ambos podem ser duas das maiores surpresas deste ano.

      As trocas são sempre uma possibilidade

      © Getty / Jayne Kamin-Oncea

      Se há coisa que a NBA, e o desporto em geral, ensinou aos fãs é esperar o inesperado. É fácil dizer o que é esperado e mais provável de acontecer, mas é mais difícil prever surpresas e essas são algo comum na principal liga de basquetebol norte-americano.

      Embora trazer um jovem jogador para o seu plantel seja algo sempre agradável para qualquer equipa, são várias aquelas que ambicionam outros objetivos no imediato e que por isso fazem várias trocas nos dias antes ou até mesmo no dia do Draft para subirem no mesmo ou para conseguirem outras coisas.

      Um dos casos mais recentes que mais chamou à atenção aconteceu entre os Atlanta Hawks e os Dallas Mavericks. Há dois anos, as duas equipas tinham a terceira e a quinta escolha, respetivamente, e acabaram por selecionar o jogador que a outra queria, por forma a garantir que ambas saiam felizes nessa noite. Este ano é difícil prever de antemão se algo do género acontecerá, mas os rumores existem.

      Um dos que mais circulou nas últimas semanas era de que os Golden State Warriors poderiam mesmo trocar a sua segunda escolha com uma equipa que pretendesse subir no draft deste ano. Em troca a formação de São Francisco pretenderia trazer mais um jogador de elevado perfil para a sua já recheada equipa, por forma a atacar o regresso ao caminho do título de campeões já nesta temporada. Contudo, os Warriors não são os únicos e surgem rumores que até os Timberwolves estão à espera de receber uma proposta lucrativa de troca pela sua primeira escolha.

      Além deste, outras equipas têm surgido no radar para tentarem subir algumas posições no Draft. Os casos de equipas que estão em rebuild, como os Oklahoma City Thunder ou os New York Knicks são alguns dos exemplos de equipas que podem fazer movimentações nesse sentido nas próximas horas. Outro exemplo é o de equipas que pretendem trazer certos jogadores em específico para o seu plante le aqui surgem os nomes de equipas como os Boston Celtics ou os Dallas Mavericks, que estão em busca de reforçar posições específicas com jogadores específicos, mas que para isso precisam de subir alguns lugares.

      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      Tópicos Relacionados
      Competição
      OUTRAS NOTÍCIAS
      Sporting
      Mercado
      Jogador seduzido pelo emblema espanhol
      Gonzalo Plata quer mais tempo de jogo e está disposto a deixar Alvalade para o conseguir. Segundo a imprensa internacional, o extremo do Sporting está nos planos do Cádiz e, por ...
      ÚLTIMOS COMENTÁRIOS
      Sem_Misericordia 26-01-2021, 10:48
      MisticaEncarnada 26-01-2021, 10:45
      YA
      Yazapeyroteu 26-01-2021, 10:45
      YA
      Yazapeyroteu 26-01-2021, 10:41
      Sem_Misericordia 26-01-2021, 10:40
      ReturnoftheEagle 26-01-2021, 10:39
      TO
      Toupeiraa 26-01-2021, 10:39
      EN
      EnormeSCB 26-01-2021, 10:36
      YA
      Yazapeyroteu 26-01-2021, 10:33
      SO
      SomosPorto1989 26-01-2021, 10:32
      PO
      Portotdhora 26-01-2021, 10:29
      gctg 26-01-2021, 10:20
      ReturnoftheEagle 26-01-2021, 10:20
      OLobomau 26-01-2021, 09:49
      LU
      Lurker 26-01-2021, 09:45
      gctg 26-01-2021, 09:43