Playmaker - Estatísticas e curiosidades no momento certo

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

InglaterraInglaterra
PanamáPanamá
JapãoJapão
SenegalSenegal
PolóniaPolónia
ColômbiaColômbia
história
Treinadores

Nereo Rocco: o senhor Catenaccio

2016/01/19 10:13
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
Nereo Rocco nasceu no bairro de San Giacomo em Trieste, porto italiano no Adriático, mas que a 20 de maio de 1912, data em que nasceu, pertencia ao Império Austro-Húngaro. Trieste era então o principal porto da marinha imperial austríaca e foi lá que o vienense Ludwig Rock se apaixonou por uma artista acrobata espanhola, desse amor escandaloso nasceria um filho, Giusto, que seria o pai de Nereo.

Em 1925, para continuar a trabalhar no porto, debaixo das novas leis do fascismo, o nome Rock tem de ser italianizado. Por um erro de registo, Rock não se transformou em Rocchi, mas sim em Rocco, e assim ficou.

Ainda pequeno, mudou-se com a família de San Giacomo para Rion del Re, um novo bairro que nascia por esses anos nas colinas a sudeste do centro histórico da cidade. Rion del Re seria o lar de Rocco para a vida inteira. Aí cresceu, aí casou e viveu com a mulher e os filhos. 

A família Rock, dona de um açougue, vivia do fornecimento de carne e derivados aos navios que aportavam a Trieste. Nereo cresceu entre o negócio da família e a paixão pela bola. Bem perto da Strada di Rozzol nascia a Unione Sportiva Triestina, que fez do Campo de Montebello a sua casa, vizinhos de Nereo.

Sempre que a Triestina jogava em casa, Nereo assistia à partida, apaixonando-se pelo jogo e pelo clube da terra, onde começaria a sua carreira como centrocampista.

Jogador

Depois de três anos nas camadas jovens estreou-se na equipa principal da Triestina, clube onde atuaria durante sete épocas, tendo em 1934 sido chamado por Vittorio Pozzo para defrontar a Grécia no jogo de qualificação para o mundial de 1934 em que a Squadra Azzurra venceu por 4x0.


Após sete épocas, trocou a Triestina pelo Napoli, passando para o Padova já depois de ter começado a Segunda Guerra Mundial.

Em 1942 trocou Pádua pela sua Trieste natal, onde jogou no humilde 94º Reparto Trieste. A derrota da Itália na guerra com os aliados levou a que a metade norte do país ficasse debaixo da ocupação alemã. Durante esse período os campeonatos ficaram suspensos e só seriam retomados, uma vez terminado o conflito.

«Pendurou as botas» após uma última época (1946) no Libertas Trieste, iniciando a carreira de treinador na época seguinte, ao serviço da sua amada Triestina. 

O reinventor

Não obstante os quase 300 jogos efetuados em onze presenças na Serie A e os 69 golos apontados, seria como treinador que Nereo Rocco se tornou num nome incontornável do calcio. Inspirado no «ferrolho suíço» de Karl Rappan, Rocco introduziu o libero no futebol italiano, reinventando a forma de jogar das equipas transalpinas. Nascia o catenaccio, que rapidamente se tornaria no estilo de jogo preferido italiano e que todo o mundo associa à Itália.

Trieste vivia momentos difíceis, com a cidade muito destruida. O clube descera de divisão, mas dado a pobre situação da cidade, as autoridades desportivas resolveram repescar a equipa à Serie A. Rocco pegou numa equipa, que à imagem da cidade estava destroçada, levando-a a um extraordinário segundo lugar, só sendo superada pelo «Grande Torino», que então dominava o panorama futebolístico italiano. A forma assertiva como lidava com os jogadores, valeu-lhe a alcunha de El Paròn, o que no dialético triestino significa «o chefe», ou «o mestre».

Durante as épocas seguintes manteve a Triestina no meio da tabela, tendo depois passado pelo Treviso, antes de voltar a Trieste. Deu o salto então para o recém promovido Padova, onde já jogara, que ajudou a chegar ao terceiro lugar logo na primeira época. 

Seguiram-se épocas em que o Padova se manteve na primeira metade da tabela, tendo depois aceite o convite para orientar a seleção olímpica italiana nos Jogos de Roma (1960). A nazionale olimpica terminou no quarto lugar e Rocco era chamado para orientar o Milan

Conquistar a Itália e a Europa

Em Milão foi «chegar, ver e vencer», conquistando o Scudetto logo no ano de estreia. Mas o melhor estava para vir na época seguinte, com a conquista da Taça dos Campeões Europeus, em Wembley contra o poderoso Benfica de Eusébio, à época, bicampeão europeu.

Campeoníssimo mudou-se para Turim, onde esperava revitalizar o histórico Torino. Durante quatro épocas o Torino voltou a ficar na primeira metade da tabela, de que estava arredado desde o fim do «Grande Torino», conseguindo inclusive o terceiro lugar.

Desafiando a máxima de que não se volta a um lugar onde se foi feliz, Rocco regressou a San Siro em 1967/68, e tal como em 1961/62, chegou, viu e venceu, conquistando o scudetto e a Taça dos Vencedores das Taças. Na sua segunda época voltou a conquistar a Taça dos Campeões Europeus, repetindo o sucesso de 1962/63.

Nas épocas seguintes o clube rossonero não voltou a conseguir conquistar o título, terminando três vezes na segunda posição. Nas outras competições, Rocco guiou o Milan à vitória na Taça Intercontinental em 1969, venceu novamente a Taça dos Vencedores das Taças (1972/73) e conquistou ainda a Taça de Itália em três ocasiões.

Em 1973 abandonou o Milan, passou ainda pela Fiorentina e voltou a San Siro para um terceiro consulado que durou pouco mais de meio ano, pondo um ponto final da carreira e regressando a Trieste, onde viria a falecer a 20 de Fevereiro de 1979, contava 66 anos.

Nereo Rocco nacque a Trieste il 20 maggio 1912 nel rione di San Giacomo. Già da piccolo la sua famiglia si trasferì in Rion del Re, dove poi Rocco abitò per tutta la vita con la moglie e i figli. La famiglia di Rocco era di condizione agiata grazie alla macelleria di loro proprietà che era un'importante fornitrice delle navi nel porto.
 
La passione per il gioco del calcio, nacque in Nereo fin da piccolo, osservando le partite della neonata Unione Sportiva Triestina che giocava in un campo di calcio vicino a casa sua: lo storico campo di Montebello dove la Triestina giocò fino al 1932, anno in cui si trasferì allo stadio di Valmaura, l'attuale Stadio Giuseppe Grezar. Il cognome del padre Giusto è Rock, austriaco.
 
Il nonno, Ludwig, faceva il cambiavalute e veniva da Vienna, fuggito per amore di quella che diventerà la nonna di Nereo: una ballerina o acrobata spagnola di un circo[6]. Rock diventa Rocco nel 1925, quando per lavorare nel porto era obbligatorio avere la tessera del fascio. Il cognome doveva essere italianizzato, doveva diventare Rocchi, ma l’impiegato all’anagrafe sbagliò e nacque così Rocco. Morì il 20 febbraio 1979 nell'Ospedale Maggiore di Trieste, dopo una breve malattia.
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
EAinda não foram registados comentários...
Tópicos Relacionados