Segue o facebook do zerozero.pt. Notícias, Vídeos e Fotografias na sua rede social.

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

história
Jogadores

Azevedo: o violino das balizas

2011/11/17 17:21
Texto por João Pedro Silveira e António Ferreira Dias
l0
E0
Guarda Redes do Sporting, e da Selecção Nacional durante 10 anos (1937-47), foi, no seu tempo, considerado o melhor guarda redes português «de todos os tempos».

Disse-o o grande jornalista Ricardo Ornelas na festa de homenagem a Azevedo, em Dezembro de 1950, diziam-no todos quantos se interessavam pelo futebol, fossem sportinguistas ou não.
 
qnum Benfica - Sporting, defendeu a baliza «com um braço ao peito», a partir dos 22 minutos da segunda parte
Em Novembro de 1946, num sempre lembrado Benfica - Sporting, defendeu a baliza «com um braço ao peito», a partir dos 22 minutos da segunda parte. Durante anos, isto era contado e recontado por orgulhosos sportinguistas. «E notem bem, diziam, e ganhámos por 3-1!»
 
Não era lenda, Azevedo, ferido gravemente na clavícula saíra do campo, ainda na primeira parte. Foi-lhe imobilizado o braço esquerdo, bem ligado ao peito. Jesus Correia, e depois Veríssimo, forma para a baliza.
 
Com o resultado 1 a 1, aos 22 minutos da segunda parte, Azevedo não se conteve: O Sporting tem de atacar mais, ele iria ocupar o lugar que lhe pertencia. Fossem para o ataque que da defesa tratava ele. E tratou. O Sporting meteu mais dois golos e venceu por 3-1.
 
Era destemido este João Azevedo. Terminou a carreira no Oriental.
 
Em Coimbra, num Académica-Oriental encaixou uma bola e, quando se preparava para a pontapear um academista tentou dificultar-lhe o pontapé. Azevedo, determinado, pega na bola com as duas mãos, dá-a a cheirar ao opositor uma, duas vezes, põe a bola no chão, driblou-o, tentou driblá-lo segunda vez, perde a bola, não se intimida, torna a recuperá-la e chuta forte bem lá para a frente.
 
Tendo deixado de jogar, foi taxista no Barreiro por conta própria. O negócio não prosperava, diziam, porque a uns tantos não cobrava nada.
 
Foi para Londres, empregou-se como motorista de um colégio, e quando regressou a Portugal, em 1982, trouxe consigo uma reforma que lhe permitiu viver sem sobressaltos. Faleceu a 3 de Janeiro de 1991.
 
Azevedo, sempre de boné, a defender a soco era resoluto e veloz. Aos pés dos avançados atirava-se, autoritário e sem medo. Azevedo, uma saudade!
Para muitos o dito de Ricardo Ornelas em 1950, ainda hoje é verdadeiro: Azevedo, o maior guarda redes português de todos os tempos.
Fotografias(1)
João Azevedo
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Tópicos Relacionados
Jogador
Equipa