Playmaker - by zerozero.pt, maior base de dados do mundo de Futebol

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

X
história
Jogadores

Andreas Brehme: a frieza germânica

2011/11/22 14:35
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Foi um dos mais poderosos defensores esquerdos que o futebol germânico produziu até hoje. Jogador de múltiplas qualidades, forte na marcação, destacava-se pelo seu rigor táctico. Era expedito e tecnicista em tarefas ofensivas, mas o seu ponto forte eram mesmo as bolas paradas. Senhor de um remate forte e colocado, foi decisivo por várias ocasiões. Uma delas deu mesmo o título Mundial de Selecções à Alemanha.

Do modesto Saarbrucken ao Calcio
 
Andreas Brehme jogou a sua 1ª época como profissional aos 20 anos. Foi no modesto Saarbrucken. Depressa deu nas vistas e 2 anos depois concretiza o sonho de jogar no clube do coração: o Kaiserslautern, onde brilhou durante 4 temporadas consecutivas.
 
Em 1986, com o findo o Mundial do México, transferiu-se para o colosso Bayern de Munique, vencendo então a Bundesliga logo no seu ano de estreia no clube bávaro. Por lá se manteve mais uma época até que as liras do Inter de Milão falaram mais alto.
 
Com a camisola nero-azurra venceu o Scudeto e a Taça UEFA em 91. Em 1993 deixa Itália e fixa-se em Espanha para representar o Zaragoça mas apenas por uma temporada, regressando então à Alemanha e ao Kaiserslautern, clube que representou por mais 4 épocas, tendo ainda tempo de se sagrar de novo Campeão Alemão em 1997.
 
Retirou-se aos 38 anos após 17 épocas consecutivas a jogar sempre ao mais alto nível nas principais divisões da Alemanha, Itália e Espanha.
 
A carreira na selecção
 
A passagem pela Selecção trouxe-lhe a glória e fez dele herói de toda uma nação. Estreou-se em 1984 com 23 anos e 2 anos depois chega o seu primeiro Mundial. Estreia com um empate a 1 frente ao Uruguai, vitória frente à Escócia por 2-1 e 2º lugar no grupo atrás da Super-Dinamarca apelidada então de Dinamáquina, após derrota frente aos nórdicos por 0-2.
 
Nos oitavos de final eliminam Marrocos, nos quartos, o anfitrião México e nas meias, desafio muito complicado frente à França onde a eliminação parecia eminente mas um golo de Brehme põe mesmo a R. F. A. na final onde cai aos pés da poderosa Argentina liderada pelo génio de Maradona. Quatro anos volvidos, o cenário era Itália mas as estrelas eram as mesmas. Brehme, uma vez mais decisivo, faz o golo no empate 1-1 frente à Inglaterra na meia-final que leva a decisão para as grandes penalidades, onde a Alemanha é mais feliz e carimba o passaporte para a final onde reencontra Maradona e a Argentina.
 
Já sem o fulgor de há quatro anos atrás, os Argentinos foram então completamente dominados pela Alemanha de Brehme, Mathaus e companhia, mas a vitória só chegou graças a um penalty polémico sofrido e convertido por Andreas Brehme. Ainda a propósito desse lance, 16 anos depois, Brehme viria a confessar não ter existido. Brehme sagrava-se assim Campeão do Mundo atingindo o ponto mais alto da sua carreira.
 
Disputaria ainda o seu 3º Mundial em 94 nos Estados Unidos. Fez os 5 jogos não tendo apontado qualquer golo e caindo nos quartos de final aos pés de um surpreendente Bulgária onde pontificavam Balakov, Stoichkov, Kostadinov, Penev e Lechkov entre outros. Deixou a Selecção ao fim de 86 jogos onde marcou 8 golos.
Fotografias(4)
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Tópicos Relacionados