Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

Odds
BenficaPortugal
PortugalV. Guimarães
CelticEscócia
EscóciaAberdeen
BolognaItália
ItáliaJuventus
história
Grandes jogos

Polónia x Brasil: o nascimento da lenda

2014/04/08 16:12
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Muito tempo passara desde o primeiro jogo do Brasil, uma derrota a 20 de Setembro de 1914, em Buenos Aires às mãos da vizinha e rival Argentina.
Desde então, o Brasil ganhara por duas vezes a Copa América em 1919 e 1922 e marcara presença, tanto no mundial do Uruguai (1930), como no mundial de Itália (1934), onde passou discretamente, ficando logo na primeira fase, em ambos os torneios.
 
No mundial francês, o Brasil era o único representante da América do Sul, dados os boicotes argentinos e uruguaios, em protesto com a FIFA, por esta não ter cumprido com a rotação entre continentes, na realização do torneio.
 
As expectativas brasileiras eram grandes. Ademar Pimenta formara um grupo que finalmente merecia a alcunha de «A Seleção». Na frente brilhava o grande Leônidas da Silva, o «Diamante Negro», apelido que ganhou no mundial, culpa do jornalista francês Raymond Thourmagem, da revista Paris Match, que maravilhado pela habilidade do brasileiro, o comparou à mais brilhante das pedras.
 
Na frente brilhavam também Perácio e Romeu, enquanto mais recuados, Zezé Procópio e o capitão Martim Silveira tanto paravam o jogo adversário, como municiavam o ataque brasileiro. Lá atrás, o campo - e a bola - eram domínios de Domingos da Guia, o Mestre Divino, aquele que os brasileiros ainda hoje reverenciam como o melhor central de todos os tempos. 
 
Domingos era o primeiro de uma escola de zagueiros, que gostava de sair com a bola controlada, driblando adversários e fazendo «tabelinhas» com os colegas. O seu génio residia na sua capacidade de antecipar os lances, ao ponto de Gilberto Freyre o comparar na grandeza a Machado de Assis, e José Lins do Rego dizer dele, que era um “intelectual de calção, meias e chuteiras”.
 
Ademar Pinta prepara a equipa em detalhe, convocando e treinando dois «onzes» distintos; um mais técnico e outro mais fisíco, preparando-se assim para adversários distintos. Um desses adversários que exigia medidas especiais, era a Polónia, semi-finalista dos Jogos Olímpicos de 1936 e que o Brasil encontrou nos oitavos de final, em Estrasburgo, a 5 de Junho de 1938.
 
Os golos cantados 
 
O desporto - e o futebol em particular - começavam a ganhar espaço na Europa, mas também no Brasil. Viviam-se os anos dourados da rádio, e os brasileiros reuniam-se regularmente em volta da telefonia, para ouvir teatro, poesia, música ao vivo. O futebol tinha o seu primeiro grande momento, com o jogo contra os poloneses - como no brasil são conhecidos os polacos - a receber a honra de ser a primeira partida de um mundial de futebol a ser transmitida pelas ondas do éter para os «quatro cantos» do Brasil.
 
Os auriverdes - os brasileiros ainda não jogavam de camisola amarela e calções azuis, nem eram conhecidos por canarinhos - não defraudaram as esperanças dos compatriotas, naquele campo enlameado do La Meinau, em Estrasburgo. 
 
Os azuis - essa era a cor do Brasil nessa tarde histórica - abriram o placard aos 18 minutos, com um golo de Leônidas, mas pouco depois, Batatais derrubou Ernest Wilimowski, o árbitro sueco Eklind - o mesmo da final de 1934 - marcou grande penalidade e Fryedryk Szerfke não perdoou da linha dos onze metros. 
 
O Brasil não acusou o golo e Romeu e Perácio apontaram dois golos que deram uma vantagem confortável ao intervalo (3x1). 
 
Reação polaca e a chuva de golos
 
A chuva começou a cair impiedosamente no segundo tempo e os europeus pareciam mais preparados para jogar naquele terreno. Wilimowski, começou a abrir o livro e a deixar uma marca na história do mundial, apontando dois golos até aos 59 minutos.
 
O Brasil reagiu e Perácio voltou a colocar os sul-americanos na frente aos 71 minutos, a festa já ecoava na bancada, quando Wilimowski apontou um hattrick no último minuto e obrigou a um prolongamento. 
 
Leônidas resolve
 
Pimenta tentou acalmar a equipa, levantando o espírito dos seus jogadores, abatidos pelo golo tardio dos polacos. Quem tinha Leônidas podia acreditar, e o avançado carioca assim demonstrou que era verdade. Pediu a bola e não se escondeu do jogo. Três minutos depois do reatamento e já a estrela do Flamengo fazia balançar as redes polacas. Pouco depois, perde uma bota na lama, mas não falha o remate e faz o 6x4, apontando um hattrick histórico. 
 
Wilimowski não quis ficar atrás e ainda marcou um golo a dois minutos do fim, tornando os instantes finais absolutamente eléctricos. No Brasil suspendia-se a respiração, quando Erwin Nyc via a sua bola - que seria o 6x6 - bater com estrondo na barra. 
 
O Brasil conseguia a sua primeira grande vitória numa fase final de um mundial, e em abono da verdade, o futebol brasileiro, a relação de amor de um povo pela sua seleção, mudava para sempre. O Brasil mostrava ao mundo que tinha chegado para o conquistar. 
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
jogos históricos
U Domingo, 05 Junho 1938 - 17:30
Stade de la Meinau
Ivan Eklind
6-5
Leônidas 18' 94' 104'
Romeu 25'
Perácio 44' 71'
Fryedryk Szerfke 23' (g.p.)
Ernest Willimowski 53' 59' 89' 118'
Estádio
Stade de la Meinau
Lotação29000
Medidas106x68
Inauguração1933