Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

V. SetúbalPortugal
PortugalUD Oliveirense
SportingPortugal
PortugalFC Porto
AtalantaItália
ItáliaNapoli
história
Clubes

Boavista

2012/08/01 10:10
Texto por João Pedro Silveira
l0
E45
Ainda não terá passado suficiente tempo desde o fim do longo consulado dos Loureiro ao leme do Boavista - entrentanto retomado em 2012 -, para boavisteiros e não boavisteiros terem o distanciamento necessário para analisar este período marcante da história axadrezada sem esse julgamento ser turvado pela atualidade e a história recente do clube. 

Mas indiscutivelmente, é no período de tempo em que primeiro o pai Valentim, e depois o filho João estiveram à frente dos destinos boavisteiros, que o clube do Bessa viveu a sua época dourada. 
 
Em 1966, quando o clube caiu nas profundezas da terceira divisão, poucos podiam acreditar que passado uma década, em 1976, o Boavista conquistava a Taça de Portugal e sagrava-se Vice Campeão de Portugal. Nascia o «Boavistão» de José Maria Pedroto... Mas a história dos axadrezados não começou com os sucessos dos anos setenta e já remontava ao princípio do século XX, ainda em Portugal reinava D. Carlos I...
 
Origens inglesas
 
O futebol chegou a Portugal por intermédio dos ingleses. A «cidade invicta», muito ligada à Velha Albion por laços económicos e culturais, tinha a maior comunidade britânica no nosso país, não estranhando que fosse um grupo de ingleses, associados a jovens portugueses, que trabalhavam na Casa Graham, que fundaram o The Boavista Footballers.
 
A ligação entre ingleses e portugueses, acabou por passar por um período de turbulência em 1905, quando as duas comunidades não concordavam com o dia mais apropriado para a realização dos jogos.
 
Pelas suas convicções religiosas, na sua maioria protestantes, os ingleses queriam jogar ao sábado, já que o domingo era o dia do Senhor e como tal, deveria ser devotado ao recato da família e a Deus. Por sua vez, os portugueses queriam jogar ao domingo, que para a maioria dos trabalhadores era o dia de descanso semanal, perfeito - na sua opinião - para a prática desportiva.
 
O diferendo durou alguns anos e só terminou com a eventual saída da comunidade inglesa do clube. Aproveitando a debandada dos «Súbditos de Sua Majestade», os portugueses alteraram o nome da agremiação, que a partir dessa data passou a ser conhecida por Boavista Football Club.
 
Nova casa no Bessa
 
Seria um dos primeiros clubes portugueses a praticar futebol, e mais tarde, seria também um dos primeiros a enveredar pelo profissionalismo. O Boavista teve num campo na Rua dos Vanzeleres a sua primeira casa, mas mudar-se-ia de armas e bagagens, para um terreno na zona do Bessa, gentilmente cedido pela família Mascarenhas, onde nasceria o Campo do Bessa.
 
Nos primeiros anos, o Boavista partiu à frente da concorrência na cidade invicta, com mais meios, e apoiado por boas famílias da Boavista e da Foz do Douro, tomou a dianteira do futebol portuense.
 
São desses primeiros anos os primórdios da rivalidade com o Académico do Porto, o Leixões, o Salgueiros  e claro, o FC Porto. E não surpreendeu que tenha sido o primeiro Campeão do Porto em 1914. Os anos seguintes marcariam a ascensão dos rivais azuis e brancos, e o troféu nunca mais voltaria às vitrinas do Bessa.
 
Lento declínio
 
Durante os anos 20 e 30, apesar das participações regulares no Campeonato do Porto e no Campeonato Nacional, o Boavista nunca venceu nenhum campeonato. Acabando por só marcar uma presença no Campeonato da I Liga em 1936, onde ficou num sexto lugar entre oito equipas. No ano seguinte conquistaria o Campeonato da II Liga, naquele que foi primeiro título nacional dos boavisteiros, que entretanto já vestiam de axadrezado...
 
As décadas seguintes marcaram um período de inconstância, com os boavisteiros a subirem e a descerem repetidamente de divisão, acabando por descer às profundesas da terceira divisão, onde se mantiveram entre 1966 e 1968.
 
O Boavistão
 
O Campo do Bessa passou a Estádio do Bessa em 1973 e nessa época de 1973/74, chegava ao leme do Bessa o Mestre José Maria Pedroto. Com o «Zé do Boné» ao leme o Boavista conquistaria a primeira Taça de Portugal em 1974/75, feito repetido no ano seguinte, numa época em que os «axadrezados» disputaram o título com o Benfica até ao fim do campeonato, terminado pela primeira vez em segundo lugar na prova. Em 1978/79 chegou a terceira Taça de Portugal e um ano depois, surgia a primeira Supertaça Cândido Oliveira. 
 
Com Valentim Loureiro à frente do clube, o Boavista foi crescendo e aproximando-se paulatinamente dos três grandes, ameaçando o estatuto - até aí incontestável - de quarto grande do Belenenses.
 
As presenças constantes nas competições europeias, os resultados de renome, os craques que eram vendidos regularmente para Alvalade e Luz, fizeram do Boavista um dos clubes mais respeitados do país.
 
Lá fora, as vitórias sobre os clubes italianos como a Lázio ou o Inter, tornavam famoso o «clube das camisolas esquisitas». Já dentro de portas, as vitórias sobre Porto, Benfica e Sporting, tornavam-se cada vez mais comuns, e o vizinho seria inclusivamente brindado com um histórico 4x1, a 7 de janeiro de 1989.
 
Loureiro II e a conquista do Campeonato
 
Após as conquistas da Taça de Portugal em 1992 e 1997, e as respetivas supertaças, o Boavista voltou a conquistar um segundo lugar na I Liga, disputando o campeonato até ao fim com o FC Porto, numa época em que conseguiu uma histórica vitória por 0x3 no Estádio da Luz.
 
O ano seguinte marcou a estreia do clube na Champions, onde depois de eliminar o Brondby, acabou por ficar em último lugar num grupo com Rosenborg, Feyenoord e Borussia Dortmund
 
Mas o momento histórico estaria guardado para a época seguinte... 2000/01, ano em que a cidade do Porto se tornava Capital Europeia da Cultura, e os dois clubes disputavam novamente o título de campeão.
 
Num campeonato em que o Benfica terminou num impensável sexto lugar, os «axadrezados» fizeram uma época de sonho, superando um a um, todos os obstáculos no caminho para a glória.
 
Derrotaram o FC Porto na viragem do Campeonato, com um golo decisivo de Martelinho, que voltou a ser decisivo na recta final do campeonato, ao marcar um fabuloso chapéu a Peter Schmeichel , deixando os campeões em título fora da luta.
 
Até ao fim, com garra e muito crer, os rapazes de Jaime Pacheco ultrapassaram todos os problemas e conquistaram o título na penúltima jornada com uma vitória sobre o Desp. Aves por 3x0.
 
A festa começou na Avenida dos Aliados, mas terminou na Rotunda da Boavista, ao som do grito de «campeões!». E pela cidade fora, os portistas, cabisbaixos, ouviam os boavisteiros cantar que «o Porto tem mais encanto, vestido de preto e branco...».
 
Depois do Sucesso
 
Conquistado o país, seguiu-se a Europa com uma presença destacada na Champions League. Vitórias sobre o Nantes, Dynamo Kiev e Borussia Dortmund, empates com Liverpool e Bayern München, mostraram um Boavista de respeito ao «velho continente». A nível interno, o Boavista lutou com os leões até muito perto do fim e o Campeonato só voou para Alvalade após uma derrota surpresa em casa com o Varzim e uma derrota com um golo a cair do pano na Luz...
 
Perdido o segundo campeonato, o «Boavistão» europeu de Jaime Pacheco voltou a surpreender a Europa, numa caminhada fantástica na Taça UEFA, que só terminou a cinco minutos do fim do segundo jogo da meia-final com o Celtic, onde um golo do sueco Larson gelou o Bessa e anulou a vantagem do empate a uma bola, conseguido dias antes em Glasgow. O Boavista caía de pé, tão perto de ir jogar a tão ambicionada final «100% portuguesa» com o FC Porto em Sevilha. 
 
Naquele momento ninguém desconfiava, mas o golo de Larson punha uma pedra sobre uma era dourada do futebol «axadrezado», e o Boavista entrava na sua era mais sombria, depois de ter vivido os sete anos mais profícuos da sua história...
 
«Apito dourado» e a crise
 
A história recente do clube faz lembrar a narrativa bíblica de José e do sonho do Faraó, em que ao período das vacas gordas, se sucedia o período das vacas magras, que comiam as gordas e mesmo assim não engordavam.
 
Depois do enorme sucesso, dentro e fora de portas, os boavisteiros começaram a sentir o custo dos grandes investimentos efetuados na equipa, para tornar o Boavista um adversário à altura de Porto, Benfica e Sporting...
 
O espoletar do caso «Apito Dourado», as escutas, e o castigo que se sucedeu, só vieram piorar a situação do clube, que entretanto via João Loureiro abandonar a presidência.
 
Anos depois, quando o Boavista foi forçado a descer de divisão, apesar de no campo se ter mantido, os adeptos acordaram para uma triste realidade, que ainda há poucos anos nem sequer imaginavam nos seus piores pesadelos.
 
A consequente despromoção por incapacidade financeira à IIB, a desistência da Taça de Portugal, a constante ameaça da insolvência, tornou o dia-a-dia do adepto boavisteiro num fado desgastado, um rosário de penas por desfiar...
 
Após algumas investidas populistas mal sucedidas, Álvaro Braga Júnior chamou a si a responsabilidade e tomou conta da cadeira da presidência, iniciando um longo e fastidioso processo de recuperação que ainda hoje continua. Com o apoio dos adeptos, prolongou-se a luta com vista a fazer-se justiça ao clube, que se considerava injustamente despromovido, e que viu as suas pretensões reconhecidas em sede de direito. Com o regresso de Loureiro ao leme, voltou a esperança e o Boavista viu confirmado em sede de justiça, o direito a regressar ao lugar de onde nunca devia ter saído. 
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Estádio
Estádio do Bessa Séc. XXI
Lotação30000
Medidas105x68
Inauguração1910