placardpt
      Campo Pelado
      Pedro Jorge da Cunha
      2022/08/10
      E3
      «Campo Pelado» é o espaço de opinião do jornalista Pedro Jorge da Cunha. Uma homenagem ao futebol mais puro, mais natural, onde o prazer da camaradagem é a única voz de comando. «Campo Pelado».

      * Chefe de Redação

      É fácil memorizar a data: 23 de junho de 1984. Noite de São João, eu às cavalitas do meu pai, os dois no Jardim de Basílio Teles, mesmo em frente à Câmara Municipal de Matosinhos. Lá ao longe, tapada por dezenas de cabeças gigantones, uma pequena televisão a cores. Tenho quase a certeza que sim, a cores. 

      Na inocência dos seis anos, os azuis eram os maus de França, os vermelhos eram os bons de Portugal. Conheci-te aí, meu caro Fernando Chalana, dentro daquele minúsculo aparelho que nos trazia imagens de uma Marselha que me parecia de outra galáxia. 

      Vi-te fintar, enganar os maus sem teres de tocar a bola, simular que ias para o teu pé esquerdo e acabavas tudo no pé direito. Sim, enganaste tudo e todos. Chamavam-te esquerdino, quando tu eras, afinal, aquilo que te apetecia ser. Esquerdino, dextro, o Pequeno Genial

      A imagem - a cores, tenho a certeza - não me sai da cabeça. Os pequenos calções verdes escondidos pela camisola vermelha que te parecia XXL, o bigode que te cobria a boca e fazia pandã com a fartíssima cabeleira, uma personagem certamente desenhada a partir dos livros de Uderzo e Goscinny. Mas real, profundamente real e popular. 

      Pegaste em Portugal ao colo, foste o melhor no pós-Eusébio e no pré-Futre, foste um gigante, Chalanix!

      Ajudaste o Benfica a acabar o Terceiro Anel com a tua venda ao Bordéus, e no Bordéus começaste os dias de sofrimento. E sofremos todos contigo, com o teu inevitável declínio. A praga das lesões não te deixou voltar a ser feliz, nem com a seleção, nem no Benfica, nem no Belenenses, muito menos no Estrela da Amadora. 

      Reencontrei-te em 2008. Vestiste a farda de bombeiro e tentaste ajudar o teu Benfica, num final de época penoso. Estava a metros de ti, quando deste a cara por uma eliminação na casa do modesto Getafe, para a Liga Europa. Como é que um gigante explica uma derrota assim? 

      Vamos ter saudades do teu olhar Bom, das tuas palavras serenas. Não sei para onde partiste, mas só pode ser um sítio maravilhoso, colorido, como a imagem daquela pequena televisão que um dia me mostrou quem era o Chalana. Às cavalitas do meu pai.  



      Comentários (3)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      1984
      2022-08-13 14h43m por xithombo
      Acho que nesse Euro84 devo ter visto uma das equipas mais talentosas a jogar. Uma equipa que se qualificou às custas da tambem, na época, talentosa URSS, depois de uma pesada derrota (0-5) em Moscovo e um saboroso 1-0 na Luz fruto dum penalty fantasma. Não acredito em fantasmas, mas naquele dia, o fantasma foi muito útil, do mesmo modo que Deus, 2 anos depois, ajudou Maradona. . . Mas do outro lado havia uma França ultra demolidora. Infelizmente e a jogar em casa.
      Obrigado
      2022-08-10 15h55m por hugotiago
      Excelente, fez-me reviver o momento, obrigado Sr. Pedro Cunha
      ZE
      Bem Haja
      2022-08-10 14h28m por zemiudo
      Obrigado Sr. Pedro Jorge da Cunha, por me levar tambem às cavalitas até 1984 e relembrar o "Pequeno (Grande) Genial". Tenho 65 anos e estou muito grato por ter lido a sua opinião (comentário). O Chalana era incomparável! Paz à sua alma!
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      Noites europeias, noites na ponta da língua, na maré alta da memória. «E aquela vez em que o Caneira fez um golo do outro mundo ao Inter?» «E quando o ...
      16-09-2022 12:15E10
      * Chefe de Redação O texto estava pensado para começar assim: «No campo de batalha onde caíram Bayern Munique, Barcelona, Real Madrid e PSG, o pequeno Club Brugge ...
      14-09-2022 16:52E10
      * Chefe de Redação Um livro de psicologia caseira ajuda a perceber a estratégia. Básica. Inventar inimigos exteriores reforça os laços internos. Nada ...
      28-08-2022 12:48E8
      Opinião
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      A preto e branco
      Luís Cirilo Carvalho
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Campo Pelado
      Pedro Jorge da Cunha