Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

FC PortoPortugal
PortugalPaços Ferreira
Desp. AvesPortugal
PortugalBenfica
SportingPortugal
PortugalChaves
história
Grandes jogos

Leverkusen x Espanyol: a reviravolta alemã

2011/05/12 16:59
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Um dia Gary Lineker - que na altura jogava em Barcelona, no grande rival do Espanyol - disse que no futebol «há onze jogadores de cada lado, e no fim ganha a Alemanha». 

Nunca como nesta final os adeptos do Espanyol entenderam o real alcance de tão famosas palavras. Após uma vitória por 3-0 na primeira mão, os catalães foram a Leverkusen perder a Taça na marcação de grandes penalidades, num jogo em que o herói dos alemães foi um sul coreano chamado Cha Bum-Kun ...

Antecedentes

Anos depois de um mítico jogo entre a Itália e o Brasil para o mundial de 1982 - aquele em que um hat-trick de Paolo Rossi deixou o Brasil de Zico e Sócrates de fora - o Estádio Sarrià em Barcelona recebia o jogo mais importante da sua história, isto, obviamente, na perspectiva dos anfitriões... O Espanyol de Barcelona jogava em casa a primeira mão da sua primeira final europeia contra os alemães do Bayer Leverkusen

O Espanyol sempre tinha vivido à sombra do seu vizinho FC Barcelona, que curiosamente tinha sido eliminado nos quartos-de-final pelo Leverkusen, como tal, vencer uma competição europeia batendo na final o adversário que ainda para mais tinha eliminado o velho rival era um bónus para os adeptos da casa.
 
A caminhada dos catalães até à final abria boas expectativas, pois pelo caminho tinham deixado alguns gigantes do futebol europeu. Borussia Monchengladbach, AC Milan, Inter, Vitkovice e Club Brugge, tinham caído sucessivamente, e em todo este brilhante trajecto, a equipa da cidade condal apenas tinha cedido uma derrota, aquando da meia-final na Bélgica.
 
O Leverkusen por sua vez chegava ao grande jogo sem sofrer uma derrota e eliminando um conjunto de clubes reconhecidos no panorama europeu: Austria Wien, Toulouse, Feyenoord, FC Barcelona e WerderBremen.
 
Os espanhóis comandados por Javier Clemente fizeram uma primeira mão de luxo, vencendo com três golos sem resposta, e deixando o caminho aberto para levantar o troféu, quinze dias depois na Alemanha.
 
A segunda mão
 
Mas se há uma coisa que a história do futebol ensina, é que uma equipa alemã nunca está efectivamente derrotada enquanto houver jogo para disputar, e no dia 18 de Maio, no Ulrich-Haberland-Stadion em Leverkusen, o Bayer entrou decidido a fazer história, pois nenhuma equipa tinha anulado uma desvantagem de três golos trazida da primeira mão da final até então.
 
Javier Clemente armou a sua equipa para um jogo que pretendia lento e táctico, tentando aproveitar algum contragolpe, ciente que um golo marcado em Leverkusen decidia tudo. Os alemães entraram sem arriscar tudo.
 
Até ao intervalo o «zero a zero» manteve-se inalterado e na segunda parte Erich Ribbeck lançou Herbert Waas passando a jogar num claro 4-2-4. Era o tudo por tudo, que haveria de dar frutos aos 57 minutos quando o brasileiro Tita abriu o placard
 
Empolgados pelo golo e apoiados pelo seu público, os jogadores do Bayer aumentaram a pressão e fizeram o 2-0 seis minutos mais tarde.
 
Ficavam a faltar ainda 27 minutos para o fim e o Leverkusen só tinha que marcar um golo para levar o jogo a prolongamento. O Ulrich-Haberland acreditava que a reviravolta era possível.
 
Aos 83 minutos o sul coreano Cha Bum-Kun - que já tinha ganho a competição com o Eintracht Frankfurt em 1980 - marca o 3-0 e força a final a ir a prolongamento para desespero de Javier Clemente.
 
Nos trinta minutos adicionais imperou o calculismo, alemães e espanhóis arriscaram pouco, temendo sofrer um golo que podia deitar tudo a perder. 
Nas grandes penalidades os alemães levam a melhor, e foi Losada, o herói que tinha apontado dois golos no primeiro jogo, que falhou o último e decisivo penálti.
 
A festa era alemã e a Europa assistia à maior recuperação de uma desvantagem numa final a duas mãos da Taça UEFA. Esse feito, já ninguém tira ao Bayer Leverkusen.
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
jogos históricos
U Quarta, 18 Maio 1988 - 19:30
BayArena
Jan Keizer
3-0
Tita 57'
Falko Götz 63'
Cha Bum-Kum 81'
Estádio
BayArena
BayArena
Alemanha
Leverkusen
Lotação30210
Medidas105x68
Inauguração1958