Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
2017/08/14 17:13
E3
"A Preto e Branco” é uma coluna de opinião que procurará reflectir sobre o futebol português em todas as suas vertentes, de uma forma frontal e sem tibiezas nem equívocos, traduzindo o pensamento em liberdade do seu autor sobre todas as questões que se proponha abordar.
O futebol, como tantas outras áreas da vida em comunidade, tem os seus altos e os seus baixos, os seus momentos de extraordinário entusiasmo, mas também de enorme tristeza, os seus picos de exaltação mas também os seus espaços de serenidade.
 
Em suma tem em si o 8 e o 80 !
 
Com o início dos campeonatos nos diferentes países, podemos ir constatando alguns oitos e alguns oitentas que, de alguma forma, caracterizarão as competições que terão o seu epílogo lá para a primavera do ano que vem.
 
Na minha modesta opinião, o maior “oitenta” do futebol europeu é a Liga Inglesa, que teve este fim de semana a sua primeira jornada.
E que jornada!
 
Num encontro entre campeões, o Arsenal venceu o Leicester por 4-3 depois de um jogo magnífico, com constantes alterações no marcador e incerteza até ao fim numa daquelas partidas que justifica bem o entusiasmo que o futebol merece.
 
Outro campeão, dos maiores da História da Premier League, o Liverpool, empatou a três com o Watford de Marco Silva num belo jogo de futebol.
 
Outros dois campeões, os grandes rivais de Manchester, começaram a prova de forma categórica, com o City indo vencer a Brighton, enquanto o United, de José Mourinho, despachava o West Ham de forma categórica com quatro golos sem resposta.
 
O campeão em titulo Chelsea começou a prova perdendo em casa com o Burnley depois de um jogo muito disputado em que os visitantes conseguiram superiorizar-se, vencendo pro três bolas a duas.
Quanto ao vice-campeão Tottenham, foi vencer a casa do histórico Newcastle, este ano regressado à principal divisão, demonstrando também ele estar na corrida para o titulo deste ano.
 
E são apenas alguns exemplos, versando as equipas mais conhecidas, do que foi o espectacular início da liga inglesa da temporada 2017/2018 prometendo ser, como sempre, a melhor liga europeia e, portanto, também a melhor liga do mundo.
 
Estádios cheios, futebol espectáculo, grandes equipas e grandes jogadores, treinadores de topo (Mourinho, Guardiola, Klopp,Wenger, Conte, etc), jogos de grande incerteza quanto ao resultado, erros dos árbitros que são...erros, terminologia dos comentadores despida de parolices como “os grandes”, sorteios iguais para todos, decisões céleres dos orgãos disciplinares.
 
E muito dinheiro para os clubes oriundo de contratos televisivos bem negociados, fruto de uma negociação centralizada dos direitos, que devia fazer corar de vergonha os dirigentes de clubes e ligas de outros pontos da Europa.
 
Mas para além de tudo isso a liga inglesa tem ainda o encanto quase único em termos europeus de ter vários candidatos ao título, meia dúzia no mínimo, que naturalmente dão a todos os jogos um interesse e uma incerteza que alimenta a paixão dos adeptos e o interesse das televisões e patrocinadores.
 
Este ano, enquanto o Chelsea procurará renovar o titulo ganho na época passada de forma brilhante, tem em compita directa consigo um grupo significativo de grandes equipas pertencentes a clubes históricos e que quererão recuperar um titulo que todos eles já venceram noutros tempos.
 
À cabeça, o Manchester City de Pep Guardiola e o Manchester United de José Mourinho que reforçaram a rivalidade típica de dois clubes da mesma cidade com a contratação, na época passada, de dois treinadores que muitos consideram os melhores do mundo e com
um largo historial de rivalidade pessoal (não inimizade) construída essencialmente nos tempos em que treinavam Barcelona e Real Madrid e que para esta época não foram nada parcos na forma como desembolsaram milhões e milhões para reforçarem as suas equipas.
 
Depois, o Liverpool de Klopp.
O clube mais vezes campeão a seguir ao Manchester United, mas que há mais de duas décadas não vence o título e que na sua segunda época dirigido por Jurgen Klopp, será certamente uma equipa a considerar nessa disputa.
 
Mas há também o Arsenal de Arsene Wenger e o Tottenham de Maurício Pochettino, que há anos afastados do titulo (os “spurs” desde 1961 !), são competidores a ter em conta, face à valia das equipas e ao que tem sido o seu historial nas ultimas épocas.
 
E depois, convém não esquecer, pode sempre surgir um outsider como o Leicester, que há duas épocas ganhou o seu primeiro título de campeão, de forma categórica, perante a surpresa generalizada do mundo do futebol.
 
É assim o fantástico futebol inglês.
O verdadeiro “oitenta” do futebol europeu.
 
Depois há vários “oitos”.
Como naquele país dos campos inclinados, das arbitragens e vídeo arbitragens tendenciosas, dos sorteios que favorecem três “filhos” e discriminam quinze “enteados”, da quase totalidade da comunicação social a ser subserviente, bajuladora e parcial a favor de três clubes, da negociação individual dos direitos televisivos que contribui largamente para o fosso competitivo entre os “filhos “ e os “enteados”, dos insuportáveis programas televisivos em que só os “filhos” tem assento e que servem para pressionar os agentes do futebol em favorecimento dos tais clubes, dos regulamentos absurdos que permitem que o empréstimo de jogadores sirva como forma de condicionar votos na assembleia geral da liga , de uma liga que promove uma taça com um regulamento feito de forma descarada para beneficiar os três do costume, dos dirigentes de quinze clubes
que tudo aceitam e tudo votam como os tais três querem por razões que os deviam envergonhar.
 
Entre muitas outras coisas que justificam que ainda haja “oitos” numa Europa onde há “oitentas”.
 
Viva a “Premier League”!
Porque naquilo que a sustenta em termos de filosofia desportiva e na concepção de negócio que lhe está subjacente, reside muita da esperança de manter o futebol como a mais popular modalidade desportiva do mundo.


Comentários (3)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
Jo
TreinadoresDaWe bLOL
2017-08-15 07h58m por Josec78
Precisamente por maior parte dos clubes ter poucos adeptos e sócios é que os direitos televisivos deviam ser centralizados. Em Inglaterra também há clubes com mais adeptos que outros mas lá sabem que se jogam todos no mesmo campeonato então têm que jogar sob as mesmas regras.
Tr
Respeito a sua opiniao mas. . .
2017-08-14 17h53m por TreinadoresDaWebLOL
Portugal não é a inglaterra. . . . E mesmo que se negociasses contratos televisivos em conjunto nada mudaria (talvez a base do contrato subiria mas mesmo assim duvido que fizesse tanta diferença). . .

Nenhum clube em Portugal tem massa adepta critica suficiente para ter valor comercial para os contractos televisivos (Excluindo talvez Braga maritimo ou VGuimaraes)

Infelizment e está é a realidade. . .

Nem sei pq fala dos emprestimos o guimaraes a epoca passada deveu muito aos emprestados . . .
Ru
Ahahahaha
2017-08-14 17h30m por Ruiasb18
Entao este gajo esta a dizer q em inglaterra n ha ca. pos inclinados?? Ahahahah Fds
Eu espero q este gajo continue a fazer artigos de opinião no ZeroZero pq sinceramente eu parto me a rir a ler isto
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
O futebol português vive, e dá-se bem, num “microclima” criado pelos seus adeptos, dirigentes e poderosamente estimulado pela comunicação social e por largas ...
23-10-2017 19:25
A Taça de Portugal é, todos os sabemos, uma prova diferente que, tendo um sortilégio muito próprio (o chamado “espírito” de Taça) a torna ...
16-10-2017 00:05
Sendo claro que desde que me conheço o meu clube é o Vitória, como é natural sendo nado e criado em Guimarães, nunca padeci desse mal tão português ...
09-10-2017 11:33E15
Opinião
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
O meu mundo aos quadrados
José Pedro Pais
Visão de jogo
Pedro Silva
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Visão de jogo
Pedro Silva