placardpt
        2011/02/22
        E0
        . o Sporting com debilidades no enquadramento defensivo no fecho de espaços à bola em termos colectivos, intersectoriais e individuais.
        . a aposta na transição ofensiva do Sporting para tentar explorar espaços para a baliza.
        . a posse de bola do Sporting: uma busca marcada pelo cruzamento na área apesar da evidência clara no fazer a bola chegar pelo chão.
        . a falta de entrosamento do Sporting manifesto numa série de passes sem destino.
        . o Benfica com consistência defensiva colectiva e intersectorial.
         
         
        A perspectiva do jogo Sporting-Benfica fica sempre marcada pela rivalidade que caracteriza os dois clubes lisboetas. A capacidade do Benfica foi posta à prova frente a um Sporting que procurou na «motivação» de um «derby» elevar as expectativas que em condições muito mais fáceis se revelaram pouco possíveis.
        Assumindo o discurso de Jesus de que as equipas que normalmente estão menos bem ganham estes jogos, o Sporting iludiu nessa possibilidade. Contudo, a motivação ajuda quando existe sustento, ou seja, quando a dinâmica de jogo existe com alguma qualidade, a forma envolvida (emotiva) com que jogam faz com que as equipas se transcendam (sobretudo as expectativas lançadas). No entanto, no Sporting isso não foi suficiente pelo que pudemos apurar durante o decorrer de TODO o JOGO.

        O jogo teve início com as equipas a assumir a vontade de marcar, de conseguir vantagem no marcador o mais cedo possível. Neste período deu a entender que o Sporting queria disputar o jogo perante uma capacidade defensiva do Benfica que ilude o entendimento mais superficial.

        Um dos argumentos do Benfica apresenta-se no modo como defende, que se traduz no modo como ataca. Ou seja: o facto do Benfica se preocupar em fechar espaços à bola através da aproximação ao portador da bola e dos restantes jogadores que se encontram entre a bola e a baliza. Este enquadramento permite-lhes:

        1º. Que haja um jogador sobre a bola, não para condicionar, mas para tentar ganhar! Por isso é um ENQUADRAMENTO DEFENSIVO (em detrimento daquelas aproximações que alguns jogadores fazem em que não tentam ganhar a bola, “só para estorvar”).

        2º. Proximidade dos jogadores que no caso de o primeiro ser ultrapassado, os outros podem imediatamente tentar ganhar a bola, exercendo a «famosa» pressão. O momento de maior fragilidade ofensiva de um jogador com bola é quando acaba de passar por um jogador, e é neste timing que a proximidade é fundamental para se ganhar a bola.

        3º. Ganhar a bola de frente para o jogo e colocá-la a jogar com mais eficácia e sucesso. Aquilo que normalmente se fala da «velocidade» do Benfica resulta disto! São mais rápidos porque o enquadramento defensivo permite-lhes por a bola a correr com mais eficácia e sucesso. A capacidade do Benfica em ganhar a bola e fazê-la progredir tem ainda um aspecto decisivo: o acompanhamento da equipa que lhes permite fazê-lo mais ou menos apoiados.

        O Sporting perante um Benfica que se sente minimamente confortável a defender, procurou ter a bola e transitar muito rápido quando a ganhava. Foi uma equipa que cedo revelou uma preocupação: fazer a bola seguir para a baliza. Contudo, esta preocupação tornou-se numa OCUPAÇÃO, retirando margem de sucesso ao Sporting. O que se deveu a vários aspectos importantes:

        . o Sporting perdeu a capacidade de ter a bola porque não a protegeu. Ou seja, procurou ir para a frente sem reconhecer (ou então, criar) os espaços para a bola seguir. Com isto, foi perdendo nas zonas que o Benfica demarca os objectivos defensivos com mais rigor (nos espaços e sectores mais recuados). Assim, as perdas de bola deveram-se à falta de SENSIBILIDADE para perceber que não se marca golo sem ter a bola! E que a bola pode ser mais facilmente perdida nas zonas onde existem mais adversários…

        . a procura mecânica de fazer a bola ir para a frente não teve um seguimento expressivo pela necessidade de se temporizar a progressão da equipa. Explicando: quando a bola segue para a frente é importante haver um acompanhamento da equipa para poder desfrutar da bola. Quando isso não acontece, o portador da bola encontra-se encurralado a tentar arranjar soluções que o contexto/circunstâncias não permitem. O grau de sucesso é então muito mais reduzido porque é importante fazer com que haja possibilidades! A falta de capacidade do Sporting em cumprir esta intencionalidade aconteceu porque NÃO TEMPORIZA a progressão da bola. Uma equipa inteligente RECONHECE quando há espaço-tempo-condições para fazer a bola seguir e quando isso não acontece, espera pela equipa e joga posicionalmente instalada no meio campo adversário. Só ganha com isso! Se não pensa que existem várias possibilidades é porque não conhece os problemas…

        O Sporting durante o jogo teve muitas situações nas quais a bola entrava para quem não estava, os passes eram realizados sem destino como se houvesse um vazio entre os jogadores. O vulgar entrosamento das equipas assenta nisso e mesmo jogando com mais um jogador do que o Benfica durante muito tempo do jogo, o Sporting foi sempre menos…Devido à ausência de uma ligação colectiva que revela que os jogadores são mais do que um conjunto de jogadores que cumprem a tarefa que a posição e equipa adversária coloca. Dói ver equipas que não se «ligam», que não têm uma aquisição de uns nos outros, porque o jogo é isso! Ou deve ser! Não se trata de jogar bem ou mal, trata-se de JOGAR! Ou seja, haver uma emergência que SENTIMOS COLECTIVA…


        Comentários (6)
        Gostaria de comentar? Basta registar-se!
        motivo:
        F_
        O Desespero
        2011-02-26 20h35m por F_Corrupt0s_do_Porto
        Marisa, que excelente comentário lagarteiro!
        TE
        inteligencia colectiva
        2011-02-23 15h12m por teixeira1984
        Mais um excelente comentário Marisa, parabens e obrigado por nos deliciares com a tua inteligencia e capacidade de escrita que acompanho e aprendo desde as aulas do prof Frade. . . o teu texto remete-me para um video sobre a inteligencia coletiva que passou no canal odisseia, de facto aí vemos a importancia de uma identidade colectiva. . . a falta desta identidade sportinguista denotou-se sobretudo quando se encontraram em superioridade numerica, porque nesta fase, o contexto apelava a a uma...ler comentário completo »
        O jogo Sporting-Benfic a: 0-2
        2011-02-23 13h59m por tsubasa
        Bom texto, reflectindo o que realmente aconteceu.

        Concordo com a maioria das sub-análises desta análise completa. No entanto, até para aprender, sou capaz de discutir alguns pontos.

        Concordo com o enquadramento defensivo feito pelo Benfica, mas mais depois do intervalo (com 10 unidades). Porque o Benfica por vezes é "demasiado" ofensivo, sendo relativamente fácil ao adversário apostar no contra-ataque.

        E na minha opinião foi aí que o Sportin...ler comentário completo »
        optimo
        2011-02-23 09h54m por misternike
        o titulo diz tudo gostei ;-)
        DI
        Quem sabe sabe. . .
        2011-02-22 20h09m por diogomorais
        Um comentário de quem sabe. . . faz toda a diferença. Obrigado

        Nota 5
        Sporting 0-2 Benfica
        2011-02-22 19h08m por Goncalo_Faria
        Parabéns Marisa, grande análise como sempre !

        O Sporting tem feito campanhas muito fracas em casa .
        Opinião
        A preto e branco
        Luís Cirilo Carvalho
        Dirigismo
        Jorge Delgado
        O sítio dos Gverreiros
        António Costa
        O Melhor dos Jogos
        Carlos Daniel
        Campo Pelado
        Pedro Jorge da Cunha