história
Estádios

Centenario: o Templo do Rio de La Plata

Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Nasazzi, Scarone, Andrade, Ghiggia, Schiaffino, Francescoli, Recoba, Forlan, Cavani... os grandes jogadores uruguaios de todas as gerações, pisaram o relvado do majestoso Centenario. Mas também ali brilharam Stábile, Vavá, Pelé, Romário, só para citar alguns nomes que pisaram o relvado que é mais que um campo de futebol, é um mito, o mito do futebol uruguaio, um monumento vivo à história do jogo, o local onde se disputou a primeira final de um Campeonato do Mundo.

Para comemorar o centenário
 
Quem entra no Centenário de Montevideu não pode deixar de se sentir «esmagado» pela imensidão do anfiteatro, coroado com a torre altaneira que lhe define a silhueta, que é símbolo do estádio, da cidade e até do próprio país. 
 
O Centenario foi construído para albergar o primeiro Campeonato do Mundo da FIFA, como uma dupla homenagem ao Uruguai. Os cem anos da proclamação da Constituição Uruguaia de 1830, promulgada a 28 de junho de 1830 e jurada pelo povo em 18 de julho do mesmo ano; e a merecida homenagem à dupla conquista nos torneios olímpicos de futebol de 1924 em Paris e 1928 em Amesterdão, que valeu ao Uruguai a fama de melhor equipa do mundo e o epíteto de «Celeste Olímpica». Jules Rimet, o então presidente da FIFA, foi o grande apoiante do projeto uruguaio, mesmo enfrentando o boicote e a desistência generalizada das nações europeias.
 
Em 1930 o Uruguai construía o maior estádio do mundo para receber a competição que Rimet sonhara para o mundo: o Campeonato do Mundo de futebol.
Durante nove meses, uma imensidão de uruguaios e trabalhadores emigrantes, edificaram do nada o imponente estádio que iria receber a primeira edição de um Campeonato do Mundo. As fortes chuvas que assolaram o Uruguai antes nos meses que antecederam a competição, atrasando a construção, impedindo o estádio de estar pronto para a o pontapé de saída. Rimet acompanhou de perto os últimos dias das obras, aceitando a recomendação do Comité Organizador de se realizarem os primeiros jogos noutros estádios, até ao término das obras. Só uma semana depois do esperado é que o gigantesco estádio com lotação para cem mil espetadores seria inaugurado. Era então o maior estádio do mundo. Um gigante para honrar o futebol, que já era uma paixão nacional uruguaia.
 
Pontapé de saída
 
Às três da tarde do dia 13 de julho, o Estádio Pocitos em Montevideu recebeu a honra que era devida ao Centenario, aproximadamente mil espetadores assistiram ao pontapé de saída do mundial, o jogo em que a França venceu o México por 4x1, iniciando a longa aventura do Campeonato do Mundo que ao longo dos anos apaixonou o planeta.
 
Enquanto os jogos se iam realizando no Estádio Pocitos e no Estádio Parque Central, as obras iam terminando no Centenario, que ficou pronto para receber o primeiro jogo a 18 de julho, a estreia do Uruguai na competição, contra o Peru. O jogo foi equilibrado, para desespero dos 70 mil espetadores, que só respiram fundo quando a «Celeste Olímpica» se adiantou no placard, graças a um golo de Héctor Castro, aos 65 minutos.
 
A partir de 18 de julho, todos os jogos tiveram lugar no Centenario, entre eles a meia final entre a Jugoslávia e o Uruguai, que os casa venceram por 6x1, perante 93 mil espetadores, um recorde que nunca foi superado no Estádio Centenario, nem sequer na final contra a vizinha e rival Argentina. 
 
A grande final
 
Montevideu acordou com o ambiente que antecipa os grandes momentos. Dezenas de barcos cruzavam o Rio de La Plata, transportando de Buenos Aires para a Banda Oriental, os argentinos que vinham assistir à final. Os portões do estádio foram abertos às oito horas, seis horas antes do apito nacional do belga Langenus. Antes do jogo, surgiu um desentendimento que acabou por ofuscar a preparação do jogo, porque ambas as equipas estavam mais preocupadas com que bola seria usada no jogo do que com qualquer preparação.
 
O Uruguai marca mais um golo na final do Campeonato de 1930, na vitória uruguaia por 4x2, até hoje o jogo mais importante disputado no espetacular anfiteatro de Montevideu.
Dirigentes trocaram acusações e teria que ser a FIFA a tomar a decisão salomónica de cada seleção jogar com a sua bola numa parte do jogo. Por sorteio, os visitantes jogaram com a sua bola na primeira parte, enquanto os anfitriões forneceram a sua para o segundo tempo.
 
Dorado marcou o primeiro golo para os da casa, mas os argentinos viraram o jogo até ao intervalo... No segundo tempo, o Uruguai deu a volta para 4x2. Por curiosidade, cada equipa venceu enquanto jogou com a sua bola...
 
Um talismã nacional
 
Depois da conquista do mundial de 1930, o Centenario continuou a ser um talismã dos uruguaios, com a Celeste a conquistar todas as Copas Américas que tiveram final no estádio (1942, 1956, 1967 1995), assim como o Mundialito organizado em 1980, para comemorar o cinquentenário da conquista do primeiro mundial. (1)
 
Com o passar dos anos foi perdendo lotação, até aos 65.235 espetadores atuais, que se dividem pelas quatro emblemáticas bancadas: A tribuna América - em homenagem ao continente americano -, a Tribuna Olímpica, que como o nome indica, recorda as façanhas dos anos vinte, e as tribunas Colombes e Amesterdão, que recordam os dois estádios onde o Uruguai conquistou o título Olímpico. Dentro das suas bancadas encontra-se o histórico Museu do Futebol, onde além de recordar a história do estádio e do futebol uruguaio e suas conquistas, pode ainda encontrar entre outras atrações, as camisolas de Pelé e Maradona.
 
A 18 de julho de 1983, a FIFA declarou o Centenario como Monumento Histórico do Futebol Mundial, validando a opinião de Jules Rimet que já no longínquo ano de 1930, considerada o anfiteatro de Montevideu o «templo mundial do futebol».
 
-------------------------------------------------
(1) - Cinco das seis seleções que já tinham conquistado o Campeonato Mundial e a então vice-campeã Holanda, encontraram-se num torneio em que os anfitriões venceram, batendo os brasileiros na final.
Dorado marcou o primeiro golo para os da casa, mas os argentinos viraram o jogo até ao intervalo... No segundo tempo, o Uruguai deu a volta para 4x2. Por curiosidade, cada equipa venceu enquanto jogou com a sua bola...Nasazzi, Scarone, Andrade, Ghiggia, Schiaffino, Francescoli, Recoba, Forlan, Cavani... os grandes jogadores uruguaios de todas as gerações, pisaram o relvado do majestoso Centenário. Mas também ali brilharam Stábile, Vavá, Pelé, Romário, só para citar alguns que pisaram o relvado que é um mito, o mito do futebol uruguaio, um monumento vivo da história do jogo, o local onde se disputou a primeira final de um Campeonato do Mundo.
 
Para comemorar o centenário
 
Quem entra no Centenário de Montevideu não pode deixar de se sentir «esmagado» pela imensidão do anfiteatro, coroado com a torre altaneira que lhe define a silhueta, que é símbolo do estádio, da cidade e até do próprio país. 
 
O Centenário foi construído para albergar o primeiro Campeonato do Mundo da FIFA, como uma dupla homenagem ao Uruguai. Os cem anos da proclamação da Constituição Uruguaia de 1830, promulgada a 28 de junho de 1830 e jurada pelo povo em 18 de julho do mesmo ano; e a merecida homenagem à dupla conquista nos torneios olímpicos de futebol de 1924 em Paris e 1928 em Amesterdão, que valeu ao Uruguai a fama de melhor equipa do mundo e o epíteto de «Celeste Olímpica».
 
Durante nove meses, uma imensidão de uruguaios e trabalhadores emigrantes, edificaram do nada o imponente estádio que iria receber a primeira edição de um Campeonato do Mundo. As fortes chuvas que assolaram o Uruguai antes nos meses que antecederam a competição, atrasando a construção, impedindo o estádio de estar pronto para a o pontapé de saída. Rimet acompanhou de perto os últimos dias das obras, aceitando a recomendação do Comité Organizador de se realizarem os primeiros jogos noutros estádios, até ao término das obras. Só uma semana depois do esperado é que o gigantesco estádio com lotação para cem mil espetadores seria inaugurado.
 
Pontapé de saída
 
Às três da tarde do dia 13 de julho, o Estádio Pocitos em Montevideu recebeu a honra que era devida ao Centenário, aproximadamente mil espetadores assistiram ao pontapé de saída do mundial, o jogo em que a França venceu o México por 4x1, iniciando a longa aventura do Campeonato do Mundo que ao longo dos anos apaixonou o planeta.
 
Enquanto os jogos se iam realizando no Estádio Pocitos e no Estádio Parque Central, as obras iam terminando no Centenário, que ficou pronto para receber o primeiro jogo a 18 de julho, a estreia do Uruguai na competição, contra o Peru. O jogo foi equilibrado, para desespero dos 70 mil espetadores, que só respiram fundo quando a Celeste Olímpica se adiantou no placard com um golo Héctor Castro, aos 65 minutos.
 
A partir de 18 de julho, todos os jogos tiveram lugar no Centenário, entre eles a meia final entre a Jugoslávia e o Uruguai, que os casa venceram por 6x1, perante 93 mil espetadores, um recorde que nunca foi superado no Estádio Centenário, nem sequer na final contra a Argentina. 
 
A grande final
 
Montevideu acordou com o ambiente que antecipa os grandes momentos. Dezenas de barcos cruzavam o Rio de La Plata, transportando de Buenos Aires para a Banda Oriental, os argentinos que vinham assistir à final. Os portões do estádio foram abertos às oito horas, seis horas antes do apito nacional do belga Langenus. Antes do jogo, surgiu um desentendimento que acabou por ofuscar a preparação do jogo, porque ambas as equipas estavam mais preocupadas com que bola seria usada no jogo do que com qualquer preparação. Dirigentes trocaram acusações e teria que ser a FIFA a tomar a decisão salomónica de cada seleção jogar com a sua bola numa parte do jogo. Por sorteio, os visitantes jogaram com a sua bola na primeira parte, enquanto os anfitriões forneceram a sua para o segundo tempo.
 
Dorado marcou o primeiro golo para os da casa, mas os argentinos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Tópicos Relacionados
Equipa
Competição
Estádio
Centenario
Centenario
Uruguai
Montevideo
Lotação60235
Medidas-
Inauguração1930