Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

Odds
MarrocosMarrocos
HolandaHolanda
Al AinEmirados Árabes Unidos
IrãoEsteghlal Tehran
Kawasaki FrontaleJapão
TailândiaMuang Thong Utd
história
Grandes jogos

Benfica x Celtic: cara ou coroa?

2012/11/20 10:50
Texto por Álvaro Gonçalves
l0
E1

Cara ou coroa? A pergunta faz parte do nosso quotidiano desde a infância, seja por causa dos jogos de futebol na rua ou por qualquer outro motivo em que se tenha que escolher algo. No futebol, é uma pergunta comum que o árbitro faz aos capitães de equipa na hora de escolherem bola ou campo antes do jogo. Mas outrora, houve eliminatórias de competições europeias a serem decididas com esse gesto tão simples. O Benfica que o diga.

Ainda não se recorria à marcação de grandes penalidades quando o Celtic visitou o Estádio da Luz a 26 de novembro de 1969. Jogava-se a segunda mão da segunda ronda da Taça dos Campeões Europeus e o Benfica tinha perdido por 3x0 na primeira mão, com golos de Thomas Gemmell, William Wallace e Harry Hood.

Vamos ao jogo!

É árdua a tarefa que os comandados de Otto Glória têm pela frente mas aos poucos vai tornando-se acessível. 35 minutos, Eusébio faz o 1x0 para o Benfica e o 1x3 na eliminatória. Apenas cinco minutos depois, John Fallon, guarda-redes do Celtic, é batido pela segunda vez, desta feita por Jaime Graça.

Chega o intervalo e a esperança da nação benfiquista é muita. Os jogadores regressam ao relvado para disputar a segunda parte. Nas bancadas do velho Estádio da Luz, 50 mil pessoas desesperam pelo terceiro golo que teima em não surgir.

Billy McNeill, dois anos depois de ter levantado o troféu da Champions no Jamor, venceu Coluna no «jogo» da moeda ao ar, na Luz ©Getty / Central Press
O tempo passa e nada. Não há unhas ou cigarros que resistam a tanto nervosismo. Período de compensação. O árbitro holandês Laurens Van Ravens tem o apito na boca. Está prestes a dar o término do encontro. Último lance do jogo. Diamantino Costa, que aos 62 minutos tinha entrado para o lugar de Raul Águas, cabeceia a bola. Ouve-se um apito mas, indiferente a tudo isso, o esférico entra na baliza defendida por Fallon. É golo. O tão ansiado golo do 3x0 que dá para empatar a eliminatória.

Lança-se a confusão no Estádio da Luz. Os escoceses reclamam que o apito do árbitro aconteceu antes do cabeceamento de Diamantino. Os encarnados, como é lógico, dizem que o apito aconteceu já depois da bola ter entrado.

Sem conhecerem a decisão de Laurens Van Ravens, que até decidiu a favor do Benfica, os adeptos presentes no Estádio da Luz invadem o relvado e obrigam a polícia a repor a ordem. Minutos depois, não muitos, com a situação sob controlo por parte das autoridades, as equipas regressam dos balneários, para onde o árbitro as tinha mandado aquando da invasão.

Joga-se um prolongamento mas os 30 minutos passam depressa. As contas da eliminatória estão na mesma. O recurso às grandes penalidades ainda não é deste tempo, portanto é a moeda ao ar que vai decidir quem segue em frente na competição.

Depois da invasão, o árbitro holandês recusa-se a lançar a moeda no centro do relvado e chama os capitães e treinadores de ambas as equipas ao seu balneário. Otto Glória não quer ver a decisão dramática da moeda ao ar e é Calado, o seu adjunto, quem segue com Coluna ao balneário do juiz. Do lado do Celtic, Billy McNeill é o capitão e o treinador é Jock Stein.

O momento decisivo

Os representantes de ambas as equipas e os árbitros juntam-se no balneário. A tensão e a ansiedade enchem aquelas quatro paredes. À porta, os jornalistas estão desejosos por informar os outros jogadores e a sociedade quem é o vencedor da eliminatória.

Chega o momento decisivo e as palavras de Billy McNeill, capitão do Celtic, na sua autobiografia, dizem tudo.

«Respondi cara, depois de Stein me ter dito que estava por minha conta. Saiu cara! Ainda estava a festejar quando Van Ravens me perguntou outra vez cara ou coroa. 'Agora é para decidir se és tu ou ele quem vai lançar. Ganhaste tu'. Disse novamente cara e lancei. A moeda voou, bateu no chão e rolou até ao pé direito do árbitro. Aí caiu e...cara! Foi o maior alívio da minha vida», escreveria, anos mais tarde, McNeill sobre o frente a frente com Coluna.

Tal como a moeda caiu junto do pé direito de Van Ravens, o Benfica caiu na segunda ronda da Taça dos Campeões Europeus e assim se conta a única vez que o Celtic saiu a sorrir do Estádio da Luz. Nesse ano, os escoceses acabariam por chegar à final mas foram derrotados pelo Feyenoord.



Capítulos
Comentários (2)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
to
FCP
2015-08-13 02h06m por tonefcp
Já agora em 66-67 o FC do Porto também foi eliminado por moeda ao ar, na antiga Taça das Cidades com Feira (antecessora da Taça UEFA) pelo Bordeaux.
pa
SLB
2015-01-25 23h29m por paulo218927
Parece que já aconteceu de tudo ao Benfica. Até um Campeonato invicto não chegou para ser Campeão.
jogos históricos
U Quarta, 26 Novembro 1969 - 00:00
Estádio da Luz
Laurens Van Ravens
3-0
Eusébio 35'
Jaime Graça 40'
Diamantino Costa 90'
Estádio
Estádio da Luz
Lotação120000
Medidas105x74
Inauguração1954