Segue o facebook do zerozero.pt. Notícias, Vídeos e Fotografias na sua rede social.

Error message here!

Error message here!

Esqueceu-se password?

Perdeu a password? Introduza o seu endereço de email. Irá receber um link para criar uma nova password.

Error message here!

Voltar ao login

BenficaPortugal
PortugalArouca
Lusitano FCVPortugal
PortugalSporting
JuventusItália
ItáliaSPAL 2013
Azul do céu como o futuro
Sebastião Barata
2018/09/05 23:54
E1
Coluna de opinião, batizada pelo belo verso de Pedro Barroso, que irá acompanhar a nova realidade do Clube de Futebol os Belenenses, sem por isso deixar de olhar para o futebol português no seu todo.

A presença do Belenenses nas distritais tem despertado ceticismo entre uma pequena fação de adeptos, que expressam o seu sentimento nas redes sociais, seja em grupos de sócios e simpatizantes ou nas publicações oficiais do clube.

O ceticismo tem como base a pergunta “como vamos convencer os mais novos a ser de um clube das distritais?”. A questão implica desde logo duas falácias: a necessidade de “convencer” alguém a ser de um clube; e a dificuldade em apoiar uma equipa que milita no último escalão do futebol português.

Quanto à primeira, ser-se do Belenenses (ou de qualquer outra equipa, obviamente) não é resultado de qualquer tipo de persuasão ou discussão entre uma criança ainda sem clube e um adepto que a tenta angariar para a sua bancada. Cria-se, isso sim, uma relação entre adepto e clube, ou melhor: o adepto revê a sua identidade num determinado emblema desportivo e em torno desse emblema os sócios e simpatizantes sentem-se unidos e interligados – Michael Serazio, professor universitário, escreveu inclusive um artigo científico onde analisou de uma perspetiva durkheimiana este fenómeno sociológico no desporto. O seu caso de estudo foi a vitória dos Philadelphia Philies na World Series de 2008, que uniu os habitantes da cidade americana em torno da equipa, restaurando os valores comunitários e a união entre as gentes de Filadélfia.

Como se pode ver, não há espaço para convencimentos nem argumentos quando o que está em causa é uma questão, digamos, espiritual e não tão preta e branca quanto pode parecer a alguns. Contudo, o ambiente do futebol português não é propício a “espiritualidades”, e entende-se por aí a resistência de um ou outro adepto à ideia de alguém se tornar belenense num contexto adverso como o que vivemos. Só teríamos direito a ser de três clubes se nos deixássemos guiar pela comunicação social, pela arrogância condescendente de alguns apoiantes desses ditos emblemas ou até mesmo pelas instituições que gerem o futebol – as condicionantes nos sorteios do campeonato, o silêncio da Liga face a casos como o do Belenenses e, mais recentemente, do Leixões e a falta de uma política que proteja os clubes face às SADs demonstram bem essa tendência.

É por isso que, mais do que nunca (até porque, com a passividade da Liga, os sintomas referidos estão a caminhar para um ponto de não retorno), é importante relembrar a questão dos valores. Não falo dos valores monetários, obviamente; mas sim dos valores de identidade, aqueles sobre os quais os clubes são fundados, e com os quais a massa associativa se identifica. As vitórias e os títulos são, inegavelmente, um fator importante para alguém ser de determinada equipa; mas terão de ser sempre os valores o elo de ligação entre clubes e pessoas.

Vai isto de encontro às reticências relativamente ao apoio que um Belenenses nas distritais possa vir, ou não, a ter. Não está em causa apoiar um clube das distritais; está em causa apoiar o Belenenses. Se os jovens se identificam verdadeiramente com o clube, não olharão à divisão, da mesma forma que um número significativo de sócios retirou o apoio à equipa de futebol sénior nos últimos 5 anos por não reconhecer naquela formação valores belenenses, independentemente dos resultados e da presença na primeira liga.

As palavras de Raul Solnado servem de reposta à pergunta dos mais céticos. O ator não dizia que é do Belenenses quem é persuadido nem quem está na primeira liga. Dizia, e bem, “é do Belenenses quem pode”. No contexto atual, é do Belenenses quem pode esperar, no mínimo, cinco anos até regressar ao escalão principal, quem pode lutar contra o futebol moderno, quem pode apoiar a equipa sem olhar à divisão, etc. Se o clube se mantiver fiel aos seus valores, serão muitos e muitas a poder.



Comentários (1)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
o distrital tem uma grande vantagem
2018-09-07 23h53m por carlos_batuta
"Não há" jogos fora.
Com jogos num raio de poucos km, e bilhetes a poucos euros, é possível levar a família a todo o lado, e criar "bichinhos".
Falo com a experiência de salgueirista. Os primeiros anos após o regresso foram saborosos.
Força Belém.
OPINIõES DO MESMO AUTOR
Desde a última crónica que muito se passou no mundo do Belenenses: cumprimos o nosso 99.º aniversário, ganhámos categoricamente o primeiro jogo a ...
09-10-2018 21:56E3
Escrevo estas palavras depois de uma tarde longa e saborosa no Estádio do Restelo. Não sei por onde começar a falar sobre a tarde e o jogo com o Atlético, pois ...
10-09-2018 18:23E3
Realizou-se na passada segunda-feira pelas 20h o primeiro treino da equipa de futebol sénior do Belenenses. Mais do que um mero ensaio para inaugurar a temporada, a ocasião serviu, ...
22-08-2018 10:04E2
Opinião
O Caldeirão
Rodrigo Correia
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Mete lá Pra Cima
Bruno Matias
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
O meu mundo aos quadrados
José Pedro Pais