A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
2020/01/14
E2
"A Preto e Branco” é uma coluna de opinião que procurará reflectir sobre o futebol português em todas as suas vertentes, de uma forma frontal e sem tibiezas nem equívocos, traduzindo o pensamento em liberdade do seu autor sobre todas as questões que se proponha abordar.

Todos sabemos por experiência própria, para o que bastará andarmos de olhos abertos e ouvidos atentos, a importância que o futebol tem em Portugal desde há muitos anos a esta parte.

Já em tempos idos institucionalizou-se a trilogia “Fátima, Fado, Futebol”, que muito jeito deu ao regime então vigente que, sendo pouco amante doutro tipo de discussões e debates, nada se incomodava que o povo concentrasse a devoção em Fátima, estivesse calado a ouvir Fado e discutisse Futebol.

Foi até em nome desse importância que era estratégico o futebol ter que um dia o governo de então terá “nacionalizado” Eusébio, impedindo-o de se transferir para Itália, onde iria ganhar muito mais dinheiro e teria certamente tido uma carreira de maior sucesso em termos internacionais.

Foi ainda nesse tempo que a imprensa, forçadamente obediente ao regime por força do “lápis azul” e outras formas de persuasão, criou a mitologia dos chamados “quatro grandes” (ao tempo os clubes - Benfica, Sporting, Porto e Belenenses - que tinham sido campeões nacionais), que tinham uns privilégios muito próprios como, por exemplo, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol ter obrigatoriamente que pertencer a Benfica, Sporting e Belenenses de forma rotativa (aí até Porto ficava de fora), o que era uma forma de separar a “nobreza” do “povo”.

Andaram os tempos, mas não mudaram as vontades, e por isso em democracia o lote dos chamados “grandes” ainda se reduziu (caiu o Belenenses e o Boavista nunca nele foi admitido) e por isso a “nobreza” ficou restrita a três clubes, que têm hoje muito mais privilégios, muito mais poder, muito mais vassalos e muito maior vassalagem do que tinham no tempo da ditadura do Estado Novo.

Ao ponto de muitos, nos quais me incluo, considerarem que o 25 de Abri nunca chegou ao futebol onde continua a vigorar a ditadura de três clubes sobre os restantes.

Ou, mais suavemente, citando de forma adaptada George Orwell, os clubes são todos iguais, mas há três que são mais iguais que os outros.

E é esse o ponto de situação do nosso futebol.

Um futebol em que a generalidade dos adeptos gosta dos seus clubes muito mais do que gosta de futebol (isso nem seria completamente errado, não fora esse gosto exacerbado vir acompanhado em muitos casos de umas palas que limitam seriamente a visão), o que leva a uma degenerescência preocupante de valores, que não só permite que se aceite o “vale tudo” desde que o clube ganhe (ou, pior ainda, que se aceite o “vale tudo” como argumento legítimo para ganhar), como leva milhões de portugueses a serem por este ou por aquele clube só porque ganha mais vezes e não por laços de afecto e proximidade, como seria natural.

O futebol português, e muito do que o rodeia, envergonha hoje quem gosta de futebol, quem defende a decência e acha a verdade desportiva um valor primeiro de qualquer tipo de competição.

A arbitragem, incluindo o famigerado VAR, que vinha para defender a verdade desportiva e apenas serve para favorecer ainda mais quem já era escandalosamente favorecido (alguém com dois dedos de testa acredita que os que se “enganam” tantas vezes com o apito na boca iam passar a uma “seriedade” sem limites sentados atrás dos ecrans de televisão e sem pressões de qualquer espécie como as que existem nos estádios?!), está pelas ruas da amargura, com sucessivas actuações deploráveis das equipas de arbitragem no terreno e do VAR no conforto da “cidade do futebol”, sustentadas por alguns cartilheiros sem vergonha que fazem dos leitores de jornais e dos telespectadores um bando de parvos incapazes de ajuizarem por si só os disparates cometidos na avaliação dos lances.

Quem viu o Vitória-Benfica, o Moreirense-Porto e o Benfica-Aves (para só falar de exemplos recentissimos de claros erros a favorecerem os, em teoria, mais fortes), e depois ouviu e leu os cartilheiros, perceberá bem de que falo.

Os clubes Benfica e Porto, únicos candidatos ao título e em teoria os mais interessados em defenderem uma competição prestigiada e sem motivos de polémica, envergonham o futebol todos os dias com constantes acusações mútuas, lançamento de suspeições e casos, fazendo do futebol um caso de polícia e assim desprestigiando todas as competições.

E, como se já não bastasse o que atrás foi dito, desde o fanatismo clubista de alguns adeptos aos erros das arbitragens, do tendenciosismo dos comentadores/cartilheiros às polémicas alimentadas por dois clubes, ainda temos outras realidades que fazem do nosso futebol um futebol de terceiro mundo.

As polémicas “sanitárias” como as que afectaram o recente Vitória FC-Sporting, as claques que se acham “um Estado dentro do estádio “ (as do Sporting, mas também as outras que actuam na maior das impunidades como as de Benfica e Porto), a facilidade com que se despedem treinadores sem que os dirigentes alguma vez assumam a responsabilidade no eventual engano nas escolhas, a forma como algumas televisões (então a CMTV é inenarrável nessa tarefa), ao mesmo tempo que promovem os três clubes, tentam humilhar e espezinhar os outros no tratamento depreciativo que lhes dão.

Já para não falar no problema dos problemas, que é o facto de a negociação dos direitos televisivos não ser devidamente centralizada, como na generalidade dos país europeus onde o futebol é uma “indústria” séria e levada a sério, e assim contribuindo para o artificial agravamento da desigualdade entre uns e outros.

O nosso futebol é cada vez é cada vez menos um desporto e cada vez mais uma doença social grave.

De cuja cura é de dia para dia, de jornada para jornada, de competição para competição mais lícito duvidar!



Comentários (2)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
Portugal e o futebol
2020-01-15 14h47m por bludouro
Mais um editorial deste senhor que, sempre fiel à sua própria rubrica e imagem (como defensor de causas perdidas, e de uma tal causa em específico) laborou um testamento em que escreve, escreve e não transmite nada (ou pelo menos nada de novo). Um artigo fútil, vago em sem qualquer novidade, que seguramente ofereceria pouco mais que a total perda de cinco da minutos na vida de qualquer leitor que se aventurasse a explorar o seu conteúdo. Teria sido (mesmo) o caso se não fosse por três dis...ler comentário completo »
J_
Observação pertinente!
2020-01-15 11h59m por J_Du4rte
Antes de mais, parabéns pelo pequeno texto aqui apresentado. Além de esclarecedor, o autor oferece-nos uma visão que, me parece, seja partilhada por aqueles que amam o futebol e possuem o bom senso para o questionar além instituição predileta.
Infelizmente, o futebol não foi, não é, e nunca será regido pelo bom senso. Ainda assim, o futebol Português não precisa(va) de se agigantar pelo pior dos motivos: a completa inconsciência de que, realmente, está cheio de problemas.
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
Já não é a primeira vez que nestes artigos se refere o perigo para o futebol constituído pelos contentores de dinheiro que em cima dele são despejados por ...
20-01-2020 11:48E5
Com a época desportiva praticamente a meio, e com a reabertura do mercado de transferências daqui a dois dias, importa fazer um balanço do que tem sido a temporada do ...
28-12-2019 14:40E2
Não será segredo para ninguém que ande minimamente atento ao facto de o futebol português ser um daqueles em toda a Europa em que a percentagem de ...
16-12-2019 20:52E5
Opinião
Camisola 10
Cláudio Soares
O Melhor dos Jogos
Carlos Daniel
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
O sítio dos Gverreiros
António Costa
Vénia ao 3º Anel
Filipe Inglês