placardpt
      A Coluna é do Silva
      Paulo Silva
      2021/04/14
      E0
      A Coluna é do Silva é o espaço de opinião sobre e à volta do FCP, dinamizado por Paulo Silva, um dos podcasters responsáveis por “A Culpa é do Cavani”, o podcast de referência do universo portista. Publica-se à terça-feira, semana sim, semana não.
      O FCP foi de vela da Champions. Esta é a triste realidade, sem adornos, eufemismos ou paninhos quentes. Antes estávamos lá, agora já não estamos e pouco importa se outros saíram mais cedo ou nem sabem muito bem onde é esse bicho da UEFA Champions League. Diz que é lá para o estrangeiro.
       
      Este é um traço do Portismo: mimimimi o orgulho, rebéubéu cair de pé, a gente conhece os clichês todos e até os conseguimos repetir muito direitinhos, bem ensaiados, a uma só voz, tem dias que até parecemos o Coro de Santo Amaro a abrir o Sequim d’Ouro. Como se vocês fizessem ideia do que isso seja.
       
      A verdade é que o que nos sobra é uma azia do caraças. Perdemos, fomos eliminados e já não vamos ganhar esta taça. Não há maneira de nos habituarmos a isso, nem de, no intimo, nos sentirmos consolados de alguma maneira. Para bem, ganhava o Porto. Isso é que era bonito e nos deixava orgulhosamente de pé. No sentido que agora mais vos aprouver dar.
       
      Ainda mais do que detestar perder, seja da maneira que for, também é caracteristica do Portismo esta coisa de não nos deixarmos comer por lorpas. Vamos lá ver, caros senhores, no conjunto dos dois jogos contra o Chelsea, o FCP podia muito bem ter passado. Foi assim para o equilibrado, decidido em detalhes, uma falha atrás, uma ocasião perdida à frente, um empurrão pouco intenso na área, um amarelo por mostrar. E era acessível, como vou lendo e ouvindo desde ontem. E não é pouco, é bastante até.
       
      O que me parece que passa despercebido, até a alguns de nós, é a dimensão disto de fazer o Chelsea parecer acessível. A enormidade que é o FCP ser capaz de competir nesta fase, a este nível. Enquanto os senhores da televisão enchem a boca com “acessível”, nós devíamos pensar na coincidência de Juventus e Chelsea parecerem “acessíveis”. Sim, isso, a Juve que foi primeira no grupo do Barcelona; o Chelsea que venceu o seu grupo e despachou o Atlético de Madrid, líder de La Liga, com duas vitórias e zero golos sofridos. Esse “acessível”.
       
      O feito assinalável de Sérgio Conceição e da sua equipa, muito mais do que o percurso - que é evidentemente excelente - é o facto de todos termos a sensação de que podia ter continuado. Achar que o Chelsea, como a Juventus, era acessível, é reconhecer a excelência do trabalho da nossa gente. Obrigado a todos os que, as mais das vezes com a intenção contrária, o têm feito desde ontem.
       
      No fim do dia, Rennie. Porque não passa o refluxo gastroesofágico. Havíamos de ter ganho por três. E voltaremos para o ano, para acertar estas contas.
      No fim do dia, Rennie. Porque não passa o refluxo gastroesofágico. Havíamos de ter ganho por três. E voltaremos para o ano, para acertar estas contas.O FCP foi de vela da Champions. Esta a triste realidade, sem adornos, eufemismos ou paninhos quentes. Antes estávamos lá, agora já não estamos e pouco importa se outros saíram mais cedo ou nem sabem muito bem onde esse bicho da UEFA Champions League. Diz que é lá para o estrangeiro.
       
       
       
      Este é um traço do Portismo: mimimimi o orgulho, rebéubéu cair de pé, a gente conhece os clichês todos e até os conseguimos repetir muito direitinhos, bem ensaiados, a uma só voz, tem dias que até parecemos o Coro de Santo Amaro a abrir o Sequim d’Ouro. Como se vocês fizessem ideia do que isso seja.
       
       
       
      A verdade é que o que nos sobra é uma azia do caraças. Perdemos, fomos eliminados e já não vamos ganhar esta taça. Não há maneira de nos habituarmos a isso, nem de, no intimo, nos sentirmos consolados de alguma maneira. Pra bem, ganhava o Porto. Isso é que era bonito e nos deixava orgulhosamente de pé. No sentido que agora mais vos aprouver dar.
       
       
       
      Ainda mais do que detestar perder, seja da maneira que for, também é caracteristica do Portismo esta coisa de não nos deixarmos comer por lorpas. Vamos lá ver, caros senhores, no conjunto dos dois jogos contra o Chelsea, o FCP podia muito bem ter passado. Foi assim para o equilibrado, decidido em detalhes, uma falha atrás, uma ocasião perdida à frente, um empurrão pouco intenso na área, um amarelo por mostrar. E era acessível, como vou lendo e ouvindo desde ontem. E não é pouco, é bastante até.
       
       
       
      O que me parece que passa despercebido, até a alguns de nós, é a dimensão disto de fazer o Chelsea parecer acessível. A enormidade que é o FCP ser capaz de competir nesta fase, a este nível. Enquanto os senhores da televisão enchem a boca com “acessível”, nós devíamos pensar na coincidência de Juventus e Chelsea parecerem “acessíveis”. Sim, isso, a Juve que foi primeiro no grupo do Barcelona; o Chelsea que venceu o seu grupo e despachou o Atlético de Madrid, líder de La Liga, com duas vitórias e zero golos sofridos. Esse “acessível”.
       
       
       
      O feito assinalável de Sérgio Conceição e da sua equipa, muito mais do que o percurso - que é evidentemente excelente - é o facto de todos termos a sensação de que podia ter continuado. Achar que o Chelsea, como a Juventus, era acessível, é reconhecer a excelência do trabalho da nossa gente. Obrigado a todos os que, as mais das vezes com a intenção contrária, o têm feito desde ontem.
       
       
       
      No fim do dia, Rennie. Porque não passa o refluxo gastroesofágico. Havíamos de ter ganho por três. E voltaremos para o ano, para acertar estas contas.O FCP foi de vela da Champions. Esta a triste realidade, sem adornos, eufemismos ou paninhos quentes. Antes estávamos lá, agora já não estamos e pouco importa se outros saíram mais cedo ou nem sabem muito bem onde esse bicho da UEFA Champions League. Diz que é lá para o estrangeiro.
       
       
       
      Este é um traço do Portismo: mimimimi o orgulho, rebéubéu cair de pé, a gente conhece os clichês todos e até os conseguimos repetir muito direitinhos, bem ensaiados, a uma só voz, tem dias que até parecemos o Coro de Santo Amaro a abrir o Sequim d’Ouro. Como se vocês fizessem ideia do que isso seja.
       
       
       
      A verdade é que o que nos sobra é uma azia do caraças. Perdemos, fomos eliminados e já não vamos ganhar esta taça. Não há maneira de nos habituarmos a isso, nem de, no intimo, nos sentirmos consolados de alguma maneira. Pra bem, ganhava o Porto. Isso é que era bonito e nos deixava orgulhosamente de pé. No sentido que agora mais vos aprouver dar.
       
       
       
      Ainda mais do que detestar perder, seja da maneira que for, também é caracteristica do Portismo esta coisa de não nos deixarmos comer por lorpas. Vamos lá ver, caros senhores, no conjunto dos dois jogos contra o Chelsea, o FCP podia muito bem ter passado. Foi assim para o equilibrado, decidido em detalhes, uma falha atrás, uma ocasião perdida à frente, um empurrão pouco intenso na área, um amarelo por mostrar. E era acessível, como vou lendo e ouvindo desde ontem. E não é pouco, é bastante até.
       
       
       
      O que me parece que passa despercebido, até a alguns de nós, é a dimensão disto de fazer o Chelsea parecer acessível. A enormidade que é o FCP ser capaz de competir nesta fase, a este nível. Enquanto os senhores da televisão enchem a boca com “acessível”, nós devíamos pensar na coincidência de Juventus e Chelsea parecerem “acessíveis”. Sim, isso, a Juve que foi primeiro no grupo do Barcelona; o Chelsea que venceu o seu grupo e despachou o Atlético de Madrid, líder de La Liga, com duas vitórias e zero golos sofridos. Esse “acessível”.
       
       
       
      O feito assinalável de Sérgio Conceição e da sua equipa, muito mais do que o percurso - que é evidentemente excelente - é o facto de todos termos a sensação de que podia ter continuado. Achar que o Chelsea, como a Juventus, era acessível, é reconhecer a excelência do trabalho da nossa gente. Obrigado a todos os que, as mais das vezes com a intenção contrária, o têm feito desde ontem.
       
       
       
      No fim do dia, Rennie. Porque não passa o refluxo gastroesofágico. Havíamos de ter ganho por três. E voltaremos para o ano, para acertar estas contas.


      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      1- A meio desta época, numa jornada de A Culpa é do Cavani dedicada ao balanço da primeira volta do campeonato, um dos meus destaques foi Ruben Amorim. ...
      14-05-2021 21:31
      1- Um jornalista ser agredido é inaceitável. Aliás, alguém ser agredido é inaceitável, essa é que é essa. Um jornalista, jogadores de ...
      27-04-2021 13:26E16
      No estranho mundo da numerologia, o 8 é associado a um perfil determinado e trabalhador. Nem de propósito. 8. O FCP recuperou dois pontos ao líder do campeonato e ...
      07-04-2021 10:03E1
      Opinião
      A Coluna é do Silva
      Paulo Silva
      Vénia ao 3º Anel
      Filipe Inglês
      Aquele passe de letra
      Bruno Pinto
      19:45
      Duarte Monteiro
      Poente B2
      José Pedro Fernandes
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa