Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

Odds
BenficaPortugal
PortugalV. Guimarães
CelticEscócia
EscóciaAberdeen
BolognaItália
ItáliaJuventus
história
Clubes

New York Cosmos

2013/09/05 16:23
Texto por Duarte Monteiro
l0
E0
Nova Iorque, anos 70.

Mais de três décadas antes do fenómeno global David Beckham aterrar nos Estados Unidos para impulsionar a popularidade da Major League Soccer (MLS), ao assinar um contrato milionário com os Los Angeles Galaxy, o futebol norte-americano assistia ao nascimento da primeira formação «galática» da North American Soccer League (NASL): os New York Cosmos, a mais excitante e mítica constelação de «estrelas» da história do futebol norte-americano e da cidade de Nova Iorque.

Enquanto o mundo carpia a dor do fim dos The Beatles (1970), Steve Ross, Ahmet e Nesuhi Ertegun poliam na Big Apple “uma equipa de bad boys, lendas do futebol e campeões que jogariam e festejariam juntos na era do rock & roll”. «Tudo o que ansiávamos era que o jogo acabasse para bebermos uns copos», conta Shep Messing, ex-guarda-redes dos Cosmos, que se exibiram pela primeira vez ao público em 1971 para marcar a dourado uma página inesquecível no futebol dos Estados Unidos; foram cinco títulos de campeão da NASL entre o ano da fundação e a data da dissolução da equipa profissional, em 1985.

Pelé foi a primeira grande estrela no futebol norte-americano ©New York Cosmos
Pelé foi o primeiro, depois Beckenbauer, Carlos Alberto


Estabelecido e sustentado, o franchise nova-iorquino avançou em definitivo para o estatuto de lenda e excentricíssimo em 1975, ano em que ofereceu à cidade de todos os sonhos a presença do «Rei» Pelé. O «astro» brasileiro deixava o «seu» Santos para ocupar o trono cosmopolita em Nova Iorque, figura central na segunda conquista dos NY Cosmos em 1977, já na companhia do «Kaiser» alemão Franz Beckenbauer e do compatriota Carlos Alberto, contratações apoteóticas de 1977.

Já sem Pelé, que regressaria ao Santos após o título de 1977, os NY Cosmos prosseguiram a hegemonia na NASL sob a batuta de Franz Beckenbauer, Carlos Alberto e do italiano Giorgio Chinaglia, conquistando mais três títulos nacionais, os dois últimos com o português Seninho no plantel (78, 80 e 82). O franchise sonhado e gizado à medida de Nova Iorque era um «gigante» na Liga profissional de futebol dos Estados Unidos, que, de acordo com David Hochman, diretor de comunicação dos Cosmos, «cresceu demasiado rápido e de forma insustentável; a Liga chegou a ter 24 equipas, demasiado para ser viável», referiu ao zerozero.pt.

Por conseguinte, em 1984 escrevia-se o fim da NASL, precipitando o sonho dourado New York Cosmos para o desvanecimento. Um ano depois, em 1985, Nova Iorque e os Estados Unidos despediam-se do primeiro grande fenómeno de popularidade no futebol norte-americano, que embora tivesse continuado a operar no futebol de formação manteve-se adormecido e silencioso durante os últimos 25 anos.
 

Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
Tópicos Relacionados