Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

LilleFrança
FrançaMonaco
West HamInglaterra
InglaterraTottenham
RomaItália
ItáliaUdinese
história
Clubes

AC Milan

2013/02/07 16:49
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
O Milan Cricket and Football Club, foi fundado na cidade de Milão a 16 de dezembro de 1899 pelos ingleses Alfred Edwards e Herbert Kilpin. Edwards, um ex-vice consul britânico em Milão foi eleito o primeiro presidente do clube, que inicialmente incluia uma equipa de críquete e outra de futebol, dirigida por David Alisson.

O vermelho e o preto foram as cores escolhidas para o emblema e para o equipamento, fazendo com que desde a primeira hora os seus jogadores ficassem conhecidos por rossoneri

Pouco depois, Herbert Kilpin - além de jogar -tornou-se responsável pela equipa. Com Kilpin ao comando, o Milan teve um sucesso imediato, tornando-se campeão da Itália em 1901, naquela que era apenas a sua segunda época a competir oficialmente.

Durante nove anos, Kilpin liderou a equipa, jogando em 23 partidas do Campeonato de Itália (4), onde apontou sete golos, comandando os rossoneri na conquista de mais dois scudettos (1906 e 1907).

A italianização do Milan: os anos negros

O inglês Herbert Kilpin, pai do AC Milan.
Em 1908, surgiu uma cisão dentro do clube com a maioria a votar a favor da exclusão dos estrangeiros. Na sequência da decisão um grupo de italianos e suíços, no total quarenta quatro pessoas, insatisfeitos com a expulsão dos jogadores estrangeiros, saíram para fundar um novo clube: o Internazionale Milano, do seio do Milan nascia o grande rival.

A cisão abalou o clube que nos anos seguintes não conseguiu manter o sucesso. Com saída de Kiplin, o Milan não encontrou nenhum sucessor à altura. O inglês, impedido de jogar no seu Milan por ser estrangeiro, acabou por abandonar a carreira, acabando esquecido pelo clube que ajudara a fundar.

Durante a I Guerra Mundial o Milan conquistaria a Taça Federal em 1916, voltando a celebrar a alegria da vitória com as conquistas da Taça Lombarda (1917) e a Taça Mauro (1918), pouco depois mudou o nome para Milan Football Club.
 
Durante décadas o clube viveu momentos complicados, colecionando resultados medianos e incapaz de lutar por troféus. Em 1939, o regime fascista obrigou o clube a deixar cair os anglicismos, fazendo-o trocar o nome para Associazione Calcio Milano. Depois do fim da Guerra (1939-45), os milaneses puderam voltar a mudar o nome ao clube, passando a instituição a ter o atual nome de Associazione Calcio Milan..
 
Gre-No-Li
 
A história do Milan só começaria a mudar com a chegada de um jogador proveniente da fria e distante Suécia... Gunnar Nordahl chegou ao clube depois da brilhante carreira nos Jogos de Londres, onde ajudou a Suécia a conquistar a medalha de ouro no torneio de futebol.
 
No ano de estreia com a camisola rossonera apontou 16 golos em 15 jogos, deixando os adeptos loucos com a sua nova «coqueluche». Satisfeitos com o contributo do sueco, os dirigentes milaneses aceitaram a sugestão de Nordahl para o clube contratar os seus conterrâneos Nils Liedholm e Gunnar Gren, que o avançado sueco garantia serem de uma eficácia letal.
 
«Gre-No-Li», Gunnar Gren, Gunnar Nordahl e Nils Liedholm, o trio sueco que revolucionou o futebol milanês nos anos cinquenta.
Os três juntos formariam uma das mais famosas parcerias da história do futebol em Itália, passando à história como «Gre-No-Li». Tal era a sua capacidade de combinarem jogadas e marcar golos, que o próprio Nordhal considerava que havia telepatia entre os três e que Liedholm e Gren eram os melhores companheiros que um jogador podia ter. Nordahl, que era o membro mais profícuo desta máquina demolidora, marcando 210 golos em 256 jogos, não esquecia assim o contributo dos conterrâneos.
 
Os três ajudaram a conquistar dois scudettos para o AC Milan, o primeiro dos quais quebrou um jejum de 44 anos. Nordhal, foi o melhor marcador do Campeonato Italiano por cinco vezes, o que ainda hoje é um recorde absoluto em Itália.
 
O avançado sueco, ainda nos nossos dias é o segundo melhor marcador da história do Calcio, batido apenas por Silvio Piola, que apontou mais 49 golos que o sueco, mas que para tal feito, precisou de jogar mais 15 épocas que il cannoniere.
 
A consolidação
 
Terminado o período nórdico em San Siro, as vitórias continuaram a chegar em catadupa aos rossoneri. Os títulos italianos viraram rotina no Milan. Campeão em 1956/1957, voltaria a festejar em 1958/59, desta vez já com o italo-brasileiro José Altafini como grande referência.
 
Novamente campeão nacional em 1961/62 e 1967/68, conquistou pela primeira vez a Taça em 1966/67. Mas os grandes sucessos dos milaneses foram conseguidos nos palcos internacionais. Os anos sessenta foram a primeira era dourada do clube, com a conquista da Taça dos Campeões Europeus em 1963. O mítico Estádio de Wembley consagrou pela primeira vez o AC Milan como rei da Europa, mas a vitória não foi fácil... 
 
O Milan encontrava pela frente o Benfica que era somente o bicampeão europeu. Os lisboetas chegaram à frente ainda na primeira parte por intermédio do inevitável Eusébio. Mas no segundo tempo, Altafini apontaria dois golos, consagrando a reviravolta e apeando o Benfica do pedestal. O Milan era o novo campeão europeu, com uma equipa de sonho onde além de Altafini, pontificavam jogadores como Giovanni Trapattoni, Gianni Rivera e Cesare Maldini.
 
Cesare Maldini levanta a Taça dos Campeões, ganha ao Benfica, na final disputada em Wembley (1963).
Seis anos depois, Rivera e Trapattoni voltaram a conquistar a taça, batendo na final o Ajax de Cruijff, que chegava pela primeira vez à final. A vitória do Milan marcou um fim de uma era no clube e também do futebol na Europa. Real, Benfica, Inter e Milan, tinham dominado a competição. Mas o advento do futebol holandês, anunciava uma nova era no futebol europeu.
 
Nos anos seguintes a Taça seria conquistada primeiro por holandeses, depois alemães e por fim ingleses... Mas antes de passar o testemunho aos rivais do norte, o Milan esmagou o Ajax na final de Madrid por 4x1, e depois conquistou a Taça Intercontinental, batendo os argentinos do Estudiantes.
 
Interregno
 
Depois desse período de grande sucesso, o clube perdeu o ritmo conquistador. Durante a década de setenta conquistou três taças e uma Serie A em 1978/1979. Conquistando o seu décimo scudetto, o Milan ganhou o direito de encimar o seu emblema com uma estrela. Um predicado que até hoje, apenas três clubes em Itália conseguem apresentar: a Juventus, com duas estrelas, e os rivais milaneses, cada um com uma.
 
Adeptos rossoneri provocam os adeptos do Inter, citando uma famosa passagem da «Divina Comédia» de Dante.
O início dos anos oitenta apresentou-se sombrio para os milaneses. Envolvido no escândalo de manipulação de resultados e apostas desportivas, o famoso caso Totonero, o Milan viu-se caído em desgraça, nas profundezas da Serie B, na primeira época da sua história em que não jogou entre os «grandes».
 
Voltaria a subir prontamente à Serie A, para conseguir a pior classificação desportiva de sempre (14º), caindo novamente de divisão e desta vez sem a "desculpa" da secretaria.
 
Porém, Silvio Berlusconi, um magnata dos media, comprou o Milan, clube que era adepto, prometendo fazê-lo regressar à ribalta...
 
Os imortáis e os invencíveis
 
Do seu longo «reinado», apesar das conquistas na era Ancelotti (2002-2009), destacam-se duas equipas que ficaram na história: os Immortali e os Invicibili. 
A primeira equipa, com Arrigo Sacchi à frente, fez história. Com o tridente holandês van Basten, Gullit e Rijkaard, foi uma máquina de jogar futebol que encantou a Itália e a Europa.
 
Gli immortali (os imortais): Rijkaard, van Basten e Gullit.
Roubou a coroa de campeão ao Nápoles de Maradona, sagrou-se campeão goleando o Steaua de Bucareste por 4x0 na final em Barcelona, e um ano depois bateu o Benfica em Viena por 1x0.
 
Seguiram-se os invencíveis de Fabio Capello: Franco Baresi, Alessandro Costacurta e Paolo Maldini comandavam uma das melhores defesas da história, o francês Marcel Desailly e Roberto Donadoni seguravam o meio campo, onde se soltava o génio de Dejan Savićević e Zvonimir Boban, e lá na frente o instinto de Daniele Massaro. Tricampeões italianos, chegaram a três finais da Champions consecutivas, perdendo a primeira para os franceses do Olympique de Marseille e a última para os holandeses do Ajax.
 
Campeões invictos em 1991/92, conseguiram o impressionante feito de não perderem nenhuma partida durante 58 jogos, culminando a sua era dourada, com uma vitória por 4x0 na final da Champions, em Atenas, contra o super Dream Team que Cruijff comandava em Barcelona.
Os imortáis e os invencíveis
 
Berlusconi tornou-se indissociável do Milan e o Milan do seu líder... Tornando-se o Presidente milanês com mais anos no poder. Do seu longo «reinado», apesar das conquistas na era Ancelotti (2002-2009), destacam-se duas equipas que ficaram na história do Milan, de Itália e do futebol mundial: os Immortali e os Invicibili
 
A primeira equipa, com Arrigo Sacchi à frente, fez história. Com o tridente holandês van Basten, Gullit e Rijkaard, foi uma máquina de jogar futebol que encantou a Itália e a Europa.
 
Gli immortali (os imortais): Rijkaard, van Basten e Gullit.
Roubou a coroa de campeão ao Nápoles de Maradona, sagrou-se campeão goleando o Steaua de Bucareste por 4x0 na final em Barcelona, e um ano depois bateu o Benfica em Viena por 1x0.
 
Seguiram-se os invencíveis de Fabio Capello: Franco Baresi, Alessandro Costacurta e Paolo Maldini comandavam uma das melhores defesas da história, o francês Marcel Desailly e Roberto Donadoni seguravam o meio campo, onde se soltava o génio de Dejan Savićević e Zvonimir Boban, e lá na frente o instinto de Daniele Massaro. Tricampeões italianos, chegaram a três finais da Champions consecutivas, perdendo a primeira para os franceses do Olympique de Marseille e a última para os holandeses do Ajax.
 
Campeões invictos em 1991/92, conseguiram o impressionante feito de não perderem nenhuma partida durante 58 jogos, culminando a sua era dourada, com uma vitória por 4x0 na final da Champions, em Atenas, contra o super Dream Team que Cruijff comandava em Barcelona.
 
Após a saída de Capello em 1996, sucederam-lhe diversos treinadores até à chegada de Carlo Ancelotti em 2001, iniciando um novo período de sucesso que durou até 2009. Com Ancelotti o Milan voltaria ao topo da Europa, conquistando a Champions em 2003 e 2007. Em 2009 o médio sairia para treinar o Chelsea.
 
O Milan foi acusando a saída do timoneiro, mas também a ausência de Berlusconi, desde que este assumiu ciclicamente o cargo de Primeiro Ministro em Roma, deixando o clube órfão da sua liderança...
Comentários (1)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
pi
mais que um clube. . . .
2013-04-08 02h14m por pintarola
uma paixão
Estádio
Stadio Giuseppe Meazza
Lotação80018
Medidas105x68
Inauguração1925
TEXTO DISPONÍVEL EM...
Competições Europeias
Futebol italiano