Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

Odds
MarrocosMarrocos
HolandaHolanda
Al AinEmirados Árabes Unidos
IrãoEsteghlal Tehran
Kawasaki FrontaleJapão
TailândiaMuang Thong Utd
história
Grandes jogos

Suíça x Alemanha: um telefonema para o Führer

2015/12/21 16:14
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Em Março de 1938 a Alemanha anexara a Áustria, era o Anschluss, a anexação pacífica da Áustria, e a sua integração política no III Reich. Como todos os símbolos nacionais austríacos, a seleção austríaca de futebol também deixou de existir.
 
A seleção, já qualificada para o Mundial de 1938, acabou por não tomar lugar na prova. Os melhores jogadores austríacos passaram a defender a equipa do Reich. Também no futebol a cúpula do regime nazi punha em prática um dos principais slogans do nacional-socialismo alemão: «ein Volk, ein Reich, ein Führer!» (1)
 
A 3 de Abril, a equipa austríaca tinha defrontado a alemã em Viena, num jogo de despedida da seleção, num momento de festa e celebração da unificação, o Anschlussspiel
 
Sindelar, a estrela austríaca, liderou a equipa da casa a uma vitória que humilhou os nazis, recusando-se depois a jogar pela Mannschaft alemã. 
 
Expectativas

Sepp Herberger podia não contar com Sindelar, mas comandava um conjunto de jogadores capazes de rivalizar com qualquer seleção do mundo. 
 
Se o «Homem de Papel» se recusara a vestir a camisola alemã, muitos dos seus colegas que tinham brilhado ao serviço do wunderteam austríaco aceitaram jogar pela seleção do Reich e reforçaram a equipa alemã, que assim passou a ser uma das favoritas do mundial em França.
 
Dois anos antes, a Áustria fora medalha de prata nos Jogos de Berlim, no mundial anterior, alemães e austríacos tinham chegado às meias-finais da provoca, caindo às mãos, respetivamente de checoslovacos e italianos. 
 
A nova NationalMannschaft era uma espécie de «dream team» ariano que viajou para terras gaulesas, onde lhe calhou defrontar a Suíça nos oitavos de final, no primeiro jogo da prova. As expectativas estavam altas e em Berlim, a presença alemã no mundial era tema de conversa constante. 
 
Um empate a uma bola gelou as expectativas germânicas, mas cinco dias depois, a Alemanha parecia estar preparada para eliminar a incómoda Suíça. 
 
Adolf Hitler, que não era um grande fã de futebol, fez questão de ouvir o relato do encontro, para assim acompanhar as incidências da partida. 
 
Mesmo sem saberem que o führer os acompanhava à distância, os alemães entraram a todo o gás, ampurrando a equipa helvética para trás. O famoso «ferrolho suíço» criado pelo austríaco Karl Rappan, e que funcionara tão bem no primeiro encontro, sucumbiu logo aos nove minutos ao golo de Willy Hahnemann. Quando Ernst Loertscher apontou um autogolo aos 22 minutos, a história do jogo parecia decidida. 
Ernst Loertscher 22 (p.b.) 
 
A facilidade com que a equipa dominava o encontro, deixou Hitler descansado e confiante ao ponto de achar que não havia necessidade de ouvir o resto da partida, tendo pedido que o informassem apenas do resultado final. 
 
O problema é que depois do führer desligar o rádio, a equipa suíça renasceu dos escombros e acabou por virar o jogo para 4x2, eliminando os alemães do mundial...Se o «Homem de Papel» se recusou a vestir a camisola alemã, muitos dos seus colegas que tinham feito parte da celebrada wunderteam austríaca aceitaram jogar pela seleção do Reich e reforçaram a equipa alemã, que assim passou a ser uma das favoritas do mundial em França. 
 
Dois anos antes, a Áustria fora medalha de prata nos Jogos de Berlim, no mundial anterior, alemães e austríacos tinham chegado às meias-finais da provoca, caindo às mãos, respetivamente de checoslovacos e italianos. 
 
A nova NationalMannschaft era uma espécie de «dream team» ariano que viajou para terras gaulesas, onde lhe calhou defrontar a Suíça nos oitavos de final, no primeiro jogo da prova. As expectativas estavam altas e em Berlim, a presença alemã no mundial era tema de conversa constante. 
 
Ferrolho Suíço
 
Um empate a uma bola gelou as expectativas germânicas, mas cinco dias depois, no jogo de desempate, a Alemanha parecia estar preparada para eliminar a incómoda Suíça. 
 
Adolf Hitler, que não era um grande fã de futebol, fez questão de ouvir o relato do encontro, para assim acompanhar as incidências da partida. 
 
Mesmo sem saberem que o führer os acompanhava à distância, os alemães entraram a todo o gás, ampurrando a equipa helvética para trás. O famoso «ferrolho suíço» criado pelo austríaco Karl Rappan, e que funcionara tão bem no primeiro encontro, sucumbiu logo aos nove minutos ao golo de Willy Hahnemann. Quando Ernst Loertscher apontou um autogolo aos 22 minutos, a história do jogo parecia decidida. 
 
©Getty / Keystone
A facilidade com que a equipa dominava o encontro, deixou Hitler descansado e confiante ao ponto de achar que não havia necessidade de ouvir o resto da partida, tendo pedido que o informassem apenas do resultado final. 
 
O problema é que depois do führer desligar o rádio, a equipa suíça renasceu dos escombros e acabou por virar o jogo para 4x2, eliminando os alemães do mundial... Em Berlim, era preciso tomar uma decisão. Quem seria o desafortunado que iria informar o führer da derrota alemã. Desse momento não há memória, mas por certo ninguém invejou aquele que foi o portador de tão inesperada notícia ao líder germânico.

---------------------------------------
(1) «Um Povo, um Império, um Líder!»
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
Tópicos Relacionados