Porquê apostar em Malachi Flynn na próxima temporada na NBA

18/10/2022

Os Toronto Raptors estão preparados para a temporada NBA 2022/23. A época regular do principal campeonato de basquetebol norte-americano começa esta semana. À data em que este artigo é redigido, ainda não é 100% certo que Malachi Flynn possa alinhar no primeiro jogo, contra os Cleveland Cavaliers, na sequência da lesão séria que sofreu no jogo de pré-temporada contra os Utah Jazz (osso malar partido). Seja como for, estará de regresso muito em breve e espera-se que seja uma figura importante esta época.

A forma intrigante de Flynn na pré-temporada levanta questões sobre ele e os Raptors que vale a pena dissecar – poderão estar em causa reflexões importantes em termos de apostas em basquetebol (nomeadamente na NBA) ao longo da época que agora começa.

Flynn: uma interessante época “rookie”

Aos 24 anos, Flynn começa agora a sua terceira época ao mais alto nível no basquetebol americano. As suas estatísticas durante a primeira época (2020/21) despertaram bastante curiosidade junto dos especialistas.

De acordo com o prestigiado portal de análise estatística Basketball Reference, ao longo dessa temporada, Flynn esteve em 47 jogos, com uma média de 19,7 minutos jogados por partida. A percentagem de tentativas de cesto com sucesso foi de 37,4%, um número bastante interessante para um “caloiro” e demonstrando potencial. A média de 7,5 pontos por jogo não impressionava, mas entre os adeptos dos Raptors e os peritos em basquetebol estabeleceu-se a opinião de que na segunda época – a que os americanos chamam “sophomore”, com uma correspondência à passagem pelas universidades – chegaria a confirmação do seu talento. No final da época já estava a marcar mais de 25 pontos por jogo.

Queda de forma em 2021/22

Porém, a segunda época foi uma desilusão. Embora participando em 44 jogos, a média de minutos jogados baixou para 12,2. A média de pontos baixou também para os 4,3. Uma estatística em particular ilustra a descida de rendimento de Flynn: os ressaltos defensivos, cuja média caiu de 2,3 para 1,2.

De acordo com o site especializado Raptors Republic, o problema terá estado nas escolhas do treinador Nick Nurse. Num artigo assinado por Louis Zatzman, o Raptors Republic sustenta que o jogador de Tacoma (Washington) é mais forte no papel de “pick-and-roll”, isto é, nas combinações de passes cruzados entre dois jogadores usadas para avançar no terreno e/ou contornar um adversário. Zatzman alega que Nurse destinou ao basquetebolista em época “sophomore” um papel defensivo no qual ele é relativamente fraco: cortar bolas, tentar desarmes, etc.

Com efeito, o próprio treinador revelou à imprensa, após a eliminação dos Raptors na primeira ronda dos play-offs na última temporada, que gostaria que o seu jogador assumisse mais a sua postura defensiva. De acordo com o Sports Yahoo, Nurse pretendia que Malachi fosse “chato” a defender, que fosse capaz de saltar do banco e incomodar energicamente os atacantes adversários, já parcialmente fatigados com o tempo de jogo decorrido.

A impressionante performance na Pro-Am

Não se pode dar Flynn como vencido, porém. No passado mês de julho, o jogador participou no torneio Pro-Am “Crawsover”, organizada sob a égide Jamal Crawford. Alinhando pelos “Sonics”, um dos coletivos criados especificamente para este torneio, Malachi foi determinante numa das vitórias da sua equipa, por 115-108. Marcou 73 pontos (63% do total da sua equipa) e ainda efetivou 12 ressaltos.

Tal performance, num jogador com uma média de pontos abaixo dos 10 por jogo (considerando as duas épocas que fez na NBA até agora), não podia deixar de dar nas vistas. Aparentemente, o artigo do Raptors Republic estaria certo.

Flynn: projeções para 2022/23

O Basketball Reference publica projeções para as temporadas que se iniciam, baseadas num método de análise e seriação estatística simplificado, e baseado em performances anteriores. A projeção 2022/23 para o jogador de Tacoma prevê uma subida acentuada na média de pontos marcados por jogo, para os 13,9. A percentagem de tentativas de cesto concretizadas com sucesso deverá subir para os 40,3%, e os ressaltos totais para os 4,7. São dados relevantes a ter em conta quando estiver a planear apostar na NBA e num jogo em que os Raptors tomem parte.

Importa salientar, porém, que Nick Nurse continua a ser o treinador dos Toronto Raptors. No jogo de pré-temporada no qual se lesionou, Flynn foi o segundo da sua equipa com mais tempo jogado (17 minutos e 38 segundos). Contudo, marcou apenas 8 pontos; se é certo que ninguém se destacou (Chris Boucher concretizou 11 pontos enquanto Josh Jackson e Precious Achiuwa marcaram 10 cada um), não é menos verdade que a Malachi não parece estar guardado um lugar de destaque na estratégia ofensiva dos Raptors para esta época.

Raptors: o que esperar para 2022/23?

Caso Malachi Flynn se mantenha na forma recentemente demonstrada e o treinador Nurse reveja as suas opiniões sobre como tirar partido do atleta, os Raptors podem estar a preparar-se para uma época interessante.

Uma pré-época forte

Os cinco jogos de pré-época disputados em outubro pelos Raptors resultaram em três vitórias e duas derrotas. Duas das vitórias aconteceram sobre os Boston Celtics, por 125-119 (a 6 de outubro) e por 137-134 (a 14 de outubro). OG Anunoby destacou-se nesta última vitória, com 32 pontos marcados, enquanto P. Achiuwa ganhou 8 ressaltos.

Claro que a pré-temporada é o momento para fazer experiências e afinar processos. Na derrota contra os Utah Jazz (uma das duas desta série de jogos particulares), os cinco jogadores com mais minutos foram Gary Trent Jr., Malachi Flynn (um interessante dado a fixar), Scottie Barnes, Christian Koloko e Pascal Siakan. Já na segunda vitória sobre os Celtics, os jogadores mais utilizadores foram Precious Achiuwa, Scottie Barnes, Fred Van Vleet, OG Anunoby e Justin Champagnie. Pese a lesão de Flynn, que o impediu de participar nos restantes jogos, apenas Barnes foi protagonista em ambos os encontros.

Os Raptors têm evidentes ambições de repetir o sucesso de 2019, quando se sagraram vencedores da NBA. O início de época será determinante para percebermos se Nick Nurse consegue “encaixar” e tirar partido do potencial que Malachi Flynn demonstrou recentemente.