Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

BenficaPortugal
PortugalChaves
V. SetúbalPortugal
PortugalUD Oliveirense
TSG HoffenheimAlemanha
AlemanhaBayer Leverkusen
Bota que chuta
Luís Peres
2017/03/07 10:03
E1
“O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais importante que isso”. A frase é do lendário Bill Shankly, mas permitam-me a mim - menos lendário mas bem mais bonito – discordar veementemente. A vida sem escárnio é uma chatice brutal, e já nem falo da morte. Este espaço trilha esse caminho intermédio entre a vida e a morte. Aqui cabe o “Panenka” directo ao aconchegante colinho do keeper, o bigode farfalhudo a ocupar a lateral esquerda ou o ponta-de-lança mortífero que leva meia-dúzia de épocas para marcar três golos. Este é o cantinho deles.

À jornada 24, o 25 de abril de Ary Papel. Finalmente, a coação exercida por esta coluna de opinião semanal deu os seus frutos! Augusto Inácio, pressionado por hordas sedentas de sangue e Papel, cedeu: Ary estreou-se na primeira Liga ao minuto 79 da partida entre o Moreirense e o Boavista. Deixamos um pequeno resumo da sua brilhante prestação:

- 79’ : Ary Papel entra em campo. Violinos tocaram e o firmamento pintou-se de rosa. Iván Bulos diria mais tarde que esta fora a entrada em campo mais majestosa que jamais vira.

- 81’ : Ary Papel toca pela primeira vez no esférico. Sete anjos ascendem ao céu e algodão doce brota do chão.

- 83’ : Ary Papel ensina Fábio Espinho a falar holandês, checo e mandarim em apenas 43 segundos. “foi como se tivesse sido tocado por Deus”, afirmou o boavisteiro. #pentecostes

- 85’ : Ary Papel curou a sida e o cancro, mas ninguém quis saber. Malditos lóbis farmacêuticos.

- 88’: Ary Papel, entediado, decidiu acabar o jogo mais cedo e mandou tudo para o balneário. Os intervenientes obedeceram com um sorriso nos lábios.

Foi bonito, pá, mas a vida continua.

Regressando ao futebol mundano, a luta pelo título continua ao rubro. O FC Porto enfiou sete batatas na sopa do Nacional madeirense, motivando Jokanovic a exclamar entre lágrimas que “foi o meu pior momento frente a gajos de azul e branco desde que o Latapy fez o favor de deixar-me com um pé virado para Belgrado e outro para Novi Pazar. E o boi nem sequer me foi visitar ao hospital”, conclui entre soluços. Latapy, quando confrontado com tais declarações, afirmou que “até gostaria de ter ido visitar o homem ao hospital, mas o Clint não me emprestava o carro e o Lewis tinha um chaço, um Lada de 1984. Eu tinha medo que aquela bosta não chegasse à Madeira e fiquei em casa. Depois o Baroni disse-me que a Madeira era uma ilha e eu até fiquei contente de ter recusado ir de carro com o Lewis. Bons tempos.”

Domingo começou com um Paços Ferreira x Tondela parco em momentos empolgantes para além do facto de a equipa da casa ter “FIXPAÇOS” orgulhosamente escrito no peito. A paucidade futeboleira levou as 37 almas cuidadosamente pintalgadas na bancada a ponderar se não teria sido melhor terem antes ido ao concerto da Mafalda Veiga. Na defesa do suculento desporto-rei, em detrimento de uma sandes de tédio musical, aqui fica uma lista de motivos de interesse referentes a este desafio:

- O Cláudio Ramos passou a segunda parte inteira com um pedaço de algodão da toalha enfiado na barba.

- O treinador do Paços é um sósia do Brody, da série Homeland.

- O cabelo do Gegé parece uma esponja de lavar a louça.

O CS Marítimo, por sua vez, limpou a travessa ao Vitória setubalense, mercê de um golo do brasileiro Fransérgio, que não é Francisco, nem é Sérgio. Por outro lado, também não é Sérgio, nem sequer Francisco. Talvez seja uma mão cheia de nada, ou então um pouco dos dois. Não sei, é confuso.

Falemos então do Barça do Marão, que aterrou em Lisboa com Batatinha no onze, provavelmente com o intuito de aterrorizar os adversários que padecem de coulrofobia. Coulrofobia é o termo utilizado para designar fobia a palhaços. Permitam-me uma reflexão sobre esta problemática: quem foi o génio que, na ânsia de divertir uma cambada de pirralhos, chegou à conclusão que a abordagem correta seria encher um adulto de maquilhagem grotesca e exagerada, enfiar-lhe um nariz vermelho em forma de bola, aumentar-lhe mãos e pés de tamanho até ficarem selvaticamente desproporcionais e encorajá-lo a utilizar uma buzina ruidosa e irritante? Por muito boas que fossem as intenções, há sobretudo que lamentar o facto desta lastimável ideia ter aterrorizado gerações de petizes mundo afora.

Aproveitando a deixa, e na sequência da menção a artes circenses e gerações emocionalmente marcadas: falemos do Sporting. Ou melhor: falemos das eleições no Sporting.

Ou então, melhor ainda: não falemos nem do Sporting, nem das eleições no Sporting.

Isso, assim está bem.



Comentários (1)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
nao tem ponta por onde se lhe pegue
2017-03-10 00h47m por Nivia1997
e que tal falar de bola que e o que realmente interessa?
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
Após paragem de semanas, o campeonato regressou como só ele sabe : no papel de passageiro VIP no comboio da polémica, confortavelmente sentado entre o idoso que cheira mal da ...
25-10-2017 16:12E5
E assim arranca a Primeira Liga, com a primeira jornada que afinal se estende até à segunda jornada, mas que não faz parte da mesma jornada. Por sua vez, a segunda jornada mistura-se com a ...
17-08-2017 15:03
Arouca: seria disparatado equiparar a época do Arouca a uma montanha-russa, até porque as montanhas-russas não explodem numa flamejante bola de fogo cósmico no final da ...
05-06-2017 16:02E2
Opinião
O Caldeirão
Rodrigo Correia
Futebol Total
Nelson Diogo Duarte
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Na Minha Secreta Área
Luís Rocha Rodrigues
Futebol Total
Nelson Diogo Duarte