Que treinadores poderão ser despedidos após o Mundial do Qatar?

29/11/2022

O Mundial de futebol é tradicionalmente uma época fértil em reavaliações de perspetivas e descobertas de novas oportunidades por parte dos clubes de futebol, tanto a nível europeu como mundial.

Por estranho que pareça, as análises feitas por presidentes, diretores desportivos, CEO e outros altos responsáveis dos maiores clubes de futebol mundiais parecem não diferir muito das opiniões lançadas pelo comum dos adeptos.

Um bom resultado recente e uma aparente “vaga de fundo” junto das opiniões mais próximas podem ser o suficiente para despoletar grandes contratações. A pressão feita pela comunicação social também parece ter alguma influência.

Há várias décadas que o cargo de treinador é sujeito a uma meritocracia que não só é impiedosa como parece, muitas vezes, mal aconselhada. Já não parece haver espaço político para um projeto como o de Alex Ferguson à frente do Manchester United, capaz de resistir a resultados menos bons tendo o longo prazo como pano de fundo.

As “chicotadas psicológicas” são tão comuns, que algumas casas de apostas, como a Betfair, lançam análises e mercados de aposta sobre quais serão os próximos treinadores a serem despedidos.

Um mercado de apostas ausente da legislação nacional

O atual Regime Jurídico do Jogo não prevê a possibilidade de apostar em treinadores que venham a ser despedidos. Não prevê, igualmente, a possibilidade de apostas em formato de trading, tal como é praticado pela Betfair, razão pela qual esta plataforma está ausente do nosso país.

No entanto, isso não nos deve impedir de debater a evolução do mercado de apostas no estrangeiro e outras possibilidades que a legislação possa, ou deva, vir a incluir no futuro.

A Betfair tem odds para a aposta no próximo treinador da Premier League inglesa a ser despedido. Eis as propostas atuais (com odd apresentada em formato fracional, como acontece por defeito na Betfair):

  • Gary O’Neil 7/10
  • Frank Lampard 3/1
  • David Moyes 6/1
  • Steve Cooper 10/1
  • Jesse Marsch 10/1
  • Antonio Conte 14/1
  • Graham Potter 16/1
  • Patrick Vieira 25/1
  • Thomas Frank 25/1
  • Brendan Rodgers 25/1
  • Jurgen Klopp 25/1
  • Julen Lopetegui 25/1
  • Nathan Jones 33/1
  • Marco Silva 33/1
  • Erik ten Hag 33/1
  • Roberto De Zerbi 40/1
  • Nenhum 40/1
  • Mikel Arteta 80/1
  • Pep Guardiola 80/1
  • Eddie Howe 80/1

O único ausente da lista é o novo técnico do Aston Villa, Unai Emery, que sucedeu muito recentemente a Steven Gerrard.

Um artigo de opinião na Betfair, datado de 21 de outubro, avançou candidatos ao lugar depois do despedimento de Gerrard. Entre nós, pouco se falou na possibilidade de Rúben Amorim, atual técnico do Sporting CP, ser candidato ao lugar.

Porém, o mesmo artigo de opinião dava Amorim como candidato, com uma odd de 11/10, e descrevia detalhadamente o seu palmarés, características de jogo e as razões que deveriam levá-lo a recusar – nomeadamente o facto de trocar uma equipa que está na Liga dos Campeões por uma do meio da tabela em Inglaterra.

Mas vejamos alguns dos mais fortes candidatos ao “chicote” por terras de Sua Majestade.

Gary O’Neill

A histórica e escandalosa derrota do Bournemouth por 9-0 contra o Liverpool, no final de agosto, determinou o despedimento imediato do treinador Scott Parker. Gary O’ Neill assumiu o cargo enquanto treinador interino e tem estado nessa situação, carregando uma espada de Dâmocles sobre a cabeça.

Esperava-se que a direção dos Cherries trouxesse um nome de maior peso para assumir a equipa em permanência, pelo menos até ao fim da época. Marcelo Bielsa, ex-treinador do Leeds e com um longo currículo que se estende, em termos de técnico de séniores, por três décadas, tem sido ventilado como substituto.

Mas importa avaliar não só a posição da equipa no campeonato como as suas expetativas. O Bournemouth regressou esta época à Premier League, pelo que o objetivo passa pela simples manutenção. A equipa encontra-se no 14º lugar, com 16 pontos (três pontos e quatro lugares acima da primeira equipa em posições de despromoção, o Nottingham Forest).

Uma notícia recente do site 90min indica que a direção do Bournemouth estará prestes a assinar com O’Neill até ao fim da época, retirando-o do estatuto de interino e reconhecendo o bom trabalho feito até ao momento. Ainda que se trate de um rumor, esta notícia conjugada com as estatísticas e as expectativas do Bournemouth deverão fazer os apostadores ingleses repensar a aposta em O’Neill como o próximo a ser despedido.

Frank Lampard

Lampard formou com Steven Gerrard uma excelente dupla de médios na seleção inglesa durante longos anos. O percurso de ambos arrisca algum paralelismo também enquanto treinadores. O Everton não está habituado a ter de penar na Premier League. Entre 2004/05 e 2020/21 nunca terminou um campeonato abaixo do 12º lugar.

O 16º na época passada foi aflitivo, e esta época está a ser ainda mais. A equipa ocupa o 17º lugar, imediatamente acima dos três lugares de despromoção ao Championship, o segundo escalão do futebol inglês.

Em 15 jogos somou apenas catorze pontos, com uns magros onze golos marcados e 17 sofridos. É inevitável a pressão sobre Lampard para apresentar resultados com a maior brevidade.

Jurgen Klopp

Já no treinador do Liverpool, que surge bastante abaixo na tabela de odds sugerida pela Betfair, é onde possivelmente reside um dos maiores valores à disposição dos apostadores ingleses.

As notícias sobre o provável despedimento de Klopp não têm parado de surgir. Ao contrário do Bournemouth, cujo objetivo é a manutenção, para o Liverpool o objetivo era o título, depois de ter ficado a um ponto do Manchester City a época passada. Mas ao fim de apenas catorze jornadas os Reds estão a 15 pontos da liderança da Premier League, ocupada pelo Arsenal.

A qualificação para os oitavos de final da Liga dos Campeões é fraco consolo para os adeptos do Liverpool, principalmente porque foi notória a fragilidade dos dois adversários eliminados (Ajax e Rangers) ao longo da fase de grupos.

Thomas Tuchel e Steven Gerrard já têm sido avançados por alguma imprensa tabloide como substitutos.

A lógica da odd apresentada pela Betfair, dando como relativamente improvável o despedimento de Klopp, está na esperada atitude dos responsáveis do Liverpool: se mantiverem a fé no treinador a longo prazo, “a la” Alex Ferguson, poderão eximi-lo de culpas da situação atual.

Despedimentos na Premier League: as últimas épocas

Ainda de acordo com a Betfair, nenhuma época da Premier League chegou ao fim sem que pelo menos um técnico fosse demitido. Eis os números das últimas três temporadas:

  • 2021-22: 9 (Aston Villa, Burnley, Everton, Leeds, Manchester United, Newcastle, Norwich, Tottenham, Watford)
  • 2020-21: 4 (Chelsea, Sheffield United, Tottenham, West Bromwich Albion)
  • 2019-20: 5 (Arsenal, Everton, Tottenham, Watford, West Ham)