Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

V. SetúbalPortugal
PortugalUD Oliveirense
SportingPortugal
PortugalFC Porto
AtalantaItália
ItáliaNapoli
história
Grandes jogos

FC Porto x Benfica: Um Senhor Dragão

2012/11/07 13:51
Texto por João Pedro Silveira
l0
E19
Esta foi a noite em que o FC Porto conseguiu uma das maiores vitórias de sempre sobre o rival lisboeta, humilhando a águia com um histórico 5x0, deixando por terra o campeão nacional e destroçando as ambições de Jorge Jesus revalidar o título, conquistado meses antes, com classe e inegável superioridade... Uma noite de sonho para o Dragão, um pesadelo muito díficil de esquecer para a águia...

Nos bastidores do grande jogo

Era verdade que o FC Porto caminhava seguro na liderança, apenas um empate cedido e quatro golos sofridos, apresentando a mais sólida das candidaturas ao título, enquanto do outro lado da barricada estava o Benfica, campeão em título, ainda abalado pelos maus resultados das primeiras jornadas, que haviam deixado a águia a uns impensáveis sete pontos de distância dos dragões, mas antes do jogo, e apesar da diferença pontual na classificação, ninguém imaginaria tal desfecho.

Jorge Jesus relativizava a distância, mas os sinais que chegavam da Luz eram dissonantes. Uns apontavam as arbitragens, outros tantos culpavam os deslizes do guarda-redes Roberto, alguns apontavam o dedo às mudanças que o treinador operara na equipa de um ano para o outro. Na cabeça dos benfiquistas pairava ainda o resultado da derrota às mãos dos portistas na Supertaça, realizada no princípio da época.

André Villas-Boas, por sua vez, comandava uma armada segura da sua rota, aguardando calmamente a visita do grande rival, ciente que a vitória podia selar o destino do campeonato, somente com dez jornadas realizadas...
 
«Em equipa que ganha não se mexe», e Villas-Boas limitou-se a trocar o lesionado Fernando pelo colômbiano Guarin, enquanto o treinador dos encarnados decidiu alterar a equipa, fazendo sentar Saviola no banco, fazer subir Fábio Coentrão para extremo, deslocar o central David Luiz para a esquerda, e chamar à titularidade o pouco utilizado Sidnei.
 
Varela abre as hostilidades
 
O jogo em si não teve muita história... Marcava o relógio onze minutos, quando Hulk avançou pela direita e fez o que quis de David de Luiz, centrou para o meio da área, onde Varela, sem oposição, inaugurou o marcador.
 
Aos 23 minutos, novamente do lado esquerdo da defesa encarnada, Belluschi bailava à frente de um atarantado David Luiz, antes de colocar a bola no centro da área, onde Radamel Falcao finalizava com um sublime toque de calcanhar, perante um Luisão ajoelhado, uma imagem prenunciadora do que seria o Benfica nessa noite de pesadelo na «Cidade Invicta». 
 
 
Com o adversário na mão, o FC Porto avançou para a jugular. 28 minutos decorridos e novamente Belluschi a avançar pela direita, chamou a si Sidnei e Luisão, de David Luiz nem rasto, centrou para trás onde Radamel Falcao, de primeira, fuzilou com o pé direito, um inconsolável Roberto.
 
O Dragão explodia de felicidade, Jorge Jesus cruzava os braços, o rosto pesado dos suplentes benfiquistas deixava antever o terror que ainda estava por vir...
 
Jesus tenta, Luisão não deixa
 
Ao intervalo, Jesus emendou a mão, procurando equilibrar a equipa, e quiçá a reviravolta histórica. O Benfica tinha sido uma absoluta nulidade no primeiro tempo, e o treinador, ciente disso, não teve medo de reconhecer o erro e voltou à forma inicial. Mandou avançar Gaitan para o lugar de Sidnei, Coentrão voltava para a esquerda, Luiz voltava a fazer dupla com Luisão. 
 
O Benfica reentrou melhor, os jogadores, de volta ao seu habitat natural, sabiam o que tinham de fazer, e o que era esperado deles. Não surpreendeu ninguém o domínio benfiquista, e David Luiz esteve muito perto de reduzir a diferença. 
 
Todavia, aos 66 minutos, cansado de ouvir olés da bancada portista, Luisão perdeu a calma e tenta agredir Guarin. Pedro Proença não hesitou e mandou o brasileiro para a rua. O Benfica perdia por 3x0, ficava com menos um e perdia a liderança. Jesus percebeu que não havia mais nada a fazer e recuou linhas.
 
Villas-Boas sentiu que podia fazer história, Hulk compreendeu melhor que ninguém a ideia do treinador, e avançou sobre os encarnados. Em mais um lance de um para um, e novamente pela direita, Coentrão travou o brasileiro, e o incrível não se fez rogado e fez o 4x0 da marca de grande penalidade.
 
Antes de correr o pano sobre o clássico, Hulk voltaria a fuzilar Roberto, com um remate cruzado da direita. O Benfica caía com estrondo e o Porto ficava com o caminho livre para o título que viria a celebrar na casa do rival...
 
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
jogos históricos
U Domingo, 07 Novembro 2010 - 00:00
Estádio do Dragão
Pedro Proença
5-0
Silvestre Varela 12'
Radamel Falcao 25' 29'
Hulk 81' (g.p.) 90'
Estádio
Estádio do Dragão
Lotação50033
Medidas105 x 68 m
Inauguração2003