Playmaker - O futebol em números!

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

X
história
Jogadores

Robert Prosinecki: a Estrela Croata

2012/06/05 13:49
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Da Alemanha para a Croácia

Natural de Schwenningen, na República Federal Alemã, Robert Prosinečki nasceu a 12 de janeiro de 1969, numa família de emigrantes croatas radicada em terras alemãs. O pequeno Robert cresceu no estado de Baden-Württemberg, nas proximidades de Estugarda, onde viveu até aos dez anos, começando então a jogar no clube local, o BSV Schwenningen, antes de se mudar para o Stuttgarter Kickers, um clube que ficaria famoso por formar jogadores como Guido Buchwald, Jürgen Klinsmann ou Fredi Bobic.

Aos dez anos mudou-se com a sua família de volta para a Jugoslávia, radicando-se em Zagreb, na Croácia, então ainda uma República da Federação Jugoslava. Ali passou a jogar com a camisola do Dinamo local, reforçando a ideia de que teria um futuro promissor. 
 
O salto para Belgrado
 
Em 1986 começou a jogar na equipa principal do Dinamo Zagreb, chegando a apontar um golo nos dois jogos que fez. Mas a pressão do seu pai para que assinasse um contrato profissional, irritou de tal maneira o treinador Miroslav Blažević, que este o mandou embora da equipa, afirmando que se Robert algum dia se tornasse um verdadeiro jogador de futebol, ele comeria o seu diploma de treinador…
 
Se o acontecimento não passou apenas de um fait-divers, ou se foi aí que Robert encontrou as forças para se tornar num dos melhores jogadores da história do seu país, não se sabe, a única certeza é que em outubro de 1987, Prosinečki embarcou juntamente com os seus colegas rumo ao Chile para iniciar uma aventura que iria mudar a história do futebol jugoslavo.
 
Bola de Ouro e campeão europeu
 
Jarni, Mijatovic, Stimac, Boban e Suker, para destacar alguns, foram as jovens promessas que levaram a Jugoslávia a conquistar o Campeonato Mundial FIFA de juniores, e Robert Prosinečki foi a estrela maior da equipa, apontando apenas um golo – decisivo – nos quartos-de-final contra o Brasil e ganhando a Bola de Ouro que premeia o melhor jogador da competição.
 
Regressado da aventura chilena, dedicou-se em pleno ao Estrela Vermelha de Belgrado, com quem tinha assinado no verão, depois de ter entrado em polémica com Blažević.
 
Na capital, de estrela ao peito, tornou-se rapidamente um titular indiscutível da equipa, ajudando o clube a conquistar o campeonato. Seguiram-se mais dois campeonatos, uma Taça e a coroa de glória que foi a conquista da Taça dos Campeões Europeus de 1991, quando os jugoslavos bateram o Marselha em Bari, após desempate por grandes penalidades.
 
A Guerra da Jugoslávia e a passagem por Espanha
 
Entretanto a Eslovénia e a sua Croácia natal declaravam a independência, iniciando-se a Guerra na Jugoslávia. Sendo croata, sentiu-se ameaçado em Belgrado, capital da Jugoslávia e da Sérvia, correndo risco por ser apoiante da causa indepedentista e fazer parte do clube que pertencia ao Exército Jugoslavo, que nesse exato momento bombardeava e atacava o seu país natal, provocando a morte e a destruição como já não se via na Europa, desde o fim da II Guerra Mundial.
 
Saiu de Belgrado e refugiou-se na Croácia, requerendo quebrar qualquer laço com o país e com o clube, desvinculando-se do clube e aguardando a decisão da FIFA relativamente à situação e estatuto dos jogadores croatas e eslovenos. 
 
Aproveitando a situação de indecisão na Croácia, e a Guerra que impedia a normalidade no dia-a-dia, os principais clubes europeus tentaram contratar as principais estrelas croatas. Suker mudou-se para Sevilha, Boban para Milão e Prosinečki, a maior estrela da sua geração, mudou-se para Madrid, onde o aguardava um contrato «chorudo» com o Real.
 
Na «Casa Blanca» não seria muito feliz, pois chegou ao clube num momento que o futebol espanhol era dominado pelo «Dream Team», a máquina de futebol ofensivo que Cruijff havia montado em Barcelona.
 
Em três anos de branco, apenas conquistou uma Taça do Rei e uma Supertaça espanhola, além de uma efémera Copa Iberoamericana que só contou com uma edição. Fustigado pelas lesões, o Real cedeu-o ao Oviedo, onde ficaria o último ano de contrato. Livre, assinou com o eterno rival, mas as lesões voltaram a persegui-lo e acabou por sair para o Sevilha, sem honra nem glória.
 
Regresso a casa e seleções
 
Regressou a casa, para jogar no Dinamo Zagreb, conquistando três ligas croatas, antes de percorrer diversos clubes da Eslovénia à Inglaterra, passando pela Bélgica e Croácia, onde pendurou as botas no NK Zagreb.
 
Na seleção, depois de ter estado presente no Itália 90, ainda com a camisola da Jugoslávia, pode finalmente vestir a camisola nacional croata, brilhando a alto nível nas campanhas croatas no Euro 96 (quartos-de-final) e no França 98 (terceiro lugar), numa equipa comandada por Blažević, que certamente por essa altura já tinha comido o seu diploma…
 
Ao longo da sua carreira, o Prosikito, como era conhecido, foi dos poucos jogadores que vestiu a camisola de Real e Barcelona, além de ter sido juntamente com Monti, Puskas, Santamaria e Altafini, um dos cinco futebolistas que disputaram um Campeonato do Mundo por duas seleções diferentes. 
 
Mas ao marcar tanto pela Jugoslávia como pela Croácia, Robert conseguiu um feito que os outros quatro não conseguiram, sagrando-se o único jogador a apontar golos em mundiais com duas camisolas diferentes. 
 
Fotografias(1)
Robert Prosinecki
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...