Playmaker - Estatísticas e curiosidades no momento certo

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

história
Jogadores

Romário: o «Baixinho»

2011/12/09 16:39
Texto por João Pedro Silveira
l0
E1
As origens humildes

Romário da Souza Faria, nasceu a 29 de Janeira de 1966, em Jacarézinho, uma favela da cidade do Rio de Janeiro.
Com três anos mudou-se para a Vila da Penha, onde aprendeu a jogar futebol no Estrelinha, um clube fundado pelo seu pai, para manter a «molecada».
A bola rolava continuamente pelas ruas da Vila da Penha, em campos improvisados ou nas «quadras» de futebol de sala.
O «baixinho» foi deste de tenra idade um dotado futebolista. Começando no Olaria, rapidamente captou a atenção do Vasco da Gama, onde evolui nas camadas jovens.
Assinou o primeiro contracto profissional em 1985, e rapidamente ganhou lugar na equipa principal do Vasco, brilhando ao lado de Roberto Dinamite, formando uma dupla que fez história no ataque vascaíno.
Em 1988 deu o salto para Europa, para a fria e distante Eindhoven, cidade dos Países Baixos. O PSV era o campeão europeu em título, o treinador Guus Hiddink estava de tal forma encantado com as qualidades do «baixinho» que foi pessoalmente ao Rio de Janeiro, garantir o sucesso das negociações entre o Vasco e o clube holandês.
Em Eindhoven, Romário tornou-se o goleador do campeonato da Holanda despertando rapidamente o interesse de outros clubes europeus, entre eles o FC Porto e o Barcelona.
Depois de Hiddink, foi treinado pelo inglês Bobby Robson, continuando a conquistar títulos na Holanda, na era dourada do PSV no futebol local.
Romário da Souza Faria, nasceu a 29 de Janeiro de 1966, em Jacarézinho, uma favela da cidade do Rio de Janeiro.
Com três anos mudou-se juntamente com a família para a Vila da Penha, onde aprendeu a jogar futebol no Estrelinha, um clube fundado pelo seu pai, para manter a «molecada».
 
A bola rolava expontaneamente pelas ruas da Vila da Penha, em campos improvisados ou nas «quadras» de futebol de sala. Cada porta era uma baliza, cada duas pedras marcavam o lugar de outra. Bolas improvisadas, joelhos rasgados, faltas na escola, a infância de Romário foi igual à de tantos rapazes brasileiros, que nasceram antes ou depois dele.
 
Desde tenra idade que o «Baixinho» foi um dotado futebolista, destancando-se nos jogos entre amigos e no clube de bairro, começou a levar o jogo mais a sério, quando se mudou para o Olaria, onde rapidamente captou a atenção do Vasco da Gama.
 
Assinou o primeiro contracto profissional em 1985 e pouco depois já era presença regular na equipa principal do Vasco, brilhando ao lado de Roberto Dinamite, formando uma dupla que fez história no ataque vascaíno.
 
À conquista da Europa
 
Em 1988 deu o salto para Europa, para a fria e distante Eindhoven, cidade dos Países Baixos. O PSV era o campeão europeu em título, o treinador Guus Hiddink estava de tal forma encantado com as qualidades do «baixinho» que foi pessoalmente ao Rio de Janeiro, garantir o sucesso das negociações entre o Vasco e o clube holandês.
 
Em Eindhoven, Romário tornou-se o goleador do campeonato da Holanda, despertando rapidamente o interesse de outros clubes europeus, entre eles o FC Porto e o Barcelona.
 
Depois de Hiddink, foi treinado por outro grande senhor do futebol europeu, o inglês Bobby Robson, com quem continuou a conquistar títulos na Holanda, na era dourada do PSV no futebol local, em que ultrapassou o Feyenoord, como segundo clube mais títulado do futebol do país das tulipas.
 
Em 1993, um outro holandês, Johann Cruijff, convence o brasileiro a mudar-se para Barcelona, onde o «baixinho» inicia o melhor momento de toda a carreira.
 
O dream team de Cruijff
 
Juntando-se a Stoichkov, Ronald Koeman e Michael Laudrup, Romário marcou uma era do futebol blaugrana, que fora campeão europeu em 1992. A equipa de Cruijff onde pontificavam também os espanhóis Guardiola e Zubizarreta, passou à História como dream team. Foi uma equipa que dominou o futebol espanhol e esmagou o rival de Madrid com um histórico 5x0.
 
Na Europa chegou à final da Liga dos Campeões em Atenas, onde contra todo o favoritismo que lhe era apontado, o dream team catalão caiu inapelavelmente aos pés do AC Milan por 0x4.
 
O topo do mundo
 
qNa verdade, eu estou convencido de que o Brasil não ganharia o Mundial dos Estados Unidos se ele não tivesse jogado. Isso já é muito.
Johann Cruijff
Um ano depois, nos Estados Unidos, foi fundamental para a conquista do tetracampeonato mundial pelo Brasil, um título que escapava ao escrete há 24 anos…
 
Com golos decisivos, como o apontado (de cabeça!) na meia-final à Suécia, Romário conduziu o Brasil ao grande jogo contra a Itália, que seria decidido pelo desempate através de grandes penalidades.
 
Falando sobre essa época, Johann Cruijff afirmou:
 
«Para mim, os 1990 foram anos que não tiveram um só rei, mas está claro que Romário foi, junto com outros dois ou três jogadores, o que de mais brilhante nos ofereceu essa década. Na verdade, eu estou convencido de que o Brasil não ganharia o Mundial dos Estados Unidos se ele não tivesse jogado. Isso já é muito.»
 
O mundial de 94 foi um mano-a-mano entre a velocidade vertiginosa de Romário e o futebol cerebral de Roberto Baggio. Duas equipas e dois modos de jogar distintos, mas duas equipas que só chegaram ao grande jogo graças aos seus «pequenos artistas».
 
Em Pasadena, no dia da grande final, nem um, nem outro, conseguiram marcar a diferença. Se é verdade que Romário levou a melhor e muitos concordam que merecia, já Baggio falhou o penalty decisivo, e todos, inclusive os seus adversários, reconhecem que foi um castigo demasiado para o homem que levou a Itália quase literalmente às costas até à grande decisão.
 
Regressado a Espanha depois do mundial com a coroa de campeão do mundo e com uma fama planetária, Romário foi perdendo vontade de permanecer em Barcelona. Os golos continuavam a surgir, mas a cabeça do «baixinho» estava na Cidade Maravilhosa, nas suas praias de areia fina, nas festas com os amigos. Após a pausa de Natal, Romário assinou com o Flamengo e acertaou o fim da ligação que o unia ao FC Barcelona.
 
No Rio, a loucura entre os adeptos do Flamengo, leva multidões nunca vistas a todos os estádios onde o Fla jogava. Mas com a passagem do tempo a estrela de Romário parecia empalidecer, acabando por voltar a Espanha, emprestado ao CF Valencia, mas sem grande sucesso.
 
Seria contudo em 2000 que Romário voltaria a brilhar como nos bons velhos tempos. Voltando a São Januário para jogar com a mítica camisola do Vasco.
 
O golo 1000
 
qO golo 1000 foi uma obsessão do baixinho, que incluiu na sua contagem, todos os golos apontados nos escalões de formação, em jogos de amigáveis e inclusive jogos particulares
Em 46 jogos apontou  41 golos, repetindo números ao nível dos seus tempos de Eindhoven (109 J - 98 G) e Barcelona (46 J – 34 G).
Durante a primeira década do novo século, jogou com diversas camisolas dos principais clubes do Rio como o Fluminense, o Vasco e o América, intercalando com experiências fora do Brasil, no Qatar, nos E.U.A. e na Austrália. Jogou até aos 43 anos, apontando segundo os registos (reconhecidos pela FIFA), mais de 1000 golos.
 
O golo 1000 foi uma obsessão do «baixinho», que incluiu na sua contagem, todos os golos apontados nos escalões de formação, em jogos de amigáveis e inclusive jogos particulares, que muitos acusam de não passaram de jogos “mascarados”.
 
Romário vestiu ainda a canarinha por 70 vezes, com a qual apontou 55 golos, tendo uma média de golos no escrete superior a Pelé e a Ronaldo em jogos oficiais, os dois únicos jogadores que apontaram mais golos que o «baixinho» com a camisola da selecção brasileira.
 
 
Em 1993, um outro holandês, Johann Cruijff, convence o brasileiro a mudar-se para Barcelona, onde o «baixinho» inicia o melhor momento de toda a carreira.
Juntando-se a Stoichkov, Ronald Koeman e Michael Laudrup, Romário marcou uma era do futebol blaugrana.
Um ano depois, nos Estados Unidos, foi fundamental para a conquista do tetracampeonato mundial pelo Brasil, um título que escapava ao escrete há 24 anos…
Com golos decisivos, como o apontado (de cabeça!) na meia-final à Suécia, Romário conduziu o Brasil ao grande jogo contra a Itália, que seria decidido pelo desempate através de grandes penalidades.
Falando sobre essa época, Johann Cruijff afirmou: 
«Para mim, os 1990 foram anos que não tiveram um só rei, mas está claro que Romário foi, junto com outros dois ou três jogadores, o que de mais brilhante nos ofereceu essa década. Na verdade, eu estou convencido de que o Brasil não ganharia o Mundial dos Estados Unidos se ele não tivesse jogado. Isso já é muito.»
Regressa à Espanha depois do mundial com a coroa de campeão do mundo e com uma fama planetária.
Os golos continuavam a surgir, mas a cabeça do «baixinho» estava na Cidade Maravilhosa.


Fotografias(7)
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Tópicos Relacionados
Jogador
Equipa
Competição