Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

BenficaPortugal
InglaterraManchester United
JuventusItália
PortugalSporting
MarseilleFrança
PortugalV. Guimarães
Bota que chuta
Luís Peres
2017/02/28 09:47
E0
“O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais importante que isso”. A frase é do lendário Bill Shankly, mas permitam-me a mim - menos lendário mas bem mais bonito – discordar veementemente. A vida sem escárnio é uma chatice brutal, e já nem falo da morte. Este espaço trilha esse caminho intermédio entre a vida e a morte. Aqui cabe o “Panenka” directo ao aconchegante colinho do keeper, o bigode farfalhudo a ocupar a lateral esquerda ou o ponta-de-lança mortífero que leva meia-dúzia de épocas para marcar três golos. Este é o cantinho deles.

Dérbis! Virtudes, defeitos, qualidades – tudo posto a nu. Pitons no ar, sangue nas caneleiras, cheiro a bifanas misturado com pólvora vinda dos irredutíveis tiffosi! Jornada de futebol em estado puro, basculação gourmet com redução de contragolpe entrelinhas! Isto é bola!

Soltem a emoção! No primeiro dérbi da jornada, o Vitória defrontou o vizinho Moreirense num jogo que ainda não contou com Ary Papel. Fica o lamento. Fica também a menção da derrota dos cónegos e também uma palavrinha: karma. Obrigado. #freearypapel

No Bessa, duelo da Invicta modo vintage. Soares pinta a pantera de azul; Talocha evoca o espírito errante de Petit, Litos e Ávalos em doce momento de carícia axadrezada nas extremidades adversárias. Eternamente presas no purgatório, as almas desta santíssima Trindade do cacete sorriem de coração cheio, perante Espírito Santo a procurar aplicar os cinco mandamentos na testa de uma ex-divindade das balizas.

António Coimbra da Mota, Estoril, distrito de Lisboa. Dérbi de dinâmica metropolitana, qualidade técnica de cariz rural. Após vitória leonina, salta à vista a reunião de Kléber e Licá no mesmo plantel. Problemas no balneário? A História ensina-nos que, por norma, grandes egos colidem e tornam ambientes saudáveis em atmosferas tóxicas e irrespiráveis. Vide Lennon vs McCartney, Batatinha vs Companhia ou D. Afonso Henriques vs Mãe. Por algum motivo a editora discográfica Espacial (beijo, Ágata! #comunhaodebens) nunca tentou reunir Nel Monteiro e Toy numa super-banda. A verdade é que o Estoril-Praia leva magros 5 (CINCO) pontos nos últimos 11 (ONZE) jogos. Coincidências? Nah.

A vinte quilómetros de distância, o Sport Lisboa e Benfica “empurrou” mais um problema pelas Kostas e deitou as ambições do Desportivo de Chaves ao tapete verde. Os valentes trasmontanos lutaram com galhardia, mas sofreram com as ausências de N’Tsunda, Toniño e Vítor Vieira. Melhores dias virão.

Em busca de melhores dias andam também os bracarenses, que viajaram até Setúbal para testemunhar o duelo entre Alan e Edinho. Os dois idosos foram munidos de um par de mantinhas quentes e um transístor de pilhas. Uma vez confortavelmente instalados nas suas cadeiras desdobráveis, disputaram uma acesa suecada enquanto comparavam mazelas e se revezavam na afirmação de que “antigamente é que havia respeito”. Edinho chegou mesmo a manifestar repetidamente a necessidade de um Salazar em cada esquina.
A suecada terminou pelas cinco da tarde, após Alan ter adormecido pela quarta vez e Edinho ter decidido que já se fazia tarde, rumando então a casa para jantar uma sopinha quente.

Maurides, por outro lado, é um gajo que não gosta de sopinhas quentes. Ele gosta é de baldes de água fria, que foi o que despejou sem apelo nem agravo nas carecas dos infelizes sentados na bancada do Municipal de Arouca. E na do Prof. Neca também. Não esquecer o Prof Neca.

Para finalizar, uma parcimoniosa notinha: tudo somado, as equipas de Rio Ave, Paços, Nacional e Feirense disputaram 360 minutos de futebol, tendo utilizado para o propósito 56 futebolistas. O saldo foi assim ligeiramente para o parco: zero golitos. * #zerozero *
Assalta-me, portanto, uma questão: se uma alma abençoada decidisse juntar 56 quadros do menino da lágrima, os dividisse em igual número por dois campos de futebol, atirasse uma bola para dentro de cada um e deixasse passar 90 minutos… o resultado teria sido diferente? Ou será que um menino da lágrima (ou até mesmo o vento) teria arranjado forma de enfiar o esférico na baliza? Outra dúvida: será que é sequer possível reunir 56 quadros do menino da lágrima?! Caso seja, de que raio estamos à espera?

Tantas questões e tão pouco tempo.



Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
E assim arranca a Primeira Liga, com a primeira jornada que afinal se estende até à segunda jornada, mas que não faz parte da mesma jornada. Por sua vez, a segunda jornada mistura-se com a ...
17-08-2017 15:03
Arouca: seria disparatado equiparar a época do Arouca a uma montanha-russa, até porque as montanhas-russas não explodem numa flamejante bola de fogo cósmico no final da ...
05-06-2017 16:02E2
Paciência, amor e carinho. Durante meses a fio, artistas e formações várias foram pacientemente adicionando ingredientes e condimentos à sua sopinha. Mexendo, ...
09-05-2017 09:57E5
Opinião
Visão de jogo
Pedro Silva
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Visão de jogo
Pedro Silva
O meu mundo aos quadrados
José Pedro Pais
Na Minha Secreta Área
Luís Rocha Rodrigues