Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

Odds
MarrocosMarrocos
HolandaHolanda
Al AinEmirados Árabes Unidos
IrãoEsteghlal Tehran
Kawasaki FrontaleJapão
TailândiaMuang Thong Utd
história
Grandes jogos

Itália x Brasil: o milagre de «San Paolo Rossi»

2012/07/13 12:09
Texto por João Pedro Silveira
l0
E1
Dos vencidos não reza a história, há muito se convencionou dizer. Mas a verdade é que a história do Campeonato do Mundo, lembra, e recorda com especial carinho, três equipas que perderam o título, mas que perduram na memória, não pelo troféu, mas pela beleza do seu futebol, que ofuscou inclusivamente os vencedores. A Hungria de Ouro de 1954 com Puskás, Czibor, Kocsis; a Laranja Mecânica de Cruijff em 1974 e o maravilhoso Brasil de Zico, Sócrates e companhia que encantou o mundo com as suas exibições no mundial de Espanha em 1982.

A 5 de julho de 1982, no Estádio Sarrià em Barcelona, a Itália e o Brasil protagonizaram um dos encontros mais marcantes de sempre. Transalpinos e canarinhos encontravam-se num jogo decisivo de acesso às meias-finais, e se o favoritismo pendia todo para os sul-americanos. 
 
Sócrates e Zico celebram o primeiro golo brasileiro na partida.
Um ano antes do mundial o «escrete» fizera uma tournée pela Europa que espantou os espetadores e a crítica especializada. Primeiro apresentou-se no mítico palco de Wembley, em Londres, vencendo por 0x1, naquela que foi a primeira derrota inglesa contra uma equipa sul-americana em território inglês.
 
Depois do feito em terras de «Sua Majestade», os magos brasileiros atravessam o Canal da Mancha e levaram de vencida a França com um claro 1x3 na «Cidade Luz». Seguiu-se então a Alemanha Federal e nova vitória por 1x2. Três das melhores seleções do continente eram batidas no seu reduto, por um grupo de jogadores tecnicamente sobredotados, que encantavam tudo e todos com o seu futebol arte. Nascia a lenda da melhor equipa de sempre...
 
O Brasil de 1982
 
Depois de um estágio em terras portuguesas, os brasileiros chegaram a Espanha preparados para conquistar o mundo. Estrearam-se com a União Soviética e venceram - e convenceram - por 2x1, continuaram a saga, batendo a Escócia com 4x1 e mais uma exibição de sonho, pincelada com golos que eram verdadeiras obras de arte.
 
A terminar a primeira fase, um 4x0 aos neozelandeses - com direito a uma bicicleta de Zico - no jogo de despedida da cidade de Sevilha. O «escrete» fez as malas e seguiu para Barcelona, onde o esperavam a Argentina e a Itália, para um grupo disputado a três na segunda fase.
 
Despachada a Argentina com 3x1, e graças à vitória pela margem mínima que os italianos tinham conseguido no primeiro jogo contra os alvicelestes, ao Brasil bastava o empate nessa tarde mágica de Barcelona para carimbar o passaporte para as meias-finais.
 
A Itália que tinha chegado à segunda fase sem nenhuma vitória, fruto de três empates com Polónia, Camarões e Peru, e que vencera apenas o jogo com os argentinos dias antes, via-se agora na obrigação de bater os brasileiros para jogar com a Polónia o acesso à final de Madrid, já aos brasileiros, bastava o empate, mas tudo no seu futebol, e os resultados anteriores faziam esperar por mais uma vitória «canarinha».
 
Grande dia
 
O jogo começou com a festa e muito samba nas bancadas, com a enorme falange de apoio brasileira, a festejar com muita alegria, pintando de amarelo as bancadas do velhinho estádio do Espanyol de Barcelona. Batuques, tambores, pandeiretas, dança e cânticos e muita festa desde o apito inicial, contagiaram todos na bancada, menos os italianos.
 
Mas aos oito minutos, sem nenhum aviso prévio, a Itália inaugurava o  marcador por intermédio de Paolo Rossi e baralhava as contas do «escrete». O Brasil reagiu de pronto e Sócrates empatou a passagem dos doze minutos, após uma belíssima jogada de combinação com Zico.
 
Paolo Rossi aproveita um erro da defesa brasileira e faz o segundo golo italiano.
Confiantes os canarinhos pressionaram os italianos, mas após uma desatenção da defesa brasileira, o inevitável Paolo Rossi intercetou um passe e bisou aos 25’. Telé Santana, o treinador brasileiro, obreiro do futebol arte da canarinha, levava as mãos a cabeça. O Brasil tinha que voltar a correr atrás do prejuízo.
 
O intervalo chegou com os italianos na frente. A segunda parte começava como a primeira tinha terminado: com o Brasil a jogar um futebol pressionante e ofensivo, trocando a bola ao primeiro toque, com pormenores de fino recorte, encostando a Itália lá atrás.
 
Aos 68 minutos, Falcão, após uma jogada brilhante do coletivo brasileiro empatava novamente a partida, provocando a natural explosão da torcida nas bancadas do Sarriá. O Brasil voltava a ter um pé na meia-final.
 
Mas seis minutos depois, com uma frieza incrível, após a marcação de um pontapé de canto, Paolo Rossi fazia um hattrick e abria a porta das «meias» para a Squadra Azzurra. Faltavam 16 minutos e o Brasil voltou a empurrar a Itália para trás, mas a Itália não cedeu mais e os canarinhos foram perdendo a cabeça e a lucidez e, quando o árbitro israelita Abraham Klein apitou para o final, os sul-americanos caíam prostrados no relvado e a Itália acordava em festejos acreditando ser possível voltar a ser campeã 42 anos depois.
 
Rossi tornava-se o novo herói italiano e continuaria a deixar a sua marca com mais dois golos na meia-final e o primeiro golo na grande final de Madrid, que valeu aos transalpinos a conquista do seu terceiro mundial, 42 anos depois da conquista dos rapazes de Pozzo.
 
 
recorde aqui o resumo de um dos melhores jogos de sempre


Capítulos
Comentários (2)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
St
E o mais incrivel. . .
2014-07-05 12h37m por Stromp1906
E o mais incrível é que bastava o Brasil empatar para passar às meias-finais.

Em 1994 acabaram por se vingar. . . !
Pi
Brasil (82)
2014-06-07 17h43m por Pirisca
Era claramente a melhor equipa do mundo nesta altura, simplesmente teve um jogo em que defensivamente só fez disparates e acabou por perder.

Lembro-me bem q esta equipa era tão forte q n havia nenhum ser vivo q em 82 n achasse q o brasil n ía ser campeão do mundo. . .

jogos históricos
U Segunda, 05 Julho 1982 - 16:15
Estadi de Sarrià
Avraham Klein
3-2
Paolo Rossi 5' 25' 74'
Sócrates 12'
Falcão 68'
Tópicos Relacionados
Estádio
Estadi de Sarrià
Lotação41000
Medidas-
Inauguração1923